Weekend Rui Costa: "Foi o presidente do Benfica que disse que eu um dia seria o seu sucessor"

Rui Costa: "Foi o presidente do Benfica que disse que eu um dia seria o seu sucessor"

O director desportivo do Benfica, Rui Costa, explica assim a ligação do clube ao empresário Jorge Mendes: "é uma questão de os melhores clubes do mundo trabalharem com o melhor do mundo".
Rui Costa: "Foi o presidente do Benfica que disse que eu um dia seria o seu sucessor"
Celso Filipe 10 de março de 2017 às 10:45

Ambiciona ser presidente do Benfica?

Isso é uma coisa que me é dita desde que entrei para director. Essa pergunta e essa frase que as pessoas dizem, que honestamente é algo que me deixa contente porque é sinal de confiança em mim, vieram do nosso presidente. Foi ele que um dia disse que eu seria o seu sucessor. Não é uma coisa que se pondere neste momento. Acho que todo o benfiquista, toda a gente que gosta de alguma coisa, sonha um dia ter o cargo mais alto dessa mesma coisa. É normal. Mas não é uma coisa que se possa pensar neste momento. Primeiro, porque temos um presidente que está a conduzir o clube com os resultados que estão à vista e não há como duvidar do projecto e do trajecto que tem sido feito. Não há que pensar numa mudança porque ninguém a quer. Depois, porque estou tão envolvido naquilo que tenho de fazer, de forma a contribuir para o sucesso do Benfica, que não posso pensar num horizonte de 40 anos quando este presidente já não o for.

 

O amor à camisola ainda existe?
Existe.

Neste momento, há jogadores no Benfica que ainda têm amor à camisola?

As pessoas confundem muito o que é o amor à camisola. Amor à camisola é representar com toda a nossa força o clube em que estamos a jogar. Eu não posso pedir a um estrangeiro que chega ao Benfica este ano que tenha o mesmo sentimento pelo clube que eu tenho. Isso deixou de existir.

 

As pessoas confundem o lado emotivo com o profissional.

Exactamente. Eu representei profissionalmente quatro clubes, o Fafe por empréstimo, o Benfica, a Fiorentina, o Milan e voltei ao Benfica. E, se há coisa de que me orgulho mesmo muito, é de hoje ir a Fafe e ser visto como um dos meninos que passou por lá e talvez ter o título maior de todos os jogadores que por lá passaram que é o de campeão do mundo de sub-20. Representei o Benfica e a ligação que tenho ao clube é esta, representei a Fiorentina e, se for hoje a Florença, tenho a certeza de que serei bem recebido, e da mesma forma em Milão. Onde é que quero chegar com isto? Eu, pelo facto ter chegado à Fiorentina sem nunca ter ouvido falar do clube, deixei de o representar bem? Isso é amor à camisola ou não? Amor à camisola tenho pelo Benfica, porque se não estiver a jogar vou para a bancada com a bandeira. Mas deixei de ter o mesmo comportamento com a Fiorentina que tive com o Benfica? Ou com o Fafe? Ou com o Milan? Não, e é por isso que sou bem recebido lá. Se for a qualquer destas casas, tenho as portas abertas. Quando uma equipa não ganha, o adepto vai buscar muito o amor à camisola e diz que no passado é que havia esse amor. Então vamos por outro lado. No passado, havia as transferências para o estrangeiro? Então, se calhar, o máximo era aquilo. É muito subjectivo estar a falar do amor à camisola porque há duas reacções que os adeptos têm quando a sua equipa não ganha: é falta de amor à camisola e é "os jogadores não correm". Isto é a primeira coisa que salta ao adepto de bancada e eu mostro dados de jogos do Benfica onde perdemos, em que os jogadores correram bem mais do que em jogos que ganharam. Repito. Não posso exigir a um estrangeiro que chega hoje ao Benfica o mesmo sentimento pelo clube que eu tenho, porque eu nasci cá dentro. A única coisa que posso e tenho de exigir é que eles tenham o maior respeito pela sua profissão e pelo clube que estão a representar e que dêem tudo por isso.

 

Enquanto director desportivo, qual foi o jogador que lhe custou mais perder?

Esta é a minha nona época como director e tivemos o privilégio e alegria de ir buscar grandes jogadores mas, pelo sucesso do clube, também tivemos aqueles dias em que tantos desses excelentes jogadores tiveram de partir por questões financeiras relacionadas com o clube ou com o próprio jogador. Há um pelo qual eu tenho um carinho especial, os outros não me levam a mal por isso, que é o Aimar. A alegria que senti a vê­-lo chegar..., até porque era o meu sucessor aqui enquanto camisola… Procurei escolher um sucessor à altura e quis, a todo o custo, que no ano em que eu deixasse de jogar a minha camisola fosse para um jogador de nível, tão bom ou melhor do que eu, e a escolha de toda a estrutura recaiu em Aimar. Lá está. Não podia pedir a Aimar que tivesse o mesmo amor que eu ao Benfica, mas tenho a certeza de que ele, até partir, deu tudo o que tinha por este clube. Isso é representar um clube, tanto pessoalmente com profissionalmente.

Mas o Aimar acabou por se reformar e houve outros que saíram no apogeu.

Há uns que não deviam começar a carreira e outros que não se deviam reformar… O Aimar era um daqueles que nunca se devia reformar. E que guerra a gente às vezes tinha, o Aimar hoje não está em condições, está machucado… ponha-me o Aimar em campo que ele, machucado, dá espectáculo na mesma. É um daqueles jogadores que transmite algo que outros não conseguem. Depois, temos feito subir à equipa jovens de grande talento e que  – porque, infelizmente, Portugal é um país vendedor – duram pouco tempo cá. E não é só no Benfica que isso acontece. É o normal no futebol português e é uma pena, porque só temos oportunidade de ver durante pouco tempo esses talentos no nosso país.

 

Por falar em transferências, a ligação do Benfica ao empresário Jorge Mendes é inevitável?

Fala-se tanto do Jorge Mendes. O Jorge Mendes ganha os prémios de melhor empresário do mundo e trabalhar com os melhores do mundo é sempre uma vantagem. Não é uma questão de ser evitável ou inevitável, é uma questão de os melhores clubes do mundo trabalharem com o melhor do mundo.

 

Acha que o Benfica tem tirado vantagens por trabalhar com ele?
Obviamente.
 

O Sporting e o Porto são rivais ou inimigos?

São rivais. Eu vivi sempre o desporto com uma intensidade tremenda, mas sempre a ver a situação desportiva. São dois clubes que procuram anualmente o mesmo que nós e nunca tive inimigos nem num lado nem no outro.

 

O futebol italiano teve um período de apogeu e depois enfraqueceu. Este envolvimento em que os clubes estão, por um lado o "fair-play" financeiro, por outro as diferenças evidentes de orçamento que existem, como é que esta história vai terminar? Será na tal Superliga europeia?

Há que ter algum cuidado com essa Superliga europeia. O nosso presidente, ainda há pouco tempo, referiu isso e eu vou fazer eco da voz dele. Os clubes portugueses e não só, também os países da dimensão de Portugal em termos de futebol, terão de ter atenção a esta liga europeia, saber como ela é criada e em que moldes. É um risco que o futebol português corre. Espero que os países como Portugal, a Holanda e a Grécia, por exemplo, possam ter a mesma oportunidade que outros de lutar por esses objectivos e não serem quase excluídos das competições principais. Quanto ao futebol italiano, teve uma quebra grande em termos financeiros, um pouco pelo aparecimento dos novos ricos ingleses e de outros clubes como o Paris Saint-Germain. E onde se consegue perceber a quebra do futebol italiano, além de ter diminuído a fornalha de bons jogadores italianos em termos qualitativos e quantitativos, é constatar que, até aos anos 2000, a imagem que se tinha era esta: Espanha e Inglaterra ficam com os estrangeiros que Itália não quer, salvo raras excepções como Real Madrid, o Barcelona ou o Manchester United. Hoje é ao contrário. Todos os que são Bola de Ouro vão para Espanha ou Inglaterra. E onde se percebe que algo se está a passar é quando o Zidane sai da Juventus para o Real Madrid. O Zidane era Bola de Ouro, era quase impensável, fosse por que dinheiro fosse, um clube italiano perder um jogador para uma liga concorrente. Depois mete-se o "calciocaos", a Juventus na segunda divisão, as duas milanistas com menor fulgor e começa a perceber-se a queda do futebol italiano. Não penso que seja duradoura e creio que Itália vai procurar esta igualdade novamente. Não é um processo fácil, a menos que comecem também a surgir investidores no futebol italiano, mas acredito que este fosso não irá durar muito tempo.

 

Como é que um jogador se sente enquanto bem transaccionável?

Não gosto muito de usar a expressão "vamos vender este ou comprar aquele". Gosto mais de "vamos transferir o jogador A ou B", do que "vamos comprar ou vender", porque o jogador não é carne humana. Tem de haver algum respeito por isso. Mas, no fundo, trata-se de uma linguagem simplista e não de uma linguagem ofensiva. Até porque, no momento em que uma equipa está a pensar numa transferência, o jogador também está. Nem sempre se chega a consensos, por vezes o clube quer uma transferência que o jogador não quer ou o contrário, nem sempre é fácil, mas há que encarar isso como fazendo parte da nossa profissão. O clube tem de escolher aquilo que acha ser melhor para si, seja fazer a aquisição, a cedência ou a transferência de um jogador, e o jogador, nesse preciso momento, também está preocupado em saber qual é o seu o futuro.






A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Não te fica bem, amigo 10.03.2017

Rui Costa, não te fica bem essa postura de colagem.
Se as coisas tiverem de acontecer acontecem








































































Não te fica bem, amigo 10.03.2017

Rui Costa, não te fica bem essa postura de colagem.
Se as coisas tiverem de acontecer acontecem.

Não te fica bem, amigo 10.03.2017

Rui Costa, não te fica bem essa postura de colagem.
Se as coisas tiverem de acontecer acontecem.































































Não te fica bem, amigo 10.03.2017

Rui Costa, não te fica bem essa postura de colagem.
Se as coisas tiverem de acontecer acontecem.
































ver mais comentários
pub