Weekend Escrita em dia

Escrita em dia

A caligrafia é uma arte. E para isso uma boa caneta é fundamental. A escrita tem sido ao longo dos anos o coração da actividade da Montblanc. Agora a Bonheur surge como símbolo da felicidade e da alegria, numa caneta onde a estética dos “roaring twenties” está presente. Uma proposta em busca da essência da escrita à mão numa era de letras formatadas.
Escrita em dia
Agora, surge a Montblanc Bonheur, uma colecção de características femininas. Pretende sintetizar a elegância e a alegria da época com uma nova forma curvilínea, nova na história da Montblanc.
Fernando Sobral 14 de janeiro de 2017 às 15:45
A Montblanc faz, há muito, parte da história da escrita. Uma necessidade e também uma arte que, na idade dos teclados, alguns vão perdendo ou esquecendo. Mas, se muitas coisas mudaram, as canetas continuam a ser um modelo de beleza, sofisticação e distinção que ninguém deixa de apreciar. As propostas da marca, onde surge a sua inconfundível estrela branca, símbolo que evoca a montanha mais alta da Europa, são obras memoráveis. Agora surge a Montblanc Bonheur, uma colecção de características femininas. Pretende sintetizar a elegância e a alegria da época com uma nova forma curvilínea, nova na história da Montblanc. Esta última colecção da marca evoca a feminilidade e liberdade de estilo com a sua estética pura e detalhes sofisticados reminescentes da década de 1920.

Bonheur significa alegria, felicidade duradoura e sorte e, também por isso, o nome da colecção Montblanc Bonheur é representado no aparo em ouro com a sua estrela-cadente, um símbolo das qualidades de um instrumento da escrita que comemora a boa fortuna. A combinação de cor preta e branca simboliza a elegância e os estilos dos homens que as mulheres destemidas adoptaram como próprios. Das camisolas e calças dos marinheiros aos cortes de cabelo curtos. A tampa e corpo em resina branca preciosa contrastam com o topo da tampa e com o cone em resina preta. Em referência às linhas femininas da Maison dos anos 20, a marca traz de volta o "clip da lágrima" com as suas curvas sensuais, o fósforo perfeito para a forma distinta do instrumento da escrita.

O anel de tampa banhado a platina apresenta a gravação "Montblanc" e um padrão discreto reminescente de jóias Art Déco dá ao instrumento de escrita um toque adicional de feminilidade. Como acessório para complementar estes instrumentos de escrita feminina, a Montblanc criou uma bolsa para canetas branca de couro mais fino. A caneta Montblanc Bonheur, rollerball ou esferográfica, pode ser armazenada com segurança neste acessório sofisticado. No fundo, a marca revive a História, saudando ao mesmo tempo a beleza e a elegância da escrita feita à mão.

É mais uma linha que se junta a outras da Montblanc, como a Meisterstück, uma gama de canetas emblemática desde o primeiro exemplar manufacturado em Hamburgo, em 1924. A colecção Meisterstück apresenta-se de várias formas: desde a mais pura Caneta 149, às canetas Classique e LeGrand, até às rollerball e esferográficas. A Montblanc tem, ao longo dos anos, vindo também a dedicar especial atenção a grandes nomes da cultura, da política e da literatura mundial, com edições especiais que os homenageiam de forma muito elegante. A colecção Great Characters, por exemplo, tem dedicado desde 2009 edições especiais de homenagem a nomes como Andy Warhol, John F. Kennedy, Miles Davis, Leonardo Da Vinci ou Albert Einstein.

Já a Writers Edition tem homenageado figuras relevantes da escrita mundial como William Shakespeare, Leon Tolstoi, Honoré de Balzac, Thomas Mann, Jonathan Swift, Cervantes ou Franz Kafka. Trata-se de, com canetas de uma beleza surpreendente, celebrar nomes que se tornaram verdadeiros ícones das sociedades onde viveram. O corolário de uma história de muitos anos. Com mais de 100 anos.

A Montblanc tem raízes na época em que surgiam muitas empresas dedicadas à produção de canetas. O banqueiro Alfred Nehemias e o engenheiro August Eberstein também viram aí uma oportunidade de negócio, criando um produto de qualidade e de distinção. Nasceu a Simplo Filer Pen Co., com canetas cuja qualidade era famosa entre as classes altas da época. Mas, um dia, um dos fundadores escutou um dos seus familiares a comparar a qualidade das canetas da marca com o mais elevado e majestoso monte dos Alpes, o Montblanc.

Esse nome era capaz de simbolizar a grandeza europeia e, a partir daí, estava encontrado o fio condutor da empresa. Foi o que sucedeu desde 1913, cuja estrela branca simboliza a neve do monte mais alto dos Alpes. A estrela branca passou a estar presente em todos os produtos da marca que, com o tempo, também foi alargando a sua oferta. Exemplo maior da marca passou a ser a caneta Meisterstück, criada em 1924, e que sempre foi utilizada por figuras maiores da História universal. Em 1926, começou a designar-se este produto com o número 4810, a altura do monte Montblanc, o que reforçou a simbologia da marca. E, desde então, a História nunca mais deixou de se escrever.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub