Ajuda Externa Barroso: “Dívida pública é sustentável desde que Portugal mantenha a dinâmica de reformas”

Barroso: “Dívida pública é sustentável desde que Portugal mantenha a dinâmica de reformas”

O presidente da Comissão Europeia sublinhou que a dívida pública portuguesa é sustentável, mas apenas se o Governo continuar a executar reformas estruturais.
Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios
Bruno Simão - Fotografia
Nuno Aguiar 11 de abril de 2014 às 15:35

“Embora a dívida pública ainda permaneça elevada, ela é sustentável desde que se mantenha a dinâmica do processo de reformas se mantenha”, referiu Durão Barroso esta tarde, 11 de Abril, citando as opiniões semelhantes da Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Central Europeu (BCE).

 

O ex-primeiro-ministro falava na abertura da Conferência “Portugal: rumo ao crescimento e emprego”, organizada pela Comissão na Fundação Calouste Gulbenkian. Durão Barroso sublinhou que a economia portuguesa regressou ao crescimento e que os desequilíbrios orçamentais e estruturais foram corrigidos. “A recuperação da competitividade está a ser conseguida com o programa de ajustamento”, afirmou. “É meu dever prestar uma sincera homenagem ao esforço dos portugueses e do Governo português”, acrescentou, sublinhando a “determinação” do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, na sua insistência na execução das reformas estruturais. “Isto permitiu o progressivo reconhecimento internacional que reflecte na confiança que os investidores internacionais começam a ter em Portugal.”

 

Durante este período de recuperação, Durão Barroso classificou a luta contra o desemprego, “principalmente dos jovens”, como a “primeira prioridade”.




pub