Weekend História dos que ainda partem

História dos que ainda partem

Jorge Silva Melo traz um albergue para o palco. Nestas mantas há passado e presente. Já o futuro, parece sempre demasiado longínquo. É um refúgio sem porta de entrada.
História dos que ainda partem
O Grande dia da Batalha - Os artistas unidos estão no Teatro Nacional D. Maria II, em lisboa, até 25 de Fevereiro.
Jorge Gonçalves
Wilson Ledo 03 de fevereiro de 2018 às 19:00
Faz frio. Há mantas cobrindo os corpos ou espalhadas pelo chão e camas deste albergue. O abrigo possível, numa Rússia de dificuldades e contenções, dá-se a ver em plano geral. "Somos os que não contam."

Em "O Grande Dia da Batalha", Jorge Silva Melo e os Artistas Unidos partem de "Albergue Nocturno" de Máximo Gorki e, deliberadamente, desdobram-no em dois tempos.

Neles há em comum as histórias dos que lutam pela sobrevivência, que persistem na indigência. Não há uma acção principal além da intriga entre duas irmãs tão diferentes entre si. Importa mais o que está para lá dessa trama.

Mesmo que não se saia do quotidiano e da sua banalidade. Para quem não nasceu do lado certo da sorte, é dessas tricas que se faz a vida. Um ou outro lema lá se vai soltando entre os risos e as zangas.


Apesar das pistas, só quando o palco gira é que a atenção é realmente captada. Uma multidão, para não lhe chamarmos de coro, toma a dianteira. Em tom confessional, o tema retratado ganha uma componente de actualidade. As personagens do século passado têm agora outro nome: refugiados.

É o traço mais interessante deste trabalho de Jorge Silva Melo, pela ideia de permanência das questões que realmente nos deviam preocupar enquanto seres humanos. São os que ainda partem, são os que morrem pelo caminho. São eles. E ganham voz ali mesmo à nossa frente.

Contudo, esta ferida colectiva continua a parecer-nos ainda demasiado longínqua. A "variação" de Jorge Silva Melo é particularmente feliz num espectáculo onde se pode ter a sensação de que não se avança para lá das pequenas disputas entre personagens e das constantes trocas de roupa em cena.

"O Grande Dia da Batalha" é, também ele, um espectáculo longo na sua hora e meia - porque a urgência do momento contemporâneo não chega para compensar tudo o resto.


Louve-se sim a empreitada, cada vez mais rara, de Jorge Silva Melo em ter em palco duas dezenas de actores. Vale pela clareza (e o conhecimento) de como orientar tanta gente em palco.

E pela possibilidade de reflectir, nem que seja por um momento: depois desta vida, no céu ou no que realmente existir, também vamos sofrer?





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub