Conjuntura Actividade económica acelerou em Outubro para máximo de dois anos e meio

Actividade económica acelerou em Outubro para máximo de dois anos e meio

O indicador de actividade económica do INE voltou a acelerar, pelo terceiro mês consecutivo, em Outubro fixando-se em máximos de Abril de 2011, mês em que Portugal pediu intervenção externa.
Actividade económica acelerou em Outubro para máximo de dois anos e meio
Eva Gaspar 18 de dezembro de 2013 às 11:18

Depois de em Agosto ter registado a primeira variação positiva em dois anos (0,3%), o indicador de actividade económica calculado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) voltou a acelerar pelo terceiro mês consecutivo em Outubro (1,3%), fixando-se em máximos de Abril de 2011, mês em que o anterior Governo pediu a intervenção da troika. Em Setembro, o indicador atingira 0,8%.

 

De acordo com a síntese económica de conjuntura, divulgada nesta quarta-feira, 18 de Dezembro, observou-se de novo em Outubro um crescimento homólogo da produção industrial, mas uma diminuição da actividade económica nos serviços e na construção e obras públicas. O indicador quantitativo do consumo privado – uma das componentes com maior peso na evolução do PIB nacional que tem estado em acentuada retracção ao longo desta crise - voltou a recuperar, reflectindo o "contributo positivo mais expressivo" quer do consumo corrente quer do de bens duradouros.

 

O indicador de investimento (outra variável que tem estado em queda livre nesta crise) diminuiu de "forma ligeiramente menos acentuada", em resultado - acrescenta o INE - da evolução da componente de máquinas e equipamentos.

 

Relativamente ao comércio internacional de bens, em termos nominais, as exportações e importações registaram variações homólogas de 4,6% e 1,2% em Outubro (inferiores aos 5,8% e 3,5% no mês anterior), respectivamente.

 

A síntese do INE refere ainda que o indicador (qualitativo) de clima económico atingiu em Novembro o valor mais elevado desde Março de 2011, após ter registado o mínimo da série em Dezembro de 2012.

 

Estes dados continuam apontar para um início favorável da actividade económica neste quarto trimestre, em que o mês de Outubro já se inclui, abrindo espaço para que a contracção anual do PIB neste ano fique aquém dos -1,8% previstos por Governo e troika e se aproxime mais da recente previsão do Banco de Portugal, que espera uma retracção anual da economia de -1,5%.

 

Os dados estatísticos do INE mais recentes para a evolução global do PIB são relativos ao terceiro trimestre, e apontam para que o Produto tenha crescido 0,2% face ao trimestre anterior, em que havia progredido 1,1%, e que tenha recuado 1% em termos homólogos (por comparação com o segundo trimestre de 2012), o que traduz a quebra menos intensa desde o segundo trimestre de 2011.

 

(notícia actualizada às 11h45)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI