Weekend Atenas: História vigiada pela Acrópole

Atenas: História vigiada pela Acrópole

A capital da Grécia é sinónimo de cultura e de um passado milenar. Torná-la apenas num ponto de passagem para uma das paradisíacas ilhas do país pode ser um erro, do qual se vai arrepender. Atenas tem muito para visitar de dia e uma noite quente e movimentada.
Atenas: História vigiada pela Acrópole
Vanda Cipriano 13 de agosto de 2017 às 10:00
A capital da Grécia é o ponto de partida para qualquer uma das paradisíacas ilhas do país, das quais Santorini e Mykonos são os postais mais turísticos. Mas é muito mais do que isso. Atenas é cultura, mas acima de tudo é uma das cidades com mais História em todo o mundo. E, também por isso, este texto pode tornar-se pequeno para falar das maravilhas deste "recanto", onde deve perder, pelo menos, cinco dias. Para desfrutar sem correrias e apreciar ruínas transformadas em obras de arte.

A maior de todas é a famosa e não menos arrepiante Acrópole. Foi isso que senti quando contemplei de perto monumentos (sim, é disso que se trata) erguidos por volta do ano 450 a.C. A "cidade alta" foi construída em homenagem a Atena, padroeira da cidade, e é por ali que ainda hoje pode ver o Propileu ou o Partenon, o templo principal da Acrópole. Num plano elevado, é visível de vários pontos da cidade, o que lhe dá um ar ainda mais misterioso.

Ao chegar à Acrópole mais conhecida do mundo (a entrada é paga e custa 20€) tem garantidas vistas absolutamente arrebatadoras sobre Atenas, uma cidade de contrastes: séria de dia, animada à noite. Sim, a capital da Grécia transforma-se quando o sol se despede e os gregos saem à rua em grupos para festejar e descontrair de copo na mão, junto de amigos.

Atenas é uma cidade para se caminhar. É a única forma de assegurar que não vai perder pontos obrigatórios, como é, por exemplo, o Arco de Adriano, um monumento construído com o mesmo mármore usado no Partenon, e que, com os seus 18 metros de altura, invade o meio da cidade.


Com o coração da cidade a bater na praça Syntagma, onde se concentram o Parlamento e a generalidade dos Ministérios - e que, no auge da recente crise europeia, serviu de palco a inúmeras manifestações -, pode ir andando até parar em recantos pitorescos e imperdíveis. E como isto das viagens tem muito de gostos pessoais, nada como falar da minha e do fascínio que senti ao passear pelo bairro de Plaka, um daqueles locais que guardo sempre com um sorriso.

Típico, com bons restaurantes, e uma arquitectura antiga, Plaka tem todos os motivos para um bom passeio. Museus, lojas cheias de cor e boas esplanadas para beber um refresco, fazem parte da oferta de um bairro que tem qualquer coisa de boémio, mas chique. E depois há Anafiótika, um local que faz parte de Plaka, todo ele com casas brancas e ruas muito apertadas, onde vale (muito) a pena um passeio sem rumo. Pessoalmente, o ambiente descontraído deste bairro agrada-me mais do que o de Monastiraki, também muito conhecido e apelativo, mas mais propício a quem quer fazer compras. Eles são próximos e só uma diferença no ambiente ajuda a fazer a distinção entre ambos.

Atenas tem muito mais para se ver e mostra, acima de tudo, um espírito patriótico exibido com orgulho em todas as esquinas. As bandeiras da Grécia fazem parte da decoração da cidade e dão-lhe uma atmosfera especial.


Onde comer

Em Plaka, há várias opções para comer e saborear a excelente gastronomia grega. As saladas com o imprescindível queijo feta, e os grelhados com o delicioso molho tzatziki (feito de iogurte, pepino e hortelã) são (para mim) imperdíveis. E depois há o gyros, uma espécie de churrasco que se come no prato ou em pão de pita, com molho e salada. A comida é o início para nos apaixonarmos por um local e a da Grécia é divinal. Os gregos falam dela com orgulho e com razão.

Como ir

Infelizmente, a TAP não tem voos directos de Lisboa para Atenas, mas é possível viajar com um parceiro, a Aegean Airlines (através do site da companhia portuguesa), que tem um voo diário a ligar as duas capitais sem interrupções. Depois há alternativas, com escalas, ou procurar em companhias "low-cost" com paragens noutras cidades europeias.

Indicações importantes/alojamento

Qualquer local no centro de Atenas é considerado bom para ficar hospedado. Entre a praça Syntagma, e os bairros de Monastiraki e Plaka, tem várias opções, para diferentes preços. As lojas de souvenirs estão espalhadas um pouco por toda a cidade e os produtos são regateáveis, dependendo da quantidade que quiser comprar.





A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 dias

Repúblicas das Bananas como a Grécia e Portugal não tem credibilidade nem autonomia económico-financeira porque não tem tido políticas que permitam a criação, captação e fixação do melhor e mais adequado talento e capital disponível nos mercados globais de talento e capital. Sem flexibilização dos mercados laborais e fortalecimento dos mercados de capitais portugueses, Portugal nunca vai participar nas revoluções industriais como actor principal, secundário ou mesmo figurante. Será eternamente o expectador que chega ao evento sempre perto do acto final e por isso fica sem perceber o pouco daquilo que viu.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Repúblicas das Bananas como a Grécia e Portugal não tem credibilidade nem autonomia económico-financeira porque não tem tido políticas que permitam a criação, captação e fixação do melhor e mais adequado talento e capital disponível nos mercados globais de talento e capital. Sem flexibilização dos mercados laborais e fortalecimento dos mercados de capitais portugueses, Portugal nunca vai participar nas revoluções industriais como actor principal, secundário ou mesmo figurante. Será eternamente o expectador que chega ao evento sempre perto do acto final e por isso fica sem perceber o pouco daquilo que viu.

pub