Gastronomia Como no tempo das nossas avós

Como no tempo das nossas avós

Se alguém descobrir em Lisboa pão tão bem feito e tão romântico como o da Gleba Moagem & Padaria, diga-nos com urgência onde está que pagamos para ver isso. Ver, cheirar e comer.
Como no tempo das nossas avós
Pedro Catarino
Edgardo Pacheco 28 de janeiro de 2017 às 16:15
A Gleba fica na rua Prior do Crato, 14 a 18, Lisboa (Alcântara)
Tm. 966 064 697
Preço do pão por quilo: entre os €3,90 e os €5,89.


Desta vez é que é. A abertura da uma padaria em Lisboa vai arruinar definitivamente a minha saúde e as minhas finanças. Desde que a Gleba Moagem & Padaria nasceu - há pouco mais de um mês - já perdi a noção do dinheiro que gastei a comprar aqueles que - com humildade e pedido de desculpa aos meus amigos de Trás-os-Montes, Alentejo ou Sesimbra - considero ser dos melhores pães que se fazem cá na pátria. E, se cingirmos esta avaliação a Lisboa, aí arrisco a vida e a honra para jurar que coisa igual não há.

Convém esclarecer que a questão do dinheiro que gasto não tem a ver com o preço do pão em si. É com o que vem a seguir, porque há muitas parcelas a somar. Primeiro, tenho de atravessar Lisboa para chegar a Alcântara e meter moedas para financiar a EMEL. Segundo, o pão até se come como um bolo, mas o meu espírito guia-me sempre - já com umas boas metades num saco de linho - para a Queijaria Cheese Shop & Bar (Rua das Flores) e, depois, para a Manteigaria Silva (junto à Praça da Figueira), com um desvio por uma ervanária para resolver problemas de consciência e evitar raspanetes sérios do médico, perante as análises futuras.

No regresso a casa venho sempre em modo de condução de terceira idade (40km à hora) porque fico com a ideia de que o cheiro do pão dentro do carro pode fazer com que me distraia e desrespeite todas as regras de trânsito. Já em casa, começa a desgraça. Pão de Trigo da Gleba com manteiga da ilha das Flores (nesta matéria garanto mesmo que é a melhor do mundo) e, nos intervalos, o mesmo pão, ora com queijo São Jorge, ora com Stilton ou Chèvre da Granja dos Moinhos (mas nunca pão + manteiga + queijo, que isso é falta de respeito pelas partes). No final da festa, uma infusão de alcachofra, ou de cardo Mariano que, como se imagina, não resolve nada.

Quem tem culpa desta desgraça? O Diogo Amorim que, aos 21 anos, resolveu ser moleiro e padeiro ao mesmo tempo.

O Jovem de Santa Maria da Feira estudou artes culinárias na Suíça e, em modo de estágio, foi trabalhar para esta instituição de culto inglesa que é o Fat Duck (um dos melhores restaurantes do mundo), onde despertou para o mundo do pão, das farinhas e dos fermentos. Já em Portugal passa pelo Vila Joya e, há meia dúzia de semanas, abre a Gleba Moagem & Padaria.

Se os leitores estão curiosos por saber em que se distingue a Gleba de outras padarias, resumo a coisa desta forma. O Diogo é um padeiro com grande domínio científico do processo de fermentação; o Diogo anda pelo país à procura de variedades de cereal antigas e cultivadas em modo praticamente biológico (neste momento trabalha com produtores de Trás-os-Montes ao Alentejo); o Diogo faz questão de ser ele próprio a moer o cereal no seu moinho de pedra, na própria padaria, porque isso traduz-se em farinha e farelo mais ricos e mais aromáticos, condição fundamental para a intensidade aromática do pão; e, por fim, o Diogo só usa massa velha como fermento, ingrediente que é uma bênção para a saúde e para os nossos sentidos.

Por causa de tudo isto podemos comer pães elementares de trigo, de centeio e de milho que nos rementem para as cozinhas das nossas avós e mães (no caso de quem teve a sorte de ter avós e mães que coziam pão). Pães compostos com frutos secos ou queijo, também há. Pães naturalmente irregulares em termos estéticos, com crostas escuras e crocantes e com aromas e sabores intensos. O cheiro inebria e o sabor acidulado da massa velha vicia.

Palavra de honra que, em tempos de barbárie alimentar, nunca na vida pensei que pudesse vir a comprar pão desta categoria em Lisboa. E tudo porque um miúdo de 21 anos andava revoltado com a qualidade de pão que se fazia por cá.

Que outros Diogos apareçam noutras urbes do país. Mas, para que isso aconteça, nós os que não passamos sem pão de pão a sério temos de fazer o mínimo: comprar o pão da Gleba.






A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS 29.01.2017

Conheço, gosto e concordo com o autor do artigo.

comentários mais recentes
Reb77 29.01.2017

Um bom artigo , que meteu água na boca, é que na verdade me fez ressentir aqueles aromas esquecidos , quando puto ia buscar o pão à minha avó ... como hei-de dizer , a auto-sugestão funcionou maravilhosamente bem au lê-lo , parabéns a si por nós fazer descobrir coisas boas e então à Gleba também pelo bom trabalho que produz , só me tarda de lá ir

IS 29.01.2017

Conheço, gosto e concordo com o autor do artigo.

pub
pub
pub
pub