Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Pedro Passos Coelho garante que PSD terá candidatura própria a Lisboa

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, garantiu este sábado que os sociais-democratas terão uma candidatura própria à Câmara de Lisboa, a qual será apresentada "na altura certa" e sem coligação com o CDS.

Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 14 de Janeiro de 2017 às 21:31
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...

"Em muitos municípios concorremos coligados [com o CDS] há outros em que não houve coligação. É o caso de Lisboa é um município onde não há coligação e o PSD não deixará de apresentar a sua candidatura à capital de distrito", afirmou.

Pedro Passos Coelho falava na Covilhã, distrito de Castelo Branco, à entrada para o "jantar de reis" organizado pela Comissão Política local.


Questionado sobre as autárquicas e o caso particular de Lisboa, o líder do PSD lembrou que apesar da "relação preferencial com o CDS" a candidatura de Assunção Cristas não nasceu de um entendimento com o PSD, pelo que também este partido terá candidato próprio.


"O PSD apresentará a seu tempo a sua candidatura também para Lisboa", salientou, vincando que o partido "continua empenhado em fazer escolhas boas".


Pedro Passos Coelho reiterou ainda que o PSD "não subscreve um processo de nacionalização para o novo banco" e lembrou o país já tem um banco público, o qual considera que não tem sido bem tratado pelo Governo.

"Sinónimo disso é termos entrado o novo ano com a administração da Caixa Geral de Depósitos em aberto", disse.


Segundo referiu, o PSD também não alterará o posicionamento já tornado público relativamente à Taxa Social Única (TSU) e considerou ainda que há "desentendimentos na maioria" no que concerne a essa matéria.


"A maioria é que está desentendida quanto à TSU. O PSD não faz parte do Governo não esteve a fazer negociações. É uma matéria a que o PSD é alheio, não temos rigorosamente nada a ver com os compromissos que o Governo e a maioria estabeleceram nessa matéria. O PSD já disse o que tinha a dizer", afirmou.


A medida está prevista no acordo de concertação social, que consagrou o aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN), mas tanto o Bloco de Esquerda como o PCP admitiram levá-la ao Parlamento, caso o Governo insista na redução da TSU para as empresas como forma de compensá-las pelo aumento do SMN.


O presidente do PSD advertiu na sexta-feira o PS para não contar com o seu voto caso os partidos que completam a maioria de esquerda peçam a apreciação parlamentar do diploma que reduz a TSU das empresas.


Ao discursar num jantar organizado pela distrital social-democrata do Algarve, Pedro Passos Coelho disse que a opção do Executivo vem tornar regra uma medida que o anterior Governo PSD/CDS-PP adoptou de forma temporária, em vez de seguir a solução preconizada pelos sociais-democratas de fazer depender os aumentos do salário mínimo da produtividade das empresas.

Ver comentários
Saber mais Passos Coelho autárquicas eleições Câmara Municipal de Lisboa CDS Assunção Cristas
Mais lidas
Outras Notícias