Outros sites Cofina
C-Studio
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Notícia

Um lobo para assustar os cibercriminosos

A pandemia fez com que muitas empresas enveredassem pelo teletrabalho. Neste período, os números do cibercrime dispararam em todo o mundo. Portugal não foi exceção. A HP Wolf Security surge no mercado para garantir a segurança endpoint de todas as empresas, independentemente da sua dimensão, e de entidades públicas.

28 de Julho de 2021 às 08:00

À medida que os negócios, os serviços públicos e a sociedade evoluem para novos modelos de trabalho e interação assentes em tecnologia, os riscos de segurança aumentam.

O recente confinamento originado pela pandemia de Covid-19 levou a economia a viver o equivalente a 10 anos de crescimento, em matéria de evolução digital, numa questão de poucos meses. Os negócios e as organizações não pararam porque conseguiram continuar a funcionar graças ao teletrabalho. Ninguém estava preparado para o que planeta viveu e a maioria das empresas agiu com rapidez e o melhor voluntariado para garantir que continuavam a funcionar. Mas neste quadro de agilidade e prontidão, a segurança não foi uma prioridade, o que proporcionou um terreno fértil para o cibercrime, que está sempre à espreita de encontrar novas formas de explorar vulnerabilidades.


Esse terreno surgiu em grande parte devido à multiplicidade de canais que os teletrabalhadores passaram a utilizar desde casa para aceder e partilhar informação e documentos de negócio. Criou-se uma espécie de tempestade perfeita para o cibercrime, tendo por base o shadow IT, a utilização de aplicações e serviços que não estão validados pelos departamentos de TI, mas que são úteis para os utilizadores desempenharem as suas tarefas desde casa. Estamos a falar da utilização de canais como o WhatsApp, Dropbox, Gmail, Zoom, só para dar alguns exemplos.


É importante referir que mais de 90% dos incidentes de cibercrime começam com um simples e-mail. Uma gestão eficaz da segurança do correio eletrónico corporativo é imprescindível, mas não é a única preocupação.

De acordo com o mais recente relatório Cibersegurança em Portugal, Riscos & Conflitos, publicado pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) em junho de 2021, constata-se que os resultados apresentados mostram "um aumento das atividades ilícitas online, nomeadamente ao nível dos incidentes de cibersegurança e da cibercriminalidade. A pandemia de Covid-19 marca este período, verificando-se uma coincidência entre o incremento nos incidentes e nas denúncias e o emergir do confinamento social, do trabalho remoto e do uso intenso do digital."

Milhões de pessoas estão a trabalhar desde casa, não deveriam os sistemas de segurança fazer o mesmo?

Os dados apresentados pelo relatório do CNCS mostram que se verificou no ano passado um aumento de 27% da totalidade dos crimes informáticos, quando comparado com os resultados de 2019. O CNCS destaca que as principais ameaças foram o phishing, o malware e o ransomware, entre outras, tendo as "PME, os órgãos de soberania, a administração pública e os setores da banca e da educação e ciência, tecnologia e ensino superior" como principais vítimas.


O Gabinete de Cibercrime da Procuradoria-Geral da República publicou em janeiro de 2021 o relatório Cibercrime: Denúncias recebidas 2020 e no qual se verifica um crescimento das denúncias no período da pandemia, com cerca de 40 denúncias mensais, uma tendência que se manteve até ao final do ano de 2020.


O aumento do cibercrime não é exclusivo de Portugal. É uma realidade à escala europeia e global, conforme se depreende do mais recente relatório da Europol, no qual se analisa a progressão da pandemia com a evolução da criminalidade e em que a cibercriminalidade tem direito a um capítulo do relatório, no qual se mostra uma correlação do aumento do cibercrime com o teletrabalho.


Como se pode constatar com estes relatórios e análises internacionais, o cibercrime é uma realidade em Portugal e, da mesma forma que uma pandemia não conhece fronteiras, o mesmo se aplica ao cibercrime. Em todo o mundo, cerca de 400 milhões de pessoas são vítimas todos os anos.

Wolf Security

Um número assustador que pode ser minorado utilizando serviços que protegem as empresas e os seus trabalhadores, mesmo em teletrabalho, como é o caso da HP Wolf Security, uma área da HP dedicada à cibersegurança que permite às empresas com equipas de TI demasiado atarefadas ou sem recursos de TI dedicados ter uma solução holística que assenta num poderoso software e serviços opcionais que oferecem uma segurança melhorada para dispositivos ligados à rede, como PCs e impressoras, independentemente da dimensão da sua empresa ou organização.

As organizações que estão mais conscientes do problema de segurança no mundo utilizam o HP Wolf Enterprise Security para eliminar vetores de ameaças de alto risco, permitindo que as suas equipas se possam manter focadas no que é realmente importante. Concebidas para empresas de grande dimensão e organizações do setor público, as poderosas soluções HP Wolf Enterprise Security libertam tempo às equipas de TI enquanto proporcionam melhores experiências aos utilizadores finais.

Funcionalidades HP Wolf Security PC HP com HP Wolf Security for Business
Isolamento de aplicações
Segurança e resiliência do firmware
Persistência de aplicações
Antivírus da próxima geração
Ecrã de privacidade
Resiliência do sistema operativo
Administração do firmware
Recuperação do PC de um ataque graças a um chip isolado