Preço do petróleo poderá atingir, em média, 62 dólares por barril em 2018

O banco central da Rússia desceu a taxa de juro directora, perante sinais contraditórios da economia. Já os Estados Unidos continuam a registar bons indicadores.
Jornal de Negócios
pub
Cosec 27 de fevereiro de 2016 às 14:37


Rússia:

Semana agitada para o Banco Central da Rússia


O Banco Central da Rússia (BCR) reduziu a taxa de juros para 7,75% na semana passada. A mudança reflete a queda na inflação para um novo mínimo recorde graças a (i) uma boa colheita que reduziu a inflação no preço dos alimentos e (ii) uma estabilização do RUB em 2017. Enquanto isso, os indicadores avançados da atividade económica no 4T são díspares. A produção industrial caiu, enquanto as vendas a retalho aumentaram. Acresce que o BCR resgatou na semana passada o Promsvyazbank (PSB), o 9º maior banco da Rússia depois de outros dois grandes bancos privados terem sido resgatados antes (Otkritie em agosto, Binbank em setembro).

pub

 

Turquia:

Aperto monetário pouco assertivo


O Comité de Política Monetária (CPM) da Turquia elevou a taxa de juros para 12.75%. No entanto, manteve a sua taxa oficial de referência de reimportação em 8%, bem como as taxas de crédito e de empréstimo que permaneceram em 7.25% e 9.25%, respetivamente. O CPM indicou preocupações sobre o aumento das pressões inflacionárias, o rápido crescimento do crédito e o aumento dos fatores de custo. O crédito do sector privado cresceu para 23,5% y/y no 3T e a inflação aumentou para o valor mais alto nos últimos14 anos 13,0% y/y em novembro. As taxas de juros reais continuam a ser negativas, embora o Banco Central esteja atualmente a financiar o mercado maioritariamente através da taxa de juros da janela de liquidez.
 

EUA:

pub

Solidez generalizada em toda a economia


A economia está a demonstrar uma solidez generalizada no consumo, fabricação e habitação. As vendas a retalho aumentaram em +0,8% m/m em novembro, elevando a taxa y/y para +5,8%, a mais rápida em quase seis anos. A produção industrial também aumentou +0,2% m/m, colocando as taxas y/y em +3,4%. O sector imobiliário também ganhou, pois o índice do Mercado de Habitação aumentou para o maior nível em mais de 18 anos, bem como a construção de casas que aumentou para +12,9% y/y, o nível mais alto em 14 meses. 

 

Preço das matérias-primas:

Produção permanece alta

pub


O crescimento global acelerou acentuadamente de +2,6% em 2016 para cerca de +3,2% em 2017. No entanto, os preços das matérias-primas aumentaram apenas marginalmente, uma vez que a produção de petróleo, metais industriais e uma ampla gama de matérias-primas agrícolas permaneceu alta. Esperamos que o preço do petróleo de referência Brent deva atingir em média 62 USD/bbl em 2018. Como primeira consequência, a inflação não deve acelerar na Zona Euro. Em segundo lugar, a incerteza sobre os principais impulsionadores, nomeadamente a desaceleração do crescimento na China. Em terceiro lugar, os exportadores de matérias-primas agrícolas melhoraram a produtividade, aumentando a produção o que teve um impacto estrutural sobre os preços.

Fonte: WERO Cosec/Euler Hermes

pub