Ambiente COP21: "Os bons sentimentos e as declarações de boas intenções não são suficientes"

COP21: "Os bons sentimentos e as declarações de boas intenções não são suficientes"

François Hollande e Ban Ki-moon focaram as suas intervenções na abertura da Cimeira do Clima em Paris na necessidade de ir para lá das “boas intenções” e fazer deste encontro um ponto de viragem no que concerne ao combate às alterações climáticas.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Foto: Reuters
Inês F. Alves 30 de novembro de 2015 às 11:24

Para François Hollande, o mundo "está à beira de uma ruptura" no que concerne as alterações climáticas e Paris deve ser um "evento excepcional" que vá para lá das "dos bons sentimentos". A mesma ideia foi transmitida por Ban Ki-moon na cerimónia de abertura da Conferência do Clima, em Paris: "acabou a altura só das boas intenções", é necessário investir no "caminho do consenso e do compromisso e, se possível, também da flexibilidade".

Na abertura da Cimeira do Clima em Paris (COP21), o presidente de França – país anfitrião deste evento - François Hollande, pediu que Paris fosse o "início de uma grande mutação". "Para resolver a crise climática digo, sinceramente, que os bons sentimentos e as declarações de boas intenções não são suficientes", disse o responsável, acrescentando que "estamos à beira de uma ruptura" e que não é possível "continuar a considerar a natureza como um reservatório de recursos que nunca se esgotam".

Para o presidente francês, na luta contra as alterações climáticas, o "muro" com que nos deparamos é construído "pela indiferença" e por "egoísmos". O responsável considera que o investimento na transição para uma economia verde abre "possibilidades de desenvolvimento com energias renováveis, com meios de transportes limpos, com a preservação da biodiversidade", entre outras, sendo que o propósito é alcançar um "mundo de cooperação onde será mais rentável proteger do que destruir" e onde se constroem "parcerias entre o homem e a natureza".

François Hollande disse ainda que "este evento em Paris é excepcional", porque "devemos em poucos dias tomar decisões para as próximas décadas" e salientou que "o grande perigo é que o nível de exigências seja demasiado baixo".

De referir que os compromissos feitos até agora pelos países e que servem de ponto de partida para o acordo que está em cima da mesa em Paris não são suficientes para limitar o aumento da temperatura aos 2ºC até ao final do século - comparativamente a níveis pré-industriais -, o limite máximo a partir do qual as consequências podem ser dramáticas.

"Trata-se de decidir aqui em Paris do futuro do planeta" concluiu Hollande, que começou esta intervenção por dizer que o mundo não pode falhar nas lutas contra o terrorismo e contra as alterações climáticas.

O sentimento de urgência foi também partilhado pelo secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon, que começou por destacar a presença de "mais de 150 líderes mundiais" e os compromissos "apresentados por mais de 180 países e que cobrem cerca de 100% das emissões globais" para a redução das emissões de gases com efeito de estufa.

"Vocês demonstraram o vosso compromisso para agir pelo bem comum", disse o responsável, salientando que os países se encontram agora perante um dos maiores desafios da actualidade, que é também "uma grande oportunidade" de "poder garantir o bem-estar desta geração e das futuras".

Ban Ki-moon pediu aos líderes mundiais que "peçam aos ministros e negociadores que sigam o caminho do consenso e do compromisso e, se possível, também da flexibilidade" e salientou que "acabou a altura só das boas intenções".

"Paris tem de marcar um ponto de viragem decisiva" defendeu, salientando que "precisamos de ir ainda mais longe se queremos limitar o aumento da temperatura abaixo dos 2ºC", exigindo, por isso, um "acordo robusto e com significado" em Paris.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI