Ajuda Externa Bruxelas e Governo negam negociações para segundo resgate a Portugal

Bruxelas e Governo negam negociações para segundo resgate a Portugal

O cenário de um novo pacote de ajuda financeira não está em cima da mesa, “nem parcialmente nem de qualquer outra forma”, garante Bruxelas.
Bruxelas e Governo negam negociações para segundo resgate a Portugal
Negócios com Lusa 28 de setembro de 2013 às 15:11

A Comissão Europeia negou hoje peremptoriamente que já esteja a trabalhar num novo resgate a Portugal, garantindo que o cenário de um novo pacote de ajuda financeira não está em cima da mesa, “nem parcialmente nem de qualquer outra forma”.

 

Reagindo a uma notícia hoje avançada pelo jornal Público, segundo a qual “Bruxelas já está a trabalhar em novo resgate a Portugal”, e um novo pacote de ajuda financeiro é agora visto em

Bruxelas “como o cenário mais provável”, o porta-voz dos Assuntos Económicos disse à Lusa que essa informação é “absolutamente incorrecta” e não corresponde ao ponto de vista da Comissão, pois o executivo comunitário está exclusivamente focado na implementação bem-sucedida do actual programa de ajustamento.

 

“As discussões que decorrem em Lisboa (entre as autoridades portuguesas e a ‘troika’) estão exclusivamente focadas em garantir a implementação bem-sucedida do programa acordado para Portugal, de modo a criar as condições para uma retoma económica sustentável e um regresso à criação de postos de trabalho”, disse Simon O’Connor, negando que um novo pacote de empréstimos já esteja “parcialmente na mesa”, como indica o jornal.

 

Fontes não identificadas envolvidas no actual programa de assistência financeira a Portugal classificaram como "muito provável", "praticamente inevitável" e mesmo "largamente inevitável" o cenário de um segundo resgate a Portugal.

 

Também o Governo desmentiu a notícia do “Público”, negando em comunicado emitido pelo ministério das Finanças “que estejam em curso quaisquer negociações ou referências de qualquer tipo em relação a um segundo programa de resgate a Portugal”.

 

O porta-voz do comissário Olli Rehn garantiu à Lusa que, além do exame regular em curso do actual programa de assistência a Portugal, “nada mais está sobre a mesa, nem ‘parcialmente’, nem de qualquer outra forma”.

 

“O Governo está a trabalhar com os representantes da Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional no âmbito da actual missão em curso para garantir a sua conclusão com sucesso nos próximos dias”, refere um comunicado do Governo português.