Weekend Dubai, a terra do luxo e da fantasia e onde tudo pode nascer

Dubai, a terra do luxo e da fantasia e onde tudo pode nascer

Ilhas artificiais, fontes que dançam, hotéis que rebentam a escala das 5 estrelas, o maior centro comercial do planeta. No Dubai é tudo feito a grande escala, mas nada parece ao acaso. Como não foi a entrada em 2017, estampada no edifício mais alto do mundo.
reuters reuters reuters reuters
Vanda Cipriano 08 de janeiro de 2017 às 10:00
Podia ser uma nova terra dos sonhos, mas é apenas um dos sete emirados, o maior e o mais conhecido. Mas é, garantidamente, um local que não o vai deixar indiferente, onde tudo o que imagina pode acontecer. No Dubai, em pleno deserto, existem praias de água quente, hotéis dos mais luxuosos, o maior centro comercial do mundo, um dos maiores aquários do planeta, onde pode nadar com tubarões, fontes que dançam (literalmente) e quase tudo o que possa sonhar. E sim, há luxo, muito luxo ao virar de qualquer esquina, num país conservador e seguidor do Islão, mas liberal e respeitador das convicções e diferentes formas de estar e ideologias religiosas de quem o visita.

O Dubai é uma caixinha de surpresas e a garantia que, a todos os anos - arriscaria mesmo, todos os meses -, terá algo de novo para visitar. Este é um emirado que não pára e que exibe vários pontos de orgulho, sendo a Burj Khalifa, claramente, um deles. E é imperdível, mais não seja por ser o edifício mais alto do mundo, com 828 metros e onde as vistas são verdadeiramente arrebatadoras. A entrada, que pode e deve ser comprada online, custa 32 euros (das 8h30 às 15h e das 18h30 até ao fecho) ou 52 euros (entre as 15 e as 18h30).

Foi ali, junto à icónica torre que o Dubai celebrou, como é hábito, a entrada em 2017. Fê-lo num jogo de luzes e fogo-de-artifício absolutamente monumental, com a contagem decrescente a acontecer na própria Burj, que "cuspiu" fogo de todas as cores às 00h01. Um espectáculo memorável (ver sequência de fotos).

A Burj Khalifa faz parte de um projecto milionário chamado "downtown Dubai" e onde pode visitar também o Dubai Mall. Imagine lá… Sim, é o maior centro comercial do mundo. Tem um aquário gigante e o zoo subaquático, onde as experiências são únicas e tantas que pedem uma visita ao sítio online para analisar preços e opções (www.thedubaiaquarium.com). Mas este centro comercial tem também um andar com 22 salas de cinema, 200 locais para comer na zona de restauração, um gigante parque de diversões da SEGA e muitas lojas, distribuídas por diversas ruas e onde os mais conceituados estilistas do mundo estão representados. E porque no Dubai muito pouco é impossível, neste centro comercial há também uma pista de gelo, de tamanho olímpico.

É também por ali que pode assistir, todas as noites, a um espectáculo exclusivo, onde as fontes "dançam". Este é um momento também possível de ser visto de dia (às 13 e 13h30), mas a magia é maior com o contraste das luzes. As fontes que dançam ao som de música podem atingir os 140 metros de altura e são um "must see" do Dubai, entre as 18 e as 23 horas - o espectáculo acontece a todas as meias horas.

De Rolls-Royce ou helicóptero...

Falar do Dubai é falar de luxo, dos hotéis de 7 estrelas. O Burj al Arab Jumeirah, que está construído numa ilha artificial de 280 metros, é dos mais exclusivos do mundo. Classe e sofisticação são apenas alguns dos adjectivos que podem ser usados para descrever o hotel, onde duas noites para um casal podem custar 2.800 euros. O serviço, esse, é exclusivo: pode chegar a esta unidade hoteleira através de um Rolls-Royce da colecção que ali existe para este efeito, ou de… helicóptero.

Uns degraus mais abaixo, em termos de preço, mas com animação garantida para quem tem filhos, o "Atlantis the palm Jumeirah" é uma excelente opção. As mesmas duas noites ficam por 600 euros e dão acesso a um aquário que serve de vista para alguns dos quartos. Ali pode nadar com golfinhos e entrar gratuitamente no parque aquático "Aquaventure". Terá, garantidamente, dias únicos.

Estas são apenas duas das luxuosas opções deste emirado, mas há mais. Qualquer hotel de uma conceituada cadeia mundial tem representação no Dubai e, anime-se, os preços são mais acessíveis. O Sheraton, por exemplo, oferece-lhe duas noites de cinco estrelas por 300 euros, mas há outras soluções muito mais em conta. Ou seja, o turismo no Dubai passa muito por aquilo que procura e que pretende fazer.

Se é calor que quer, está no sítio certo, mas se prefere umas férias diferentes no deserto então pode visitar o Ski Dubai, uma espécie de pista de esqui construída no "The Emirates Mall", o que transforma o Dubai num sítio ímpar no mundo. Em meses como Junho, Julho e Agosto, nos quais as temperaturas exteriores podem atingir os 45 graus centígrados, a hipótese de esquiar, mesmo podendo parecer estranha, não será, certamente, de excluir.

Falar no Dubai é falar na cidade do ouro e há "souks" (mercados) específicos para o comprar. Localizado em Deira, a parte antiga do Dubai, o "souk" do ouro é o mais visitado pelos turistas e está aberto diariamente entre as 10 e as 22 horas - a excepção, como em tudo no Dubai, são as sextas-feiras, dia sagrado para o Islão. Perder-se nos mercados típicos, do ouro, aos tecidos, passando (claro!) pelo das especiarias é um programa que deve ponderar quando visitar este emirado. Como deve também pensar em fazer uma excursão ao deserto em veículos 4x4, tendo emoção garantida nos muitos quilómetros de dunas que separam a cidade do acampamento onde vai jantar. Mesmo sendo uma experiência turística, não deixa de ter interesse, tratando-se de algo absolutamente diferente para quem vive na Europa.

Seria impossível falar do Dubai sem fazer uma "visita" às palmeiras, que mais não são do que três ilhas (Jumeirah, Jebel Ali e Deira) artificiais, que estão a ser construídas (apenas a Jumeirah, a mais pequena, está completa) para terem, basicamente, centros comerciais, spas, hotéis e blocos habitacionais de luxo, muitos deles com piscina e praia privada. E depois há o "the world Dubai", um projecto de 300 ilhas construídas no mar, colocadas de forma estratégica a "desenharem" o planeta terra para quem as vê de cima. É o mundo no Dubai, uma terra onde os projectos prometem não parar em termos de desenvolvimento e de inovação. Estar no Dubai é quase como entrar numa dimensão diferente, num mundo de luxo, mas também de muita fantasia. E de divertimento garantido.


Como ir

Hoje em dia, é relativamente fácil chegar ao Dubai. Pode fazê-lo em escala para um qualquer país asiático, ou apenas como destino final, o que, na maior parte das vezes, não significa a opção de viagem mais económica. Tem muitas soluções para chegar ao mais turístico dos Emirados Árabes Unidos e as grandes companhias aéreas fazem ligação desde Lisboa. No entanto, tenha em atenção que apenas a Emirates, a maior companhia aérea do Dubai, lhe garante uma viagem de 8 horas directa e sem paragens. Há um voo diário que liga Lisboa ao Dubai e as tarifas podem variar, mas em ocasiões promocionais pode consegui-la a rondar os 500 euros.

Moeda: dirham dos emirados. 1€: 3,82 dirham
(Consulte sempre o câmbio actual).

Visto: os cidadãos portugueses recebem visto
de permanência, válido para 90 dias seguidos à chegada ao aeroporto internacional do Dubai.

Línguas: o árabe é a língua oficial e o inglês a língua estrangeira mais falada. O nível é elevado, pelo que não terá problemas em fazer-se entender.

Conselhos: o Dubai é um emirado moderno e até bastante receptivo a costumes que não sejam os do Islão. No entanto, respeite sempre a cultura local, bem como as horas das cinco orações e o facto de boa parte da população feminina usar hijab. Ainda assim, e tendo em conta outros países vizinhos, no Dubai não será discriminado por usar roupas mais ocidentalizadas. Tenha atenção, porém, no consumo de bebidas alcoólicas e, acima de tudo, lembre-se de que conduzir sob o efeito de álcool dá pena de prisão.
Se for pouco resistente ao calor, evite viagens entre Julho e Agosto, altura em que será difícil sobreviver sem um bom ar condicionado ou tardes de praia: as temperaturas oscilam entre os 35 e os 45 graus centígrados.
A diferença horária é de 4 horas a mais do que em Portugal Continental.

Em todas as praias, escrito em inglês, terá um cartaz de "regras" que devem ser seguidas.

 Proibido nadar quando existir bandeira vermelha, ou fazê-lo com precaução mediante a bandeira amarela.
 Não nadar fora da área considerada segura.
 As crianças são da responsabilidade dos adultos.
 Mantenha a praia limpa e não deixe lixo.
 Cães não são permitidos na areia.
 É proibido acampar na praia.
• Vista-se de acordo com os costumes locais. Roupas de banho são proibidas fora da área da praia.
 Não existem salva-vidas: as crianças são responsabilidade dos adultos.
 Não são permitidas bebidas alcoólicas (se estiver num hotel de praia, existe alguma flexibilidade).

Comida: a gastronomia do Dubai tem o borrego e o frango como pratos fortes, sendo inexistente o porco. Como é normal em qualquer país do Médio Oriente, a comida é apimentada (o que não significa picante) e abundante em especiarias. Não terá dificuldade, porém, em conseguir comida internacional em qualquer parte do Dubai.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 09.01.2017


PS vai receber donativos dos clientes do BES a quem fez um favor milionário, pago pelos portugueses!

BES

PS rouba 270 milhões de €, aos trabalhadores e pensionistas... para dar a alguns amigos "especiais".

comentários mais recentes
Anónimo 09.01.2017


PS vai receber donativos dos clientes do BES a quem fez um favor milionário, pago pelos portugueses!

BES

PS rouba 270 milhões de €, aos trabalhadores e pensionistas... para dar a alguns amigos "especiais".

TSUNAMI, NO DUBAI, PRECISA-SE 08.01.2017

O que está a faltar no Dubai para pôr um travão nos caprichos megalómanos e desequilibrados dos multimilionários do petróleo, que não sabem o que hão-de fazer ao dinheiro, enquanto outros mossem de fome, o que ali está a faltar é um tsunami para destruir toda aquela me-rda da "palmeira" no mar.

pub
pub
pub
pub