Weekend Legado Obama: Did he?

Legado Obama: Did he?

“Yes, we can”, prometia um optimista Barack Obama, acreditando na construção de um mundo melhor. “Yes, we did”, diz agora. Mesmo com o legado ameaçado por Trump, o presidente cessante parece não perder a esperança.
Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza Pete Souza
David Santiago 20 de janeiro de 2017 às 10:50
"Prometo-vos que chegaremos lá", proclamou em Chicago um ainda jovem Barack Obama na noite em que, no final de 2008, se tornou o primeiro afro-americano eleito Presidente dos Estados Unidos. Perante 250 mil pessoas unidas pela esperança e comoção, o "lá" que Obama prometia era uma América melhor e mais forte. Oito anos depois, e a escassos dias da passagem de testemunho para Donald Trump, o Presidente cessante regressou à cidade que viu nascer o "Obama político" para uma emotiva despedida em que o alento dos discursos inaugurais deu lugar à defesa do seu legado.

"Yes, we did", garantiu Obama numa adaptação do slogan da campanha "Yes, we can" que, contra todas as expectativas, e com um misto de fé e vontade de mudança, tornou a sua candidatura à Casa Branca num imparável movimento rumo à vitória. O tempo agora é de balanço. Resta, portanto, a pergunta: "Did he?"

"Obama concretizou a maioria das mudanças que prometeu em 2008", defende Michael Grunwald, autor do livro "The New New Deal: The Hidden Story of Change in the Obama Era". Redactor principal do site Politico, Grunwald lembra que, quando Obama assumiu funções, os EUA "encaminhavam-se para uma segunda Grande Depressão e as suas políticas ajudaram a evitar o descalabro e a estimular a recuperação". Também Álvaro Vasconcelos estabelece um paralelismo entre as políticas económicas de Obama e o "New Deal" do Presidente Franklin D. Roosevelt. "Obama fez políticas à Roosevelt", diz o antigo director do Instituto de Estudos e Segurança da União Europeia, que atribui ao Presidente cessante o mérito de ter feito "um corte com o pensamento neoliberal, dominante desde [Ronald] Reagan". No âmbito da promovida "recuperação financeira" ("Recovery Act"), Bernardo Pires de Lima, investigador do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI), realça a "redução do desemprego e do défice orçamental".

Após dois mandatos de administração Obama, foram criados 16 milhões de postos de trabalho, o emprego cresce há 75 meses consecutivos, a taxa de desemprego recuou de níveis recorde na casa dos 10% para menos de 5% e, em 2016, os rendimentos aumentaram para todos os segmentos de trabalhadores. Há ainda o reforço legislativo das regras aplicadas à indústria de Wall Street ("Dodd-Frank Act"). "Obama voltou a colocar a economia americana como uma das mais pujantes do mundo", resume Álvaro Vasconcelos.

O jornalista Grunwald salienta igualmente o polémico Obamacare ("Affordable Care Act"), que "garantiu o acesso a seguros de saúde a 20 milhões de pessoas e que transformou o nosso disfuncional sistema de saúde". Também Pires de Lima inclui o Obamacare nos principais "feitos" do Presidente cessante, possibilitando a "extensão da protecção à saúde a milhões de americanos". Ambos destacam a "revolução de energia limpa" ("Clean Energy Act"), que garantiu a independência energética nacional, sublinha Pires de Lima. Obama "fez mais para reduzir as emissões de dióxido de carbono do que qualquer outro na História", remata Grunwald.

A promoção dos direitos de identidade de gays, lésbicas e transexuais permitiu "melhorar substancialmente" as suas vidas, aponta o jornalista americano, sem esquecer o derrube da lei que proibia homossexuais assumidos de cumprirem o serviço militar. Em termos de políticas de igualdade, a administração Obama aprovou, também, legislação para fomentar a equidade de salários entre homens e mulheres com funções equivalentes. Verificou-se, porém, o aumento do fosso que separa os 1% muito ricos dos restantes 99%.

Expectativas envenenadas

À imagem de qualquer estadista, o legado de Obama não é isento de erros nem imune a críticas. Desde logo porque a sua retórica messiânica criou expectativas demasiado elevadas. E dificilmente concretizáveis. Um dos exemplos notórios da desilusão instalada é a sonhada e prometida "América pós-racial". Em entrevista à NBC News, Obama admitia que cumprir esse sonho "nunca foi realista", porque um "problema com séculos não poderia ser resolvido do dia para a noite". "Ao contrário do esperado, as tensões raciais não conheceram uma evolução favorável", afirma Álvaro Vasconcelos. A reforçar esta ideia está o aparecimento do movimento "Black Lives Matter" e os confrontos entre comunidades negras e forças policiais que mancharam o segundo mandato.

Além deste fracasso assumido pelo próprio, Obama não escondeu o desalento pela incapacidade demonstrada em aprovar legislação mais restritiva sobre o uso e porte de armas. O tiroteio de Sandy Hook, em 2012, é para Obama o momento mais negativo dos oito anos de presidência.

Pires de Lima identifica um outro fracasso ao nível doméstico: Obama não terá feito tudo o que podia pela paz no eleitorado democrata depois das primárias de 2008, uma divisão que contribuiu para a derrota de Hillary Clinton em 2016". Grunwald concorda e recorda que o Partido Democrata "perdeu as duas câmaras do Congresso sob a sua liderança e vê Obama ser substituído por alguém que quer desfazer tudo aquilo que ele fez".

"Obama criou extraordinárias expectativas. O que acabou por criar um défice de expectativas", explica Álvaro Vasconcelos, lembrando o não cumprimento da promessa de encerrar a prisão de Guantánamo. Receber o prémio Nobel da Paz com menos de um ano de presidência - Obama chamou-lhe "presente envenenado" - não ajudou. "Mas não conseguir pôr em prática toda a sua agenda" também se deveu a um Congresso hostil, não apenas em relação ao político mas também ao que a própria pessoa representa, sustenta Vasconcelos. Em bloco, a oposição chamou-lhe "demagogo das palavras". Classificação injusta, diz Pires de Lima, ao ver na "qualidade da comunicação e da liturgia do discurso presidencial" factores que fizeram de Obama "um dos melhores Presidentes americanos no domínio do discurso político".

Um presidente multilateralista

Olhando para o plano externo, a avaliação feita à acção presidencial de Barack Obama é globalmente favorável. "No essencial, foi muito positiva", diz Vasconcelos. O especialista em RI considera que o Presidente cessante percebeu que "a América já não é uma superpotência hegemónica e que já não vivemos num mundo unipolar". E conclui que "Obama foi claramente um Presidente multilateralista" num "mundo pós-ocidental", em que países como a China e Índia "são a pedra-de-toque". O Acordo de Paris sobre as alterações climáticas é um exemplo desta perspectiva. Tal como o é a "importância atribuída ao G10, à China e à Ásia de uma forma geral".

A abertura que se traduziu no acordo de cooperação com Cuba e no acordo sobre o programa nuclear do Irão também figura entre os feitos das políticas de Obama. "Forjou um acordo que travou o programa nuclear iraniano e promoveu uma grande abertura face a Cuba", refere Michael Grunwald. "Também fez regressar a casa quase todas as nossas tropas que estavam no Iraque e no Afeganistão", lembra o jornalista. Pires de Lima discorda ao considerar que Obama "não previu nem geriu convenientemente as retiradas do Iraque e do Afeganistão, nem as revoltas árabes e islâmicas no Mediterrâneo".

Mesmo com a generalidade dos analistas a apontar a Síria como o maior falhanço da política externa da administração Obama, o Presidente cessante vê na Líbia o seu maior fracasso. Vasconcelos compreende esta leitura e recorda que Obama "também foi eleito pela defesa do não-intervencionismo" e salienta que, "apesar do mandato do Conselho de Segurança, foi grave a intervenção na Líbia ter ido muito além do mandato da ONU".

Mas, para Álvaro Vasconcelos, a acção americana na Síria foi, de facto, "o maior fracasso", sobretudo pela "indisponibilidade de os EUA usarem a força, mesmo como último recurso". A política de Obama em relação ao Médio Oriente "foi extremamente negativa", lamenta o analista. O que, no entender de Pires de Lima, se ficou a dever "à ingenuidade e excesso de optimismo" demonstrados por Obama, "sobretudo no início do mandato". Para o investigador, houve "demasiada complacência com o revisionismo russo na Ucrânia e na política europeia".

Considerando que Obama "fez a análise correcta da ordem internacional e colocou em prática as políticas certas para multilateralizar o policentrismo" vigente, Vasconcelos acredita que "a fragilidade da UE e o processo de desagregação internacional enfraqueceram a capacidade de acção de Obama". Para Pires de Lima, os mandatos do Presidente cessante constituíram "uma grande oportunidade perdida para fazer mais e melhor na política interna e externa e uma grande oportunidade conquistada para mudar uma série de eixos geopolíticos, percepções sobre a América, novas formas de fazer campanha eleitoral e de alargamento da sensibilidade social". Vasconcelos defende que estas contradições mostram que "Obama tinha o defeito das suas virtudes". Ou seja, a convicção na necessidade de procurar "consensos para implementar uma agenda de valores que não pode ser imposta, tem de ser construída". Classificando o legado de Obama de "extraordinário", este analista afiança que "vamos ter saudades dele e, quanto mais o tempo passar, melhor perceberemos o quão certo estava em relação ao essencial". O que também deixará saudades, e que não é de somenos quando se olha para o historial de polémicas de muitos Presidentes norte-americanos, é que Obama deixa a presidência "sem escândalos nem casos nefastos à sua imagem ou da sua família", recordam Pires de Lima e Grunwald.

Um legado ainda por definir

Quando Barack Obama tomou posse como 44.º Presidente dos Estados Unidos, reinava a esperança numa América e num mundo melhores. Agora que toma posse Donald Trump, é o medo do abismo e a incerteza que imperam. Obama sai de cena com nota alta, como mostra a sondagem desta semana do Washington Post e da ABC, que o inclui no lote restrito de Presidentes - Roosevelt, Reagan e Bill Clinton - que cessam funções com 60% ou mais de aprovação. E como um político inspirador e bem-intencionado que tentou derrubar muros - tensões raciais, desigualdade, preconceitos -, mas que se deparou com uma oposição acicatada. Sem maioria no Congresso, recorreu a decretos presidenciais para aprovar medidas como a redução das emissões de gases poluentes ou o reatar das relações com Cuba e o Irão. Boa parte deste legado está agora ameaçado pela chegada de Trump ao poder. É por isso que Grunwald, mesmo considerando que Obama "foi um Presidente incrivelmente consequente", diz que o seu "legado ainda não está definido". Conhecedor desta realidade, Obama disse na NBC que "fazemos progressos e, por vezes, damos um passo atrás antes de voltar a andar para a frente. Mas isso não é motivo para desesperar. É motivo para ter esperança."





A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado 00SEVEN 20.01.2017

Os argumentos finais para os 8 anos de Obama estão a aproximar-se e é tempo de encarar a realidade com independência e isenção se houver por aí jornalistas suficientemente sérios e profissionais para o fazer.
O balanço ao fim de 8 anos parece que não serve para ajudar o seu legado.
Os ganhos salariais parece que penderam só para o lado dos mais ricos; 32% dos americanos acham que o pais se tornou mais racista do que jamais foi na sua história; os planos para a Líbia falharam estrondosamente; a política para a Síria foi um desastre e acabou por deixar de ter a iniciativa que passou para Putin; a sua assinatura do "ObamaCare" foi um desastre total e encareceu tudo que estava associado à saúde e, last but not the least, a dívida que ele herdou do seu antecessor e que ele criticou severamente estava nos 9 triliões de USD e hoje sai do poleiro com a dívida dos 20 triliões de USD o que ele acha "manageable."
Deixa para o seu sucessor um pantanal de lixo e, muitas coisas vão vir ao de cima!

comentários mais recentes
5640533 Há 3 semanas

Osama e Marcelo são os únicos políticos que não vêem o poder como meio de tratar da vida deles.

Anónimo 20.01.2017

NO: HE DID NOT!!!

Ze Moca 20.01.2017

Sim; Obama vai ficar na historia como um grande estadista; o poder de compra do povo deceu 30% durante o seu reinado, e na sua cidade natal os homicidios que a' oito anos foram de 64 , em 2016 foram de 764; fez muito progresso!!!! viva o rei !

Criador de Touros 20.01.2017

Obama foi ao zero absoluto. Deixou os africanos mal vistos com a sua incompetência. Espero que Trump não seja pior.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub