Automóveis Renault: Um Kadjar só para Portugal

Renault: Um Kadjar só para Portugal

Por causa da nossa lei das portagens, a Renault teve de desenvolver e construir um Kadjar à nossa medida. Lançado há ano e meio, o modelo chega agora a Portugal.
Adriano Oliveira 21 de janeiro de 2017 às 15:00
Características

29.600€

Renault Kadjar 1.5 dCi 110, XMOD

Motor: dianteiro transversal, gasóleo, ferro/alumínio, 4 cilindros em linha, 8 válvulas, injecção directa, turbo, geometria variável, intercooler, start/stop
Cilindrada: 1.461 cc
Potência: 110 cv às 4.000 rpm
Binário: 260 Nm às 1.750 rpm
Velocidade máxima: 182 km/h
Aceleração: 11,9s 0-100 km/h
Tracção: dianteira
Transmissão: manual 6 velocidades
Consumo misto: 3,9l/100km
Consumo urbano: 4,2l/100km
Cons. extra-urbano: 3,8l/100km
Emissões CO2: 103 g/km (Euro VI)
Ângulo de entrada: 18 graus
Ângulo de saída: 28 graus
Altura livre ao solo: 200 mm

Outras versões:
Nível Exclusive - 31.490€


O novo Renault Kadjar, cuja comercialização se inicia este mês no mercado nacional, demorou mais de ano e meio a chegar a Portugal desde que foi lançado nos mercados internacionais, onde regista assinalável sucesso no universo dos utilitários-desportivos do segmento C.

As razões deste atraso têm, no entanto, pouco a ver com a Renault. Na sua origem, mais uma vez - outros modelos de outras marcas estão na mesma situação -, a malfadada legislação portuguesa das portagens que classificava o Kadjar como Classe 2, o que não tinha grande sentido e comprometia à partida o futuro do modelo no nosso mercado.

Mas, com o tempo, os engenheiros da Renault Tech - uma divisão da Renault Sport Cars - conseguiram encontrar uma alternativa para ultrapassar o problema, desenvolvendo e fabricando um Kadjar especificamente para o nosso país. De forma a poder reivindicar um peso bruto superior a 2.300 quilos e assim ser taxado como Classe 1 nas portagens nacionais (com Via Verde), o Kadjar "português" beneficia da estrutura autoportante reforçada das versões 4x4 e de um eixo traseiro multibraços, também oriundo da versão 4x4, com afinação específica para a versão 4x2.

Este conjunto de soluções técnicas acabou por ditar o reforço do comportamento dinâmico do Kadjar, como comprovámos por estradas e caminhos na região do Alqueva. O menor rolamento da carroçaria e a direcção mais reactiva aumentaram o conforto e o prazer de condução.

Com 4,44 metros de comprimento e uma distância entre eixos de 2,64 metros, o Kadjar utiliza a mesma plataforma do Qashqai. O habitáculo é elegante e espaçoso para cinco ocupantes e a qualidade dos materiais e acabamento segue os padrões da marca francesa. A posição de condução é boa e os bancos são confortáveis e garantem bom apoio. A capacidade da bagageira varia entre os 472 e os 1.478 litros, com os bancos rebatidos.

A lista de equipamentos inclui os mais recentes sistemas de ajuda e apoio à condução. Destaque para o sistema multimédia R-Link 2.0 e para a navegação Tom-Tom.

Ainda por causa das portagens, o Kadjar é comercializado apenas com a motorização 1.5 dCi de 110 cv, acoplada a uma caixa manual de seis velocidades. O modelo está disponível com dois níveis de acabamento - XMOD e Exclusive -, sendo que o primeiro dispõe do sistema de antipatinagem Grip Control, que desliga a partir dos 40 km/h.





A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

https://goo.gl/forms/N3IaET4xmC8fQHGO2

Muito Obrigado!

Anónimo Há 4 semanas

Se as motos pagam classe 1 (sem qq desconto) porque é que os dúvida (alguns) pagam classe 2? Abençoada legislação. Paga o consumidor para o aumento do pecúlio do explorador. Onde está a igualdade?

Anónimo Há 4 semanas

Está na altura de alterar a lei das portagens. é ridiculo, deve ser: ligeiros de passageiros classe 1, ponto.

pub