Weekend Independentes ao poder

Independentes ao poder

A edição deste ano do Grande Prémio de Relojoaria de Genebra deu o devido reconhecimento aos criadores independentes de topo, distinguindo-os com vários prémios.
Independentes ao poder
José Vegar 19 de Novembro de 2016 às 10:16
As distinções mais aguardadas do ano no mundo da alta relojoaria foram finalmente conhecidas esta semana. De facto, o júri do Grande Prémio de Relojoaria de Genebra decidiu finalmente quebrar o suspense e revelar os vencedores das várias categorias, disponíveis em pormenor em www.gphg.org. Confirmando uma tendência que se manifesta há escassos anos, o Grande Prémio foi o palco de uma intensa batalha entre os criadores independentes de peças de luxo e as grandes marcas clássicas do segmento "premium".

Este ano, a batalha pendeu muito ligeiramente para os independentes, já que o prémio maior, o "Aiguille D'Or", foi para o cronómetro FB 1 de Ferdinand Berthoud, confirmando assim o fascínio dos peritos e dos amantes por uma casa relojoeira que insiste em trabalhar sozinha há mais de dois séculos, a caminho da quimérica perfeição estética e mecânica.

Mas se a Berthoud conseguiu, com o prémio mais distinto, continuar a conquistar o território que é devido aos criadores relojoeiros de boutique, as marcas de topo não se deixaram, de modo algum, acomodar num lugar secundário. Duas delas, especialmente a Piaget e a Girard-Perregaux, tiveram especial destaque. A Piaget, confirmando um investimento que está no seu ADN, foi buscar o prémio de melhor peça para mulher, com o Limelight Gala, e recebeu ainda o muito desejado prémio artístico, com o Protocole XXL "Secrets & Lights" Venice Micro-Mosaic.

A Girard-Perregaux viu reconhecida a peça mecânica para mulher, o Cat's Eye Tourbillon with Gold Bridge, para além do prémio para tourbillon, com o La Esmeralda. A par destes dois gigantes, a Chanel voltou a brilhar no prémio de peça de joalharia relojoeira, com o Secret Watch "Signature Grenat", e a Tag Heuer regressou aos prémios, na categoria de revivalismo, com o seu cronógrafo Monza.

A tendência será a de que o próximo ano continue a ser o palco para esta batalha intensa entre as duas lógicas criativas que procuram conquistar o topo da arte relojoeira.

Novos no mercado 

A Berthoud não foi a única casa-boutique a ter uma distinção no Genebra 2016. A Czapek Genève foi reconhecida no prémio atribuído pelo público,  a Grönefeld recebeu um prémio para peça masculina, com o seu 1941 Remontoire, e a Eberhard & Co foi distinguida na peça desportiva. Um reconhecimento foi também dado ao regresso da Tudor, que viu premiado o seu Heritage Black Bay Bronze.



*Nota ao leitor: Os bens culturais, também classificados como bens de paixão, deixaram de ser um investimento de elite, e a designação inclui hoje uma panóplia gigantesca de temas, que vão dos mais tradicionais, como a arte ou os automóveis clássicos, a outros totalmente contemporâneos, como são os têxteis, o mobiliário de design ou a moda. Ao mesmo tempo, os bens culturais são activos acessíveis e disputados em mercados globais extremamente competitivos. Semanalmente, o Negócios irá revelar algumas das histórias fascinantes relacionadas com estes mercados, partilhando assim, de forma independente, a informação mais preciosa.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub