Weekend Tonalidades históricas da alta relojoaria

Tonalidades históricas da alta relojoaria

O dia 25 de Outubro marca a história da A. Lange & Söhne. E, por isso mesmo, foi o utilizado para a marca desvendar a nova edição especial do Lange 1 Time Zone em ouro tom de mel.
Tonalidades históricas da alta relojoaria
Fernando Sobral 05 de Novembro de 2016 às 14:00
Há datas que fazem toda a diferença na história das grandes marcas relojoeiras. E o dia 25 de Outubro marca a história da A. Lange & Söhne como poucas. Foi a 24 de Outubro de 1994 que, no palácio residencial de Dresden, foi realizada a conferência de imprensa que anunciou a refundação da marca saxónica. Nessa ocasião, o fundador da companhia, Walter Lange, e o seu associado, Günter Blümlein, revelaram os primeiros quatro relógios do novo ciclo de vida, entre os quais se destacava o Lange 1. A marca mergulhava na fonte da juventude e recuperava a sua energia criativa. Mas, como os jornais diários só dariam a notícia no dia seguinte (25 de Outubro), a data que simbolizava a mudança passou a ser 25.

Desde então, esse é o número que surge em todas as fotografias oficiais de relógios Lange dotados de data sobredimensionada. A história tem um peso importante na indústria relojoeira. E, por isso mesmo, o dia 25 de Outubro foi o utilizado para a A. Lange & Söhne desvendar a nova edição especial do Lange 1 Time Zone em ouro tom de mel, remetendo assim para a apresentação da primeira colecção Lange da era moderna há 22 anos, no palácio residencial de Dresden - incluindo um detalhe subtil em cada um dos 100 exemplares da tiragem limitada: no anel rotativo com as cidades correspondentes aos fusos horários, a que representa o Tempo Central Europeu (CET) é Dresden.

Desde o seu advento, em 2005, o Lange 1 Time Zone tem-se afirmado como um dos mais populares modelos da família Lange 1. O mostrador permite a leitura imediata do tempo de origem ("home time") e do tempo local num segundo fuso horário. O fuso horário é escolhido através de um botão lateral. Que faz avançar o anel rotativo das cidades com o nome de 24 localidades, do Este ao Oeste. No anel, Dresden - que substitui a indicação de Berlim nas versões regulares - representa o Tempo Central Europeu. Adicionalmente, o ponteiro das horas no pequeno mostrador subsidiário avança uma hora com cada pressão do botão. Um engenhoso mecanismo de sincronização também faz com que seja possível transferir o fuso horário do mostrador subsidiário para o mostrador principal.

A caixa em ouro mel de 18 quilates tem um diâmetro de 41,9 milímetros. Refira-se que este exclusivo metal precioso (o ouro mel, resultante de uma mistura diferente) é mais rígido do que outras ligas de ouro. O calibre de manufactura L031.1, imaculadamente acabado à mão, é montado duas vezes e tem uma reserva de corda de três dias. Limitado a 100 exemplares, a edição Dresden do Lange 1 Time Zone está disponível somente nas 17 boutiques A. Lange & Söhne.

Trata-se, no fundo, de homenagear também a longa história da marca, cuja impressão digital é distinta desde que Ferdinand Adolph Lange, um relojoeiro oriundo de Dresden, fundou a sua manufactura relojoeira em 1845, e estabeleceu também os fundamentos da prestigiada relojoaria de precisão da Saxónia. Os seus relógios de bolso continuam hoje a ser muito cobiçados por coleccionadores de todo o mundo. O renascimento da marca, nos anos de 1990, fizeram renascer este grande legado.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub