C-Studio As PME são um motor crucial da economia em Portugal
C-Studio i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

As PME são um motor crucial da economia em Portugal

Todo o tecido empresarial está neste momento a enfrentar uma conjuntura desconhecida que põe à prova empresários, decisores e gestores. As soluções vão inevitavelmente passar pela sua capacidade de adaptação, coragem, visão e liderança.
As PME são um motor crucial da economia em Portugal

O Jornal de Negócios e o Santander vão contar com especialistas e líderes das PME para analisar e debater as soluções adotadas face aos grandes desafios que o atual contexto representa para a economia.

O Governo lançou uma linha de crédito de 3 mil milhões de euros para apoiar as empresas mais penalizadas pela Covid-19. Como vão as PME aceder a este apoio e como vão usá-lo? O Santander está na linha da frente para apoiar o tecido empresarial português.

Este e outros temas-chave vão ser debatidos ao longo de três meses, em diversos encontros, no formato think tank em plataforma digital, com foco setorial: Serviços, Tecnologia, Indústria Transformadora, e Turismo.

PME no Radar é uma iniciativa do Jornal de Negócios em parceria com o Santander.


Miguel Belo de Carvalho, Administrador do Santander Portugal

Santander Portugal no terreno a apoiar as PME

Miguel Belo de Carvalho, Administrador do Santander Portugal, afirma, em entrevista ao Negócios, que é prioridade do Santander apoiar os clientes e que estão neste momento a desenvolver um conjunto de ações para salvaguardar a estabilidade financeira e económica das empresas.

"O Santander vai dinamizar e agilizar todas as Linhas de Apoio que o Estado lançou para ajudar as Empresas afetadas pelo surto de COVID-19, com maior enfoque nos setores mais afetados.

O Banco Santander decidiu suspender a cobrança da mensalidade dos POS e isentar a aplicação de um valor mínimo sobre as transações efetuadas, para todos os comerciantes e por um período não inferior a um mês. Para apoiar as transações contactless, o Santander suspende igualmente a cobrança de todas as comissões do serviço MBWay nos POS.

Para concluir, considerando o atual contexto de maior dificuldade e incerteza, devido à pandemia do COVID-19, reforço o compromisso do Santander Portugal com as PME portuguesas, transmitindo uma palavra de confiança para o futuro. Estou convicto de que a velocidade a que vamos repor os níveis de atividade após este surto será similar à rapidez com que nos chegou esta pandemia. Para isso estamos ao lado dos nossos clientes, em todos os momentos."

Leia a entrevista integral no artigo editorial, hoje no Jornal de Negócios, no âmbito da iniciativa PME no Radar.

 

 

O retrato das PME

 

As PME apresentam um quadro de resiliência que pode ser importante para enfrentar as recessões, as crises económicas, financeiras e até pandemias devastadoras como o Covid-19.

 

Na crise de 2009-2013 perderam-se cerca de 164 mil empresas, mas nos quatro anos seguinte surgiram mais de 200 mil novas empresas. Em relação às pequenas empresas, desapareceram cerca de 11 mil empresas, 24% das empresas existentes em 2008, e foram criadas entre 2014-2018 mais de 7 mil empresas. Por sua vez nas médias empresas, morreram cerca de 1100 empresas mas entretanto surgiram quase 1300 empresas.

Recentemente Nuno Mangas, presidente do Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI), dizia ao Jornal de Negócios que Portugal tinha um tecido empresarial mais "resiliente e informado" e que as empresas de pequena e média dimensão estavam a melhorar os seus processos de gestão, produtivos e de marketing, com orientação para os mercados externos e cada vez mais colaborativas com o sistema de conhecimento e tecnológico e ativas em projetos de transformação digital. As PME são as principais impulsionadoras da economia europeia e da economia portuguesa.

 

PME são as maiores criadoras de riqueza

Em toda a Europa, mais de 25 milhões de PME no setor não financeiro e que são responsáveis por 56,4% da riqueza, segundo o relatório anual das PME 2018-2019 da Comissão Europeia. Em Portugal, as PME a geram 68,3% da riqueza e 77,3% do emprego e empregam, em média, 2,9 trabalhadores, menos um que a média europeia.

 

Estão cada vez mais produtivas

Muitas vezes as PME são vistas como empresas pouco eficientes mas a produtividade tem evoluído favoravelmente. As PME cresceram tanto em termos da remuneração média mensal com 3,1% enquanto as grandes empresas apenas 2,6%, como na produtividade, com 2,6% e enquanto as grandes empresas apresentavam uma quebra de 0,9%.

 

Têm capacidade de inovação

As PME portuguesas são empresas inovadoras e 66,4% participam em processos de inovação de produto, serviço, processos, organização, marketing, e é o valor mais elevado da Europa. A média da União Europeia fica-se pelos 49,5%.

Fonte: Relatório anual das PME 2018-2019 da Comissão Europeia

 

Quantas são

Em Portugal, desde 2013 que as microempresas representam, em média, 96,2% das empresas, as pequenas 3,2%, as médias 0,5% e as grandes 0,1%. Em 2018, o total de empresas PME era de 1.294.037, 1.244.495 das quais micro, 42.581 pequenas e 6.961 médias.

 

Quantas pessoas trabalham

Do total de 4.154.185 de pessoal ao serviço das empresas, 22,3% trabalham em grandes empresas, 44,1% em microempresas, 18,8% nas pequenas e 14,8% nas médias.

 

Em que setores estão

O sector agroindustrial representa 10,3%, a indústria transformadora 5,2%, construção, 6,5%, comércio, 16,8%, alojamento e restauração, 8,7% e serviços imobiliários, 3,5%, educação, 4,5%, saúde e apoio social, 7,6%.

 

Quanto faturam

Em 2018, as microempresas faturam 74.485,7 milhões de euros, as pequenas empresas, 77.486,8 milhões de euros e as médias empresas 86.549,6 milhões de euros.

 

Qual é a riqueza que criam

Em 2018, o valor acrescentado bruto das microempresas foi de 23.275,7 milhões de euros, nas pequenas empresas de 20.748,6 milhões de euros e as médias empresas 21.717,4 milhões de euros.

 

Quanto investem

Em 2018, as microempresas investiram 6.495,8 milhões de euros, as pequenas empresas, 3.443,5 milhões de euros e as médias empresas 3.946,3 milhões de euros.

 

As gazelas

Entre as empresas jovens de elevado crescimento em 2918 contavam-se 259 pequenas empresas, 362 médias empresas e 95 empresas. Do total de VAB de 716 milhões de euros.

Fonte: PORDATA e Empresas em Portugal – 2018/INE

 

 

 

Partilhar

Marketing Automation certified by E-GOI