Weekend Património da antiga CUF no Barreiro vai ser classificado

Património da antiga CUF no Barreiro vai ser classificado

A Direcção-Geral do Património Cultural decidiu classificar como de interesse arquitectónico e cultural uma parte dos imóveis da antiga Companhia União Fabril, no Barreiro. O gigante industrial que, no Estado Novo, chegou a ser o maior conglomerado da Península Ibérica.
Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo Baía do Tejo
Filipa Lino 03 de junho de 2017 às 14:00
"O que o país não tem a CUF cria". O slogan ficou célebre. A Companhia União Fabril (CUF) foi um império industrial, com base no sector químico, fundado por Alfredo da Silva, em 1908. O empresário escolheu o Barreiro para construir um complexo fabril que se tornou no motor económico daquela região, dando emprego a uma grande parte da população. E foi pioneiro nos benefícios sociais que deu aos seus trabalhadores.

Agora a Direcção-Geral do Património abriu o procedimento para a classificação de vários imóveis ligados à actividade industrial e à obra social da antiga CUF. Num despacho com a data de 8 de Maio de 2017, é realçada "a importância deste raro conjunto de Património Arquitectónico ligado à indústria química, pioneiro entre nós, nas diversas componentes que abrangia".

O documento da DGP deverá ser publicado na próxima semana em Diário da República e abrangerá a Casa Museu Alfredo da Silva, o antigo posto da GNR, o Museu Industrial e Centro de Documentação, o Bairro Operário de Santa Bárbara, o Mausoléu de Alfredo da Silva, entre outros edifícios industriais e sociais daquele complexo industrial. 

Em 1975, Portugal tinha o maior conglomerado industrial da Península Ibérica e um dos maiores da Europa. A CUF pesava cerca de 5% no PIB nacional e empregava milhares de pessoas. O gigante não escapou à onda de nacionalizações que começou a varrer o país em consequência do golpe falhado de Spínola a 11 de Março de 1975. 

Actualmente os territórios e equipamentos da antiga CUF no Barreiro estão a ser geridos por uma entidade pública criada em 2009 - a Baía do Tejo, SA - cujo capital é totalmente detido pela Parpública. 





A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pois... Há 3 semanas

...e coloquem uns pedacitos das pedras das ruínas e uma fotos no Museu das desgraças produzidas pela esquerdalha no pós-25 de Abril...

pub
pub
pub
pub