Weekend Um relógio inspirado no mundo automóvel

Um relógio inspirado no mundo automóvel

A Baume & Mercier aposta numa edição limitada do Clifton Club Shelby Cobra, uma ligação forte ao universo simbólico do mundo automóvel.
Um relógio inspirado no mundo automóvel
Fernando Sobral 08 de julho de 2017 às 11:00
Alguns relógios simbolizam o espírito do tempo, porque cruzam memórias que atraem diferentes gerações. Talvez por isso seja tão simbólica uma edição limitada como a deste Clifton Club Shelby Cobra da Baume & Mercier. Ele incorpora a lógica "a forma segue a função", conjugando estilo e engenharia. Afinal, a Baume & Mercier adoptou esta filosofia da perfeição durante 187 anos. Cada relógio que cria acaba por ser um estudo personalizado de como o design pode aprofundar a mestria artesanal e a qualidade. Destes princípios nasceu a parceria com a empresa Carroll Shelby, iniciada em 2015.

O resultado é mais uma vez visível neste Shelby Cobra, cuja inspiração é o lendário Shelby Cobra Daytona Coupe, o carro mais emblemático do automobilismo americano. Em homenagem ao seu legado, Peter Brock juntou-se à Baume & Mercier e ao Director de Design, Alexandre Peraldi, para criar uma colecção que instaura um novo padrão de estilo e de presença. O resultado, os modelos Clifton Club Shelby Cobra em edições limitadas, é um conjunto de cronógrafos lançados pela primeira vez no seio da colecção Clifton. Cada linha ondulada e detalhe presente no emblemático Shelby Cobra Daytona foram interpretados de maneira própria.

Cinquenta anos depois, Peter regressa aos seus desenhos originais para colaborar pessoalmente com a Baume & Mercier na criação das edições limitadas do Clifton Club Shelby Cobra. Peter Brook confidenciou mesmo: "O grafismo do Daytona é crucial, o mesmo acontecendo com o cronógrafo. Não é preciso vê-lo de perto para admirar a sua beleza".

Em homenagem ao recorde de velocidade alcançado em 1964 pelo Daytona em Le Mans, somente 196 peças serão fabricadas, cada uma numerada. Impulsionado por um mecanismo de corda automática, feito na suíça (La Joux-Perret 8147-2), com um cronógrafo de função "flyback", o relógio permite ao seu usuário trocar de modo de leitura mediante uma simples pressão num único botão. A sua caixa de 44 mm de diâmetro é em titânio e aço inoxidável, com acabamentos polidos e acetinados, materiais altamente resistentes e leves.

O ponto central de sua identidade, o mostrador inspirado pelo próprio Peter Brock, que reflecte a identificação colorida metade azul metade prata do Shelby, escolhida por Shelby para a cauda do Daytona, que marca de sua verdadeira originalidade. Junto aos ponteiros iluminados pelo Superluminova C1 de emissão azul, encontra-se um ponteiro dos segundos vermelho flamejante representando o icónico logotipo Cobra criado por Peter Brock para identificar a marca Shelby.


Edifício

Na linha da conectividade entre relógios e smartphones, a Casio lançou o Edifice, que permite garantir a hora certa em qualquer parte do globo. Este novo EQB-501XDB/501XD da linha Edifice tem como conceito "Speed and Intelligence." O novo relógio liga-se a smartphones para actualizar a hora e as informações internas do relógio. Em 2012 a Casio já lançara um relógio de pulso que se ligava a um smartphone para alertar o utilizador quando recebia uma chamada ou um e-mail. Desde então, a Casio desenvolveu novas funcionalidades para os utilizadores, incluindo a correcção da hora e a capacidade de definir funcionalidades a partir de uma app de smartphone. Estes novos relógios EQB-501XDB/501XD são sucessores dos EQB-500, que oferecem uma variedade de características com aspecto desportivo, inspirado nos desportos motorizados. Os novos modelos apresentam o módulo Connected Engine que permitem aos Edifice manter a hora sempre exacta.

Os relógios executam o ajuste de hora automático quatro vezes por dia usando o Accurate Time System, que obtém os dados de hora a partir de um smartphone. Actualiza também os dados internos do relógio em relação ao horário de verão (DST) e fuso horário. O utilizador também pode definir a hora mundial a partir de uma escolha de mais de 300 cidades, bastando tocar na cidade desejada a partir de uma app. A hora do país de origem pode ser exibida no mostrador principal e a hora mundial no mostrador inserido na posição das 9 horas, mostrando assim duas horas diferentes em simultâneo. O utilizador pode alternar os mostradores simplesmente carregando num botão, muito útil para aqueles que viajam através do globo em negócio ou lazer. Os relógios também possuem um mostrador inserido na posição das 4 horas. 






A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.07.2017

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas?

comentários mais recentes
Anónimo 08.07.2017

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas?

pub