Weekend Nazim Ahmad: Tenho orgulho em dizer que somos portugueses e só depois ismailis

Nazim Ahmad: Tenho orgulho em dizer que somos portugueses e só depois ismailis

É visto como um dos grandes responsáveis pelas estreitas relações entre Portugal e o Aga Khan e a comunidade ismaili, cuja sede mundial está a ser instalada em Lisboa. No momento em que se comemora o Jubileu de Diamante do Príncipe Aga Khan, há 60 anos no cargo, cabe a palavra a Nazim Ahmad. Actualmente Representante Diplomático do Imamat Ismaili junto da República Portuguesa, está ligado há décadas à Rede Aga Khan para o Desenvolvimento. Um homem que nasceu português, veio para Lisboa como paquistanês e passou anos a lutar para recuperar a sua nacionalidade.
Nazim Ahmad: Tenho orgulho em dizer que somos portugueses e só depois ismailis
Miguel Baltazar

Nasceu em Moçambique. Como era o país então, e o seu enquadramento familiar?

Nasci na então Lourenço Marques numa família modesta, com seis filhos, quatro rapazes e duas raparigas. Eu era o segundo filho mais velho. Estudava e tinha uma vida normal, ainda que consciente das dificuldades do meu pai e da vida dura que levava para manter a família. O meu pai vendia materiais de construção a famílias humildes da periferia, como carvão, madeira e zinco. Até que a dada altura a nossa situação mudou completamente devido a um encontro do destino! O meu pai estava a comprar um camião, quando o director da empresa que lho ia vender, um suíço, que simpatizou com ele, lhe disse, após lhe ter perguntado o que fazia na vida, "pára já com essa actividade porque vais começar a vender automóveis da Ford!". Surpreendido, o meu pai aceitou, mas com muito receio, pois não tinha nem escolaridade, nem conhecimentos e receava pelo futuro da família. O suíço – o senhor Bruner – deu-lhe condições muito boas e o meu pai lá foi na sua primeira viagem, na zona de Inhambane, onde havia grandes empresas indianas. E regressou incrédulo e eufórico, tinha tido tanta sorte que vendeu logo uma série de camiões, tendo ganho nessa primeira viagem mais do que num ano inteiro de trabalho no seu negócio anterior! Ainda assim, por segurança, não quis acabar com este e pôs o meu irmão mais velho à sua frente. Mas, nos três meses que se seguiram, nada de negócio, não se vendia mais veículo nenhum! O meu pai ficou muito preocupado e foi dizer ao suíço que aquilo não dava para ele. O senhor Bruner disse-lhe que não, que o que ele precisava era de formação. O meu pai assim fez, e pouco a pouco a nossa vida começou a melhorar ligeiramente. Em 1960, o meu irmão mais velho morre de repente com 20 anos. Estava na tropa, num navio Save que carregava material de guerra em Quelimane e que explodiu. Foi um choque muito grande para os meus pais, que entraram em depressão. Como o meu pai estava totalmente destroçado, até para trabalhar, eu, agora como filho mais velho, aos 16 anos tive de parar os meus estudos e começar a trabalhar e, de algum modo, a liderar a família. Esse acontecimento alterou a nossa vida drasticamente. Então, o que fiz? Acabei com o negócio anterior do meu pai e, a pedido do sr. Bruner, passei a trabalhar com ele a tempo inteiro, acabando por substituir o meu pai. O sr. Bruner, por outro lado, tornou-se o meu segundo pai. Foi impressionante a forma como ele me tratou! Ele fez com que eu crescesse e aprendesse muito. Aos 16, 17 anos, eu já estava a trabalhar em pleno e apesar de não ter formação, aprendi a mover-me bem nos negócios com grandes empresas multinacionais. As coisas estavam a correr excepcionalmente bem. Tirei logo a carta aos 18 anos. Era chefe de família. Até que chegou a minha altura de também ser chamado para a tropa, como o meu irmão...


 

Devia estar muito entusiasmado nessa altura...

Estava. Muito. Porque de facto eu trabalhava bem, fazia todas as formações e tratava de todos os serviços de marketing. Foram anos extraordinários, em que eu comecei a ver as coisas de outra maneira. As comunidades indianas em África trabalhavam nas cantinas, nas lojas, fechadas sobre si mesmas, sem exposição exterior, e eu tinha entrado com algum sucesso numa área vista como de mais difícil acesso. Depois veio o serviço militar. Eu entrei aos 19 anos, apesar de o meu pai ter tentado de tudo para eu não ir. Estive lá três ou quatro meses, mas os meus pais estavam em pânico. O meu pai nem me queria ver fardado. E continuava a pensar como me poderia tirar da tropa, até que encontrou uma saída. O meu pai nascera em Bombaim, território britânico na altura, pelo que tinha cidadania britânica, mas a determinada altura teve de escolher entre o Paquistão e a Índia. Dadas as relações difíceis à época de Portugal com a Índia, escolheu o Paquistão. Assim, o meu pai falou com o embaixador. Disse-lhe que era paquistanês e que queria dar essa nacionalidade a todos os filhos, que deixavam de ser portugueses. Eu estava na tropa, já era maior, e de repente o meu pai mexe em tudo e consegue a cidadania paquistanesa para mim! Traz-me um passaporte, vai ter com um general e diz-lhe que eu era estrangeiro, que não me podiam ter no Exército! Isto criou um problema complicado. O governador envolveu-se, pois abria-se um precedente para outros, os italianos, os ingleses e outras comunidades indianas, que ficavam com a possibilidade de fazer o mesmo, por ser uma maneira inteligente e legal de não ir à tropa. O governador mandou-me chamar e disse que eu tinha duas opções: ou renunciava à nacionalidade paquistanesa para assumir a portuguesa ou renunciava à nacionalidade portuguesa e seria deportado para o Paquistão! Eu já tinha feito essa renúncia formal no dia anterior, porque tinha sido obrigado – o meu pai chegou com documentos e eu não lhe pude dizer que não! Entrei em pânico! E o meu pai também. Resolvi pedir um visto para ir a Portugal, e consegui falar com o ministro dos Negócios Estrangeiros, dr. Rui Patrício, sem marcação, sem nada! Foi incrível. Simplesmente fiquei à espera e no segundo dia fui recebido. Ele disse-me que queria evitar confusões, porque já havia muitas a nível internacional com a questão colonial, e disse-me que ia enviar um telex para Lourenço Marques para resolver o problema. Que eu regressasse. Esta foi a minha primeira ligação com um membro do governo. Foi muito significativo para mim o ministro receber-me sem eu marcar nada, só por saber que estava alguém à espera. Isto acrescido do apoio tão franco, aberto, compreensivo e genuíno que me deu! É uma dívida que não é possível esquecer. Mas, de volta a Lourenço Marques, o governador diz-me "não tenho cá nada". Tento voltar para Portugal e fico com o passaporte retido. Estava de novo em pânico! Teve o meu pai de ir falar com o ministro e lá se desbloqueou a situação! Deram-me visto e cartão de residência. Assim, quando eu vim para Portugal, ainda vim como estrangeiro!

 

Portanto, veio para Portugal enquanto paquistanês?

Sim. Consegui residência assim. Mas o que mais me preocupou nos meus primeiros tempos em Portugal foi tentar recuperar a minha nacionalidade. Eu nasci em Moçambique, sob a bandeira portuguesa e sentia-me português antes de mais nada. Não fazia sentido para mim não ser português.

 

Essa questão era para si fundamental porquê?

Para mim, era impensável que durante o resto da minha vida eu não fosse o que sempre tinha sido, o que a minha mulher e as minhas filhas eram. Todos nascemos em território português. Foi uma época muito difícil. Vim para Portugal em 1976 e tive dois pedidos indeferidos, tive de falar com o ministro da Administração Interna, com o ministro da Justiça, e com o Dr. Almeida Santos, que foi extraordinário, pois compreendeu que eu não tinha renunciado por motivos políticos. Só à terceira vez, em 1980, é que me foi dada a minha nacionalidade de volta. Num papel de pergaminho, assinado pelo Presidente Ramalho Eanes. Mas sabe uma coisa? Foram quatro anos durante os quais a obtenção da minha nacionalidade foi a prioridade da minha vida. Eu nem dava a devida atenção ao início da minha actividade profissional em Portugal. Foi uma vitória fundamental para mim e até hoje guardo com emoção todos os documentos deste processo.

 

Reconstituindo o percurso, quando é que se estabelece em Portugal?

Saí de Moçambique a 13 de Março de 1976, depois da independência, porque tinha uma grande responsabilidade na nossa comunidade. Quando a comunidade saiu praticamente toda, eu fiquei responsável pela parte religiosa, em Moçambique. Eu não estava com vontade de sair, estava convencido de que a situação iria mudar e normalizar, mas antes pelo contrário, a situação tornou-se muito complicada. As minhas filhas eram muito pequenas e eu compreendi, com pena, que estava já no limite, que não podia garantir a segurança delas, nem da minha mulher. No dia em que assisti a um assalto brutal com tiroteio em frente à minha casa na Avenida do Trabalho, decidi finalmente sair. Nessa altura, Sua Alteza o Príncipe Aga Khan ia inaugurar o Hotel Serena em Nairobi. Comprei passagens de ida e volta para lá para a minha família. Deixei a casa fechada, com tudo lá dentro e não voltei mais.

 

Qual foi o sentimento de deixar Moçambique para trás e começar uma nova vida?

Eu vinha um pouco magoado, por sair dessa maneira de um país que considerava como pátria... é muito difícil de descrever, a insegurança e ansiedade do que poderá acontecer. Quando cheguei ao Quénia, estive dez dias em choque, apanhei febre e tudo o mais. Foi muito difícil, e essas mágoas ficam. Nessa minha saída, quando cheguei a Portugal, eu disse: "Eu sou português, quero ser português, agora vou esquecer tudo." Dediquei-me a isso e ao trabalho. O meu irmão foi extraordinário. Foi ele que primeiro chegou a Portugal e criou o negócio que sustentava a família. Nós vivíamos todos na mesma casa, mas tínhamos comida, porque havia um restaurante. Foi muito importante.

 

Como se integrou nessa estrutura que já estava cá?

O meu irmão estava à frente do negócio, do restaurante. Eu fui tentando recompor-me, e ver o que podia fazer além disso, porque não tinha muita queda para essa área. A situação em geral era complicada devido ao grande número de retornados em Portugal. Mas quanto à integração na sociedade e cultura portuguesa, foi muito fácil. Em Moçambique sabíamos tudo sobre Portugal, os rios, as estradas, a filosofia e a realidade portuguesa. Não havia assim grandes diferenças. Não estranhei o facto de vir para este país, se fosse outro seria mais complicado. A nossa integração foi tão fácil, os vizinhos que encontrei, amigos que se fizeram, foi extraordinário. Ainda hoje tenho amigos dessa altura. Fortaleci a convicção de que o povo português é incrivelmente acolhedor. Tal como eu, a comunidade ismaili sentiu-se bem acolhida e está hoje totalmente integrada. Tenho orgulho em afirmar que somos primeiro portugueses e só depois ismailis.

 

Não tinha queda para a restauração, depois foi fazer o quê?

Em Moçambique eu tinha uma empresa de aluguer de automóveis, na qual ganhei alguma experiência e achei que essa seria uma das áreas que eu devia desenvolver em Portugal e foi o que fiz. As coisas correram muitíssimo bem, até que empresas multinacionais chegaram cá e todos decidimos vender as nossas participações. Em 1990, quando fui nomeado presidente do Conselho Nacional da Comunidade, vi que não conseguia dar tempo suficiente à minha actividade profissional pessoal e, depois de uma consulta interna dentro da minha família, passei a trabalhar em "full-time" para a instituição.

 

A sua relação com a comunidade ismaili existiu desde sempre, houve algum momento especial?

É a nossa cultura, é de berço. Quando crescemos, é já dentro desta cultura. Nasci numa família de crentes, fortemente crentes, sou um muçulmano shia, o meu pai foi durante 15 anos responsável pela área religiosa da comunidade. E quando cheguei a Lisboa, a primeira coisa que fizemos foi juntarmo-nos. Eu já fazia parte das instituições da comunidade em Moçambique e rapidamente me integrei aqui. No primeiro Conselho Nacional da Comunidade que Sua Alteza o Príncipe Aga Khan, líder da nossa comunidade, nomeou em Portugal, eu era responsável pelo departamento económico, precisamente para ajudar as famílias a criar condições para terem melhores oportunidades, aluguer de casa, de lojas, actividades comerciais. O departamento dava inclusivamente apoio legal e teve um papel crucial no processo de manutenção da nacionalidade portuguesa dos membros da comunidade chegados de Moçambique. Até à data, estive sempre ligado, desde o início, aos trabalhos comunitários, em várias funções. Nesta instituição, neste momento eu também estou indirectamente ligado a actividades de desenvolvimento económico. A Rede Aga Khan para o Desenvolvimento tem áreas de hotéis, indústria, e acompanho tudo isso, não deixei de estar actualizado. Esta foi a melhor universidade que poderia ter tido.

 

A morte do meu irmão, na tropa, alterou a nossa vida drasticamente. Comecei, de algum modo, a liderar a família. 

 

Em que momento é que começou a trabalhar com a rede?

Em 1983, quando Sua Alteza o Príncipe Aga Khan veio a Portugal pela primeira vez, foi extraordinária a maneira como o Presidente Ramalho Eanes e o primeiro­-ministro Pinto Balsemão e o governo o receberam. Isto tocou-nos muito, eu era na altura membro do conselho responsável pela parte económica e fiquei muito sensibilizado. Notei que os governantes portugueses deram uma importância muito grande a Sua Alteza, que ele foi recebido com tanto carinho. Nós tínhamos chegado em meados dos anos 70, havia pouco tempo, e eu ver isso como português, essa recepção e esse respeito, e a forma como a comunidade se integrou e o reconhecimento pelas autoridades... marcou-me. Hoje temos o Centro Ismaili porque na altura o presidente da Câmara de Lisboa, eng.º Krus Abecassis, disse a Sua Alteza: "Se quiser um terreno, podemos encontrar-nos amanhã para falarmos sobre o assunto." Esse gesto fez com que eu decidisse que me iria dedicar integralmente não apenas à criação do centro, mas também que houvesse uma ligação mais estreita e uma presença mais forte das nossas instituições em Portugal, para benefício mútuo.

 

A rede está cá há quanto tempo?

A Rede Aga Khan para o Desenvolvimento começou a sua actividade em Portugal precisamente em 1983, quando o governo autorizou que fosse aberta cá uma filial da Fundação Aga Khan suíça. Isso foi muito importante. Depois, fomos criando vários programas e Sua Alteza decidiu criar uma Fundação Aga Khan Portugal, não uma filial, mas uma fundação portuguesa. Foi em 1996, no tempo do governo de Guterres. E Sua Alteza determinou que a partir daí esta fundação portuguesa assumiria a liderança dos nossos projectos nos países da CPLP e da lusofonia. A fundação hoje está em Moçambique como filial da fundação portuguesa. Entretanto, houve o processo de paz em Moçambique e o irmão do Presidente Chissano, que foi meu colega quando trabalhava na Ford, liga-me. Disse que o seu irmão queria falar comigo porque queria convidar Sua Alteza a Moçambique. Sua Alteza o Príncipe Aga Khan nomeia-me então para eu ir lá e constituímos um grupo de trabalho que conduziu à conclusão e assinatura de um acordo diplomático de colaboração com Moçambique. O acordo diplomático com o governo português é assinado em 2005. 

 

Foram quatro anos em que a obtenção da nacionalidade portuguesa foi a prioridade da minha vida. Ainda guardo todos os documentos deste processo. 

 

Tem tido sempre boas relações com os governantes portugueses.

Eu tenho tido relações com todos os Presidentes da República, desde o Presidente Ramalho Eanes, com quem ainda há dias estive e com quem tenho uma relação extraordinária. Também sou próximo do dr. Pinto Balsemão, desde a altura em que era primeiro-ministro, e autorizou que a fundação tivesse uma filial cá. Com o Presidente Mário Soares tive as melhores relações possíveis, bem como com toda a sua família, particularmente o dr. João Soares, que licenciou a construção do Centro Ismaili. O último acto oficial do dr. Mário Soares foi promulgar a criação da Fundação Aga Khan portuguesa. O engenheiro Guterres aprovou esta criação em Conselho de Ministros. O Presidente Jorge Sampaio teve um papel importantíssimo para nós, que foi presidir ao lançamento da primeira pedra e inaugurar o Centro Ismaili. O professor Cavaco foi muito relevante, sobretudo no acordo para o estabelecimento da sede do Imamat Ismaili em Portugal. Quando se apercebeu que havia pedidos de outros países para instalação desta sede, sugeriu que se devia considerar Portugal como alternativa. E o facto de ele ter ratificado todos os acordos fez com que para mim tenha sido uma pessoa que também marcou a minha vida. O actual Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, com quem temos relações desde Moçambique, também conhece muito bem as nossas instituições e a nossa comunidade. Tem sido um grande amigo, que recentemente visitou o Centro Ismaili, onde teve um encontro com a comunidade. E condecorou Sua Alteza o Príncipe Aga Khan no dia 20 de Julho, após presidir o doutoramento "honoris causa" de Sua Alteza, na Universidade Nova. Se olharmos, há muitos exemplos de proximidade, diálogo e entendimento mútuo. Portanto, veja: como é possível não estarmos extremamente gratos, como comunidade e em nome das nossas instituições, por tantas demonstrações de consideração e estima por parte dos diversos detentores dos cargos dos órgãos de soberania do Estado português?

 

E quando recebe a comenda dada pelo Presidente Jorge Sampaio, esse foi o momento em que lhe veio tudo à memória, a perda de nacionalidade e a luta para a recuperar?

Foi uma grande surpresa, nem imaginava, ainda por cima a cerimónia foi transmitida publicamente na televisão pela RTP internacional. Os meus amigos em todo o mundo, que eu não via há 20 ou 30 anos, começaram a ligar-me. Eu disse na altura ao Presidente que quem merecia as comendas todas era Sua Alteza o Príncipe Aga Khan, porque este trabalho era resultado do seu empenho, eu limitava-me a ser o executor da sua vontade. Mas fiquei muito reconhecido.

 

E o facto de a sede do Imamat  Ismaili vir para Portugal também é muito fruto de trabalho seu, de muitos anos, reconhece isso?

A instalação da sede do Imamat em Portugal é uma decisão de Sua Alteza e vem no seguimento do alargamento da acção em Portugal do AKDN, através das suas várias agências, cujo trabalho se vinha – e continua a vir – alargando. A Rede Aga Khan está presente em mais de trinta países do mundo. E ser voluntário faz parte do nosso ADN. Por exemplo, estamos cá a gerir hoje um centro de educação infantil em parceria com o Instituto da Segurança Social. Não fazemos isso em mais lugar nenhum do mundo nestes moldes. Hoje estamos no terreno na área de desenvolvimento social e urbano, com uma lista de projectos e temos o orçamento que Sua Alteza me deu porque, nas suas palavras, "eu quero que, com a criação da Fundação Portugal, ela tenha dimensão", e deu-me imediatamente orçamentos para várias áreas. Até 1996, nós éramos só financiadores de programas. Hoje estamos a trabalhar no terreno com o nosso "staff", cerca de 100 pessoas.

 

E como foi o seu regresso a Moçambique, anos depois?

Voltei com o professor Cavaco, na altura primeiro-ministro. Ele quis levar uma série de empresários para lá. Eu estava muito relutante, confesso, mas convenceram­-me. Estávamos num ciclo novo, tudo o que era passado era para esquecer. Saí em 1976 e voltei em 1988 ou 1989. Foi uma emoção terrível, quando o avião estava a aterrar. Mas o que mais me tocou, a minha primeira reacção, foi ir ter com a minha ama, a mamã Wilsson. Eu não sabia se ela estava viva. Quando cheguei ao Hotel Polana, não quis saber se estava no quarto A ou no quarto B. Fui à zona onde eu vivia, onde tínhamos as nossas actividades comerciais, e consegui saber que a minha ama, que tomou conta de mim quando eu era bebé, estava a trabalhar nuns hospitais, na limpeza das casas de banho. Consegui ir ter com ela e quando nos vimos, ela a dançar, ela conheceu-me.

 

Reconheceu-o imediatamente?

Imediatamente. Começou a dançar, e eu a chorar agarrado a ela, foram momentos incríveis, era como se estivesse a ver a minha mãe, a minha mãe de volta. Nem sabia o que fazer com ela. Levei-a para o Polana, vestida como estava, levei-a à loja franca, que era para os estrangeiros, os nacionais não podiam ir. Aluguei-lhe uma casita e ela conseguiu ter uma vida melhor. Morreu há quatro, cinco anos, mas até morrer teve comida, sem precisar de sair de casa e trabalhar. Foi uma das maiores felicidades que pude ter na minha vida. Fui ver os locais das nossas actividades, estava tudo desolado. Foram dias muito complicados devido à guerra. Desse ponto de vista, foi chocante para mim. Quando acabou tudo, o professor Cavaco foi falar com as pessoas da comitiva e, ao ver-me com o meu terço na mão, perguntou-me o que estava a fazer. Eu disse-lhe que estava a rezar e a dar graças por não passar o que as pessoas lá estavam a passar e que a minha ama tinha passado. A situação estava muito má naquela altura, felizmente as coisas mudaram radicalmente e hoje pode perspectivar-se um futuro de progresso e de desenvolvimento económico e social para o país. O destino quis que, em 1996, com o processo de paz, a primeira coisa que Sua Alteza me pedisse foi para haver um acordo com Moçambique. E pronto, desde 2001 até agora, vou lá todos os meses passar dez dias.

 

Já se apaziguou com tudo o que se passou?

Não esqueça que o meu irmão morreu na altura em que morreu. E eu hoje estou a ajudar o país e feliz por poder fazê-lo. Não posso dizer melhor do que isto, tudo o que estamos a fazer na área social e urbana, desenvolvimento rural. Nós damos apoio a mais de 250 mil famílias só em Cabo Delgado, no Norte de Moçambique, e na totalidade dos nossos programas em Moçambique, temos mais de mil funcionários. Este trabalho é muito reconfortante. Quando vou a Cabo Delgado, as populações dão-me galinhas, couves ou outros bens para eu levar para casa. Está tudo sarado e eu não posso senão participar desse sentimento e regozijar-me.

 

Como é possível não estarmos extremamente gratos, como comunidade, por tantas demonstrações de estima do Estado português? 

 

Em Portugal também tem relações muito boas com a Igreja Católica.

Sim, sem dúvida. Há duas pessoas que me marcaram muito, dentro da Igreja Católica. A primeira foi o então cardeal-patriarca, D. José Policarpo, em 1997, desde a primeira vez que me recebeu. Fui ter com ele do nada, achei que devia falar com ele, nem sei bem porquê. Fui lá e bati à porta e pedi que me marcassem uma audiência. O secretário perguntou qual era o assunto, eu disse quem era e ao que vinha. Ele foi lá dentro, voltou e disse que a audiência estava marcada, que podia entrar de imediato. Entrei lá apreensivo, gosto de ir preparado para as conversas. Foi impressionante o meu encontro com ele. Eu disse-lhe que Sua Alteza ia chegar daí a dias e queria saber se poderia propor um encontro entre ambos. Não nos podíamos esquecer de que, embora este país fosse maioritariamente católico, a nossa integração estava a correr sem qualquer problema, e eu, como presidente da comunidade, sentia-me muito bem e muito grato. O cardeal Policarpo recebeu­-me de braços abertos, mostrou a maior disponibilidade e tivemos então uma conversa que me marcou, era uma personalidade excepcional, de grande envergadura. A outra foi o então bispo de Setúbal. Em finais de 1990, quando foi inaugurado o Hospital Garcia da Orta, D. Manuel Martins estava sentado ao pé de mim e perguntou-me "mas você é islâmico, da comunidade shia, o Presidente da Comunidade Islâmica é islâmico, qual é a diferença, como é que isto funciona?", e eu disse-lhe que "quando quiser, tenho muito gosto em explicar". E ele mandou-me chamar a Setúbal, estivemos uma hora e meia a falar. Nessa conversa, ele salientou que havia muitas semelhanças entre a Igreja Católica e a nossa comunidade e sugeriu: "Não acham que vocês deviam fazer com o Estado um acordo tipo Concordata?" Confesso que não percebi então muito bem o alcance e não dei logo seguimento ao assunto. Passaram-se uns três meses, encontro-me com ele acidentalmente, e ele volta ao assunto, perguntando-me se tinha falado com Sua Alteza. Admiti que não e ele insistiu que devia falar. Mandei então uma nota a Sua Alteza e foi aí que começaram as negociações. O facto de esta iniciativa ter vindo de um católico é notável. Achei que não devia deixar morrer essa minha ligação. Tinha uma dívida para com a Igreja Católica e tenho o maior respeito por isso. A ligação com D. José Policarpo foi muito marcante para mim, reunia-me regularmente com ele e era sempre uma aula de vida, com aquele sentido de humor único. A morte dele afectou-me muito, porque tínhamos uma grande ligação. E o patriarca desejava reunir-se com Sua Alteza, porque sabia quem ele era, o que fazia, e porque tinha iniciativas numa área que lhe era muito cara, que é a cultura. Eu fiquei radiante. Depois o encontro foi tão extraordinário que nasceu logo um acordo com o Patriarcado de Lisboa. Como se isto não bastasse, mais tarde apresentou-me o cardeal Tauran e por essa via tive um encontro com o Papa. Foi para mim um momento impressionante, tão marcante, ser convidado do Papa. E há agora a possibilidade de fazermos umas parcerias com o Vaticano, ainda este ano, vamos a ver, e podermos colaborar no terreno em Portugal para replicar o projecto português noutros países africanos. Também tenho a melhor relação possível com o seu sucessor D. Manuel Clemente, que é duma inteligência única. Temos mantido contacto regular e próximo para actualizar o ponto de situação da nossa colaboração. Mas há ainda outra pessoa que me marcou muito e que tem sido até hoje o meu mentor e conselheiro, que é o professor Adriano Moreira. Um homem de fé, de princípios, ético. Cada vez que estamos juntos, para mim, é uma lição, uma aula. Tenho necessidade de todos os meses almoçar com ele. E ele também foi importante na nossa relação com a Universidade Católica. Como sou uma pessoa espiritual, crente em Deus, tenho uma particular admiração e respeito pelas pessoas espirituais a quem reconheço todos aqueles valores que na essência também defendo: tolerância, amor, diálogo, paz e serenidade, sabedoria e humanidade. Nelas se incluía o cardeal D. José Policarpo, o actual patriarca D. Manuel Clemente, bem como, primeiro entre todos, o Papa. Tal como, sublinho, com líderes e responsáveis de outras confissões religiosas, seja da comunidade sunita, o dr. Abdul Karim Vakil, da comunidade hindu, o dr. Kantilal Jamnadas, da Igreja Ortodoxa, da comunidade judaica e outras, com quem mantenho excelentes relações. E sou verdadeiramente grato por isto.

 

Portugal continua a ser um exemplo de tolerância e de abertura?

Não tiro uma vírgula. Quando, no tempo do engenheiro Guterres, foi criada a lei da liberdade religiosa, era uma das mais avançadas da Europa. Os nossos acordos são tratados que foram ratificados pelo Parlamento e o facto de o Parlamento os ter aprovado unanimemente é um sinal significativo dessa tolerância e dessa abertura.

 

Durante o processo que decidia onde ficaria a sede do Imamat Ismaili, o que é que acha que desequilibrou? Foram condições financeiras e de investimento ou outros factores?

Eu não estava nada preocupado em termos de investimento, eu sei perfeitamente o compromisso que Sua Alteza tem para com Portugal e o que iria sempre fazer. O trabalho que a Rede Aga Khan tem desenvolvido em Portugal há mais de 30 anos é sobejamente reconhecido. Para a comunidade, para nós, o mais importante é sentirmos que estamos num país totalmente pluralista, com uma ética social única. Foi bom para Portugal e bom para nós também. Pergunto-me se, a partir de 2009, os países árabes e muçulmanos, ao perceberem que Portugal tinha feito um acordo religioso com uma comunidade muçulmana como a nossa, não terão começado a olhar para este país de uma maneira diferente. A nossa presença cá desta forma mostra ao mundo que esta é uma sociedade totalmente pluralista, não pode haver mais pluralismo do que este, sobretudo sabendo-se que é um país fortemente católico.

 

Quando vou a Cabo Delgado, as pessoas dão-me galinhas e couves para eu levar para casa. Está tudo sarado na relação com Moçambique. 

 

Quando é que o Príncipe estará totalmente instalado em Portugal e a sede a funcionar?

Já temos cá alguns funcionários a trabalhar. Aos poucos, o processo vai-se fazendo. Queremos inaugurar a sede, no Palácio Mendonça, até ao final de Julho do próximo ano se Deus quiser, coincidindo com o fecho do ano de comemorações do Jubileu de Sua Alteza. No passado dia 20 de Julho, Sua Alteza esteve em Portugal para receber o doutoramento "honoris causa" pela Universidade Nova, numa cerimónia que foi co-presidida pelo senhor Presidente da República e na presença de altas figuras do Estado e da sociedade civil, uma ocasião que ficará como marcante nas nossas relações. Vamos ter eventos interessantes no quadro dessa celebração, em breve o programa será divulgado.

 

E como está a questão da Academia Aga Khan em Portugal?

É um processo que tem sido moroso, estamos a trabalhar nisto há dez anos. Mas acredito que as coisas vão acontecer e que haverá novidades em breve.

 

O que muda, na relação com Portugal, com a instalação da sede? É de esperar muito mais actividade por esse facto?

Seguramente. Sua Alteza o Príncipe Aga Khan tem relações privilegiadas com chefes de Estado de vários países. E eu não tenho dúvidas de que Sua Alteza poderá receber cá esses chefes de Estado. Portugal é o único país da Europa com esta visibilidade, vejo isto no trabalho do meu dia-a-dia e nas minhas ligações. Às vezes não damos importância ao que Portugal tem, o capital que este país tem pela sua maneira de ser e de estar no mundo. Mesmo os países das ex-colónias. Os moçambicanos têm um grande carinho e gostam muito de Portugal, em todos os aspectos. Portugal tem um papel extraordinariamente importante a desempenhar nesses países. E a CPLP vai ser um instrumento muito importante no futuro, não é por acaso que Sua Alteza me pediu para fazer acordos com a CPLP. Temos de ter presente que a língua portuguesa foi feita por várias culturas, todos irão ver aonde chegará a língua portuguesa daqui a 30 ou 40 anos.

 

Para a comunidade, o mais importante é sentirmos que estamos num país totalmente pluralista, com uma ética social única.

 

Como se caracteriza a comunidade ismaili em Portugal? Quantos são? A comunidade é vista como bem integrada, empreendedora e bem-sucedida. É assim, de facto?

Creio que andará por pouco mais de nove mil pessoas. Concordo plenamente com essa imagem. Nem todos os membros da comunidade têm a mesma actividade profissional ou têm o mesmo nível de rendimentos. Algumas famílias até poderão ter mais dificuldades, mas são apoiadas por instituições da comunidade. Também há um apoio da nossa área económica aos empresários. No geral, temos em comum uma ética, uma consciência social e uma maneira de estar na vida e nos negócios, que faz parte da cultura da própria comunidade.

 

Nesta fase da sua vida, depois de tudo isto, o que é que lhe falta?

Neste momento ainda tenho alguns trabalhos em mão. Quando terminou a construção do Centro Ismaili, disse para mim próprio "pronto, já fiz a minha parte". Depois vieram tantas coisas, os acordos, já vamos em cinco acordos. Dizem-me que o meu papel foi importante mas, como eu já disse, eu acredito que tenho sido instrumental para desígnios superiores, que eu simplesmente tive de levar a cabo. Sou um voluntário e dou o máximo que posso no meu trabalho. Tanto pelo meu lado português, para beneficiar Portugal, e também como ismaili. Tenho sempre em atenção, aliás, que ambos os lados beneficiem em paralelo. Acredito que é fundamental para continuar a manter e até crescer o nível de consideração, e entendimento mútuo entre Portugal e o Imamat Ismaili, por muitos anos.

 

Mas o que é que lhe falta para dizer que o seu trabalho está todo feito?

Tenho tido alguns encontros com jovens da comunidade ismaili e o que lhes digo é que, há décadas, a nível internacional ninguém sabia quem era a comunidade portuguesa, houve ocasiões em que achavam que nós éramos espanhóis. Hoje temos um estatuto importante no plano internacional. Toda a gente o reconhece. Não duvido de que nos próximos anos a comunidade ismaili em Portugal cresça, não só pelo facto de a sede do Imamat Ismaili ter sido estabelecida cá, como também por Portugal ser o país que é. Neste momento, temos cá investimentos feitos pela comunidade que se cifram em milhões de euros. Isto tem o seu valor. E continua a surgir cada vez maior interesse por parte de membros da comunidade ismaili de outros países, por Portugal. Há um benefício indirecto único que o Estado português está a ter e vai continuar a ter. Independentemente do que a instituição, por si, vai fazer. O que eu peço aos jovens da comunidade, que representam o futuro, que são os futuros líderes da comunidade, é que, como portugueses e ismailis, estejam à altura da responsabilidade de continuar a erguer o padrão de princípios éticos e de consciência social pelos quais foram educados. O que é importante é pensarmos aonde queremos chegar. Eu estou presentemente a preparar um documento para ajudar os nossos jovens intelectuais a reflectir sobre o que se pode fazer para dar continuidade a este movimento. Não sei quantos anos mais vou viver, mas gostaria de deixar um legado, uma geração que desse à nossa acção um conteúdo intelectual e uma dinâmica muito acima daquilo que atingimos até agora. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Se tivermos em conta tudo o que se disse, e diz, cá dentro como na ONU, ou nas potências, e até nos países amigos, as províncias portuguesas não eram, nem nunca foram portuguesas. Perguntem ao Mário Soares (os escritos e as palavras são claros), ou aos portugueses que estavam em permanente conspiração, contra Portugal manter sob bandeira as províncias além mar (tese que hoje é bem mais abrangente, e objecto de programas de toda a espécie, em toda a comunicação escrita, falada e televisiva, tal como na Índia, repudiam a nacionalidade portuguesa dos territórios, de forma clara e inequívoca). Democraticamente, esses territórios nunca foram Portugal, nem os seus povos portugueses e, este enunciado, é comungado por todo o mundo, como um dogma inquestionável, e c/ o qual concordo, para ser coerente, e estar em consonância c/ todo o mundo. Por isso, discordo do Sr Nazim Ahmad, quando afirma que Moçambique era Portugal. Perguntem aos moçambicanos se houver dúvidas.

Anónimo Há 2 semanas

Já que investigar a realidade dentro da comunidade.
Como foi referido existe ajuda a membros mais desfavorecidos , será que essa ajuda e suficiente ??
Ou estamos a viver de fachada ?? Como membro da comunidade dou o valor ao trabalho feito mas há que ter primeiro a nossa casa arrumada !

Juca Há 2 semanas

Eu como um salgado Espírito Santo também diria: primeiro sou tuga e depois banqueiro!

9 mil? Há 2 semanas

Há mais gente que acredita na Maya...Ela tambem vai construir um Templo?

pub
pub
pub
pub