Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Seguro: Europa dá sinais de irresponsabilidade ao não reagir a tempo de resolver problemas

O secretário-geral do PS considerou hoje que a Europa "dá sinais de enorme irresponsabilidade, porque não sabe agir a tempo e horas de resolver os seus problemas".

Lusa 23 de Outubro de 2011 às 14:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...
E como exemplo, António José Seguro apontou a Grécia, um país que com o aparecimento "dos primeiros sintomas de crise, a chanceler alemã, Angela Merkel, disse ser um problema dos gregos e não da Europa".

Só que hoje, "estão todos reunidos em Bruxelas à procura de uma solução, porque estando todos na União Europeia e o problema de um é de todos", sublinhou o dirigente socialista em Vila do Conde, num jantar que juntou cerca de 900 militantes do PS.

Para Seguro, a Europa precisa de entender que "há uma crise do desemprego, da pobreza, da exclusão e das desigualdades sociais entre europeus".

Por isso, uma união económica e monetária "não terá êxito se não existir um governo que estimule o crescimento económico e que, em momentos de crise, seja solidário".

E neste contexto, Seguro defendeu a emissão de 'eurobonds', certificados de dívida, porque assim, poderíamos ter "acesso ao crédito, pagando menos pelas taxas de juros, o que se traduziria numa vantagem para nós".

Mas além desta postura da Europa, o socialista lamentou também o facto de Portugal "não ter um primeiro-ministro que bata o pé para defender os interesses de Portugal e que não chegue junto do Banco Europeu de Investimento para propor a criação de um fundo para ajudar as nossas empresas, o que iria estimular o crescimento económico".

E se parte dos problemas de Portugal se resolvem a nível internacional, outros há que "têm solução num plano nacional", disse Seguro adiantando ainda que Portugal "não está condenado a ficar pobre".

Mas para que isso não aconteça, tem que haver uma "aposta nas pequenas e médias empresas e naquelas que exportam", sublinhou. Temos empresas que "querem produzir, têm encomendas e clientes, mas não têm dinheiro para comprar matérias-primas".

O facto de não existir um apoio as estas unidades é "um crime" e representa o "suicídio da nossa economia", disse ainda o dirigente socialista em Vila do Conde.

"Há alternativa à austeridade, mas não se pode cortar tudo por igual. Somos um país de gente séria e precisamos de um Governo que olhe para os sectores mais dinâmicos da sociedade e os compreenda", concluiu.



Ver comentários
Saber mais PS António José Seguro
Outras Notícias