Automóveis Nissan Qashqai: Quase autónomo

Nissan Qashqai: Quase autónomo

O Nissan Qashqai, líder do segmento "crossover", recebeu melhoramentos a nível do design, qualidade, desempenhos e tecnologias. A assistência à condução autónoma chega em 2018.
Adriano Oliveira 26 de agosto de 2017 às 16:00
Características

25.950€

Nissan Qashqai 1.2 DIG-T 115 cv nível Acenta
(versão de entrada de gama)

Motor: dianteiro transversal, alumínio, gasolina, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, injecção directa, turbo, 'intercooler', sistema 'start/stop'.
Cilindrada: 1.199 cc.
Potência máxima: 115 cv às 4.500 rpm.
Binário máximo: 190 Nm às 2.000 rpm.
Velocidade máxima: 185 km/h.
Aceleração: 10,6s 0-100 km/h.
Tracção: dianteira.
Transmissão: manual de seis velocidades.
Consumos homologados:
misto 5,6l/100 km;
urbano 6,6l/100 km;
extra-urbano 5,1l/100 km.
Emissões CO2: 129 g/km (Euro VI).

Lançamento: Setembro


O novo Nissan Qashqai, que chega ao mercado nacional já em Setembro, vai estar à venda a partir da Primavera de 2018 com uma nova tecnologia de condução autónoma. Baptizado ProPilot, o sistema propõe a assistência à condução nos engarrafamentos e nas auto-estradas.

Disponível apenas nos veículos equipados com transmissão automática, o ProPilot é um sistema opcional baseado em três tecnologias: a assistência de manutenção na faixa de rodagem, o controlo de velocidade de cruzeiro e o piloto em trânsito. É activado através de um botão no volante e as informações são visíveis no painel de instrumentos.

Mas as novidades tecnológicas do novo Qashqai não ficam por aqui. A partir de agora, o 'crossover' urbano da Nissan, pioneiro e líder do segmento, passa a estar equipado com alerta de tráfego traseiro, um sistema que serve para mitigar o risco de impactos de baixa velocidade ao recuar, por exemplo, num parque de estacionamento, e o sistema de paragem assistida, que complementa a assistência em subidas nos veículos com caixa manual. Este sistema mantém o veículo numa posição estática até um máximo de três minutos.

Por fim, mas também importante, a travagem de emergência foi actualizada com o reconhecimento de peões e o aviso de ângulo morto é agora baseado nos dados do radar em vez das imagens da câmara.

Em termos estéticos, embora tenham sido poucas, as alterações deram ao Qashqai um ar mais moderno e dinâmico, sem lhe retirar a identidade. A zona dianteira foi redesenhada e apresenta uma nova grelha (V-Motion), novos grupos ópticos com uma nova assinatura diurna em LED e novos pára-choques. As alterações são extensíveis à traseira. Há também novas cores de carroçaria.

A marca propõe agora os níveis Acenta, N-Connecta, Tekna e o novo Tekna Premium. Esta nova versão está equipada com barras do tejadilho e protecções dos espelhos das portas em prateado.

A gama de motores é a mesma e oferece uma proposta a gasolina (1.2 DIG-T de 115 cv) e duas opções a gasóleo (1.5 dCi de 110 cv e 1.6 dCi de 130 cv). A caixa manual de seis velocidades é proposta de série em todos os modelos, mas os motores mais potentes podem contar com a automática Xtronic de variação contínua, em opção. A tracção pode ser às duas ou às quatro rodas.

Em 4x2, os preços vão dos 25.050 aos 39.950 euros. Com tracção 4x4, vão dos 34.700 aos 40.800 euros.


Destaques

Desde o lançamento da versão original em 2007, foram vendidos na Europa mais de 2,3 milhões de unidades Qashqai.

Evolução na qualidade interior

Tendo em conta os comentários dos clientes, a Nissan fez evoluir a qualidade interior dos materiais e acabamentos do Qashqai e redesenhou totalmente o volante e os bancos dianteiros, que apresentam agora umas costas mais altas e a zona dos ombros mais esguia, melhorando o conforto.

Comportamento em estrada

Ensaiámos o Diesel 1.6 dCi 130 cv. Suave e agradável de conduzir, este bloco mostra-se vigoroso na resposta, mesmo em estradas de muitas curvas, onde não há grande adornamento. A direcção é precisa e os amortecedores, com nova afinação, filtram bem as irregularidades do piso.


Negócios em Viena, a convite da Nissan





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar