Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Vítor Gaspar defende Alemanha das críticas nacionais

Ex-ministro das Finanças concedeu uma entrevista ao "Público" um dia antes do lançamento do livro com a entrevista longa que concedeu a Maria João Avillez.

Bruno Simão/Negócios
Rui Peres Jorge rpjorge@negocios.pt 17 de Fevereiro de 2014 às 11:28
  • Partilhar artigo
  • 32
  • ...

Vítor Gaspar discorda das críticas que mais frequentemente se ouvem à gestão alemã da crise europeia. O ex-ministro recusa as leituras que defendem que Alemanha aproveitou para afirmar o seu poder e diz que há também há um interesse comum na resolução dos problemas que é reconhecido por todos. Salienta que, da sua experiência, a Alemanha é um dos países mais empenhados na integração europeia e se identifica “uma profunda assimetria entre o que podem fazer países credores e países devedores”, essa é uma característica normal de processos de ajustamento, explica.

 

Na entrevista que concede hoje ao Público, um dia antes do lançamento do livro com a entrevista longa que concedeu a Maria João Avillez, o ex-ministro das Finanças refuta ponto por ponto as questões colocadas pelo jornal que colocam em xeque as opções tomadas durante a crise pelo Governo liderado por Angela Merkel.

 

O jornal começa por citar um diplomata alemão que terá afirmado que a Alemanha não pode desperdiçar esta crise para reformular a união monetária à sua imagem e semelhança, deixando implícita uma crítica à gestão da crise pela Alemanha, centrada em dimensões financeiras.

 

“Julgo que o que acaba de dizer sobre a Alemanha está errado”, responde Gaspar. Por um lado, diz, “a ideia de encarar a crise como oportunidade é generalizada” e “naturalmente as mudanças mais profundas são motivadas por crises”. Por outro, “a ideia de que a crise é muito mais que financeira e que a construção europeia é fundamentalmente um projecto político, é uma percepção muito forte na Alemanha”. Gaspar continua para afirmar que “parece-me particularmente datada a ideia implícita de que a dimensão financeira da crise seria destacada pela Alemanha e que outros teriam uma visão mais ampla”.

 

A entrevistadora, a jornalista Teresa de Sousa, acrescenta mais à frente que a crise veio alterar o equilíbrio de poder interno na União Europeia, dando à Alemanha um papel que nunca tinha tido. Também esta ideia é refutada por Vítor Gaspar que defende que poder dos países credores aumenta em processos de ajustamento, mas isso é normal e já foi assim no passado.

 

“Uma das perspectivas que aprendi com John Maynard Keynes é que, num processo de  ajustamento internacional, há uma profunda assimetria ente o que podem fazer os países credores e o que podem fazer os devedores”, começa por responder, concretizando depois: “quando olhamos para a história da integração monetária europeia, temos essa assimetria entre países deficitários e superavitários logo no mecanismo cambial do Sistema Monetário Europeu (SME) e voltamos a ter agora, com a união monetária”.

 

O jornal evidencia depois outras das críticas mais comuns à Alemanha e dos países do Norte, a ideia de que geriram a crise mais preocupados com o benefício próprio do que com a solidariedade que deve marcar um projecto político como a União Europeia.

 

Gaspar responde que o País beneficiou muito da solidariedade europeia através do financiamento da banca nacional junto do Eurosistema e do empréstimo da troika. O ministro continua para afirmar que na União Europeia “há interesses nacionais e há o primado da dimensão nacional da política” o que se aplica a todos os países, sejam a Alemanha ou Portugal. Mas há também “o reconhecimento do interesse europeu numa solução para esta crise e essa solução é um bem comum europeu que é de todos”.

 

O homem que conduziu o processo de ajustamento nacional entre 2011 e 2013 desvalorizou ainda o facto dos EUA estarem a sair mais rapidamente da crise do que a Europa, um possível sinal de que a preferência norte-americana por menos austeridade – o que gerou vários momento de tensão entre Barack Obama e Angela Merkel – esteja a funcionar melhor. "Julgo que é comum na imprensa exagerar as diferenças e subvalorizar alguns aspectos comuns", respondeu, excemplificando depois com a "cooperação entre os bancos centrais".

Ver comentários
Saber mais Vítor Gaspar entrevista Público críticas Alemanha
Outras Notícias