Weekend Alta relojoaria: Mestria alemã

Alta relojoaria: Mestria alemã

O estilo da Junghans continua a ser muito sóbrio e minimalista, o que é típico da relojoaria alemã, como mostram os modelos dourados Max Bill.
Alta relojoaria: Mestria alemã
Fernando Sobral 04 de novembro de 2017 às 14:00
É no sudoeste da Alemanha, no coração da Floresta Negra, que a Junghans tem desenvolvido ao longo de 156 anos a sua intensa actividade relojoeira. Agora voltou a ter distribuição em Portugal, o que nos permite reencontrar o universo que Erhard Junghans e os seus sucessores acabaram por transformar na maior fábrica de relógios do mundo, no seu tempo áureo. O seu estilo continua a ser muito sóbrio e minimalista, como é típico da relojoaria alemã, onde uma forte cultura de design está sempre presente, desde logo nas emblemáticas colecções da linha Meister ou na linha Max Bill. Esta, fruto do trabalho que o artista da Bauhaus desenvolveu para a marca alemã, continua a marcar o ritmo das propostas da Junghans. Max Bill foi uma referência nas áreas da arquitectura, design, escultura e pintura. A sua influência foi tão grande que novas colecções continuam a ser apresentadas, como reflexo da sua determinação gráfica.

Momentos de serenidade são agora revividos de um modo particularmente especial com os modelos dourados Max Bill. Minimalistas, estes modelos completam a família de puros clássicos do design com novos destaques: o mostrador branco salienta os números e a data em tom púrpura ou azul-escuro, realçando a tipografia tão característica de Max Bill. Cada cor reflecte-se igualmente na bracelete. Em combinação com as linhas distintas da caixa dourada, surge um relógio nobre e de construção consistente que, sempre que olhamos para o pulso, sobressai como um relógio único ligado a tempos especiais.

Foi de acordo com o conceito de que "A forma segue a função" que o artista e aluno da Bauhaus, Max Bill, criou um relógio de carácter tão singular. A disposição lógica do mostrador do relógio de cozinha do ano de 1956, que ficou na história do design como relógio de parede Max Bill, tornou-se num elemento característico dos seus relógios e foi incorporada no design dos primeiros relógios de pulso Max Bill, em 1961. O artista deu um valor especial à combinação de utilidade e beleza. Graças à sua construção distinta e à aspiração de obter perfeição estética, os clássicos do design da linha Max Bill da Junghans são, até hoje, fabricados quase sem alterações.

Temos agora modelos para senhora com movimento de quartzo J643.29, numa caixa de 32,7mm, numa pulseira em couro com fivela revestida a PVD. E modelos masculinos, também em quartzo, surgem com uma caixa mais poderosa de 38mm. Reflexos do grande legado de Max Bill para a empresa alemã, que quer reviver os seus tempos vencedores. 

Feminina

A Seiko é, desde há muito, uma representante forte da tecnologia japonesa aplicada ao mundo dos relógios. Criada em 1881 por Kintaro Hattori, depois deste ter aberto uma loja de joalharia em Ginza (Tóquio), a marca lançou-se na produção de relógios anos mais tarde, em 1892. No início usava o nome Seikosha, mas em 1924 esse nome foi alterado para o mais ágil Seiko. A produção mais constante de relógios começava então, já com a nova designação. O seu momento de reconhecimento universal deu-se muitos anos mais tarde, em 1969, com o lançamento do Seuko Astron, um modelo que revolucionou por completo o mundo da relojoaria, já que iniciou a era dos relógios de quarzo. Algo que, como se sabe, teve profundas implicações na forma como a indústria se teve de adaptar aos novos tempos e desafios tecnológicos.

Agora a Seiko lança a sua nova colecção feminina Premier, conjugando classicismo e modernidade. Com três ponteiros e calendário, índices em numeração romana e vidro de safira, são duas as versões disponíveis, ambas com bracelete em aço. A consumidora pode escolher o modelo todo prateado com ponteiros azuis, ou a versão com apontamentos em ouro rosa e mostrador de madrepérola. Mais uma vez a marca procura aliar a lógica clássica ao mais moderno da tecnologia. 






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub