Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Berenberg: "Portugal está agora a pagar o preço pela reversão de algumas reformas"

A Berenberg faz uma análise a Portugal e Espanha, este último um país "exemplo" que conseguiu sair da crise, mesmo enquanto se debate com uma crise política que parece não ter solução. Já Portugal é visto como "problema", devido essencialmente a ter revertido reformas em curso.

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 22 de Agosto de 2016 às 15:39

Numa nota de análise, publicada na sexta-feira, 19 de Agosto, a Berenberg faz uma análise aos países que no auge da crise económica que assolou a Zona Euro foram alvo de resgate: Espanha, Portugal, Grécia, Irlanda e Chipre. A análise concentra-se no "exemplo espanhol" e no "problema português".
 

"Depois de ter feito um grande progresso até 2014, Portugal está agora a pagar o preço pela reversão de algumas reformas", realça o banco de investimento alemão Berenberg.


Assim, de um lado está "o exemplo espanhol" que, "com determinadas reformas e um esforço suficiente para estabilizar o seu sistema bancário, virou a esquina de vez em 2013", afirma a agência na nota, exemplificando com o facto de "o investimento ter aumentado rapidamente, levando a um crescimento do PIB perto de 3% e a uma recuperação significativa do emprego." Recorde-se que Espanha pediu um resgate financeiro para a banca, não tendo tido repercussões no resto das políticas económicas e financeiras. 

A Berenberg diz que, mesmo que o PP, liderado por Mariano Rajoy, não consiga o apoio parlamentar suficiente que lhe permita constituir um governo maioritário, "as sondagens sugerem que uma eventual terceira ronda de eleições não trará um poder anti-reformas." E, "apesar do impasse político, Espanha parece estar para ficar no rumo certo", afirmam os analistas da Berenberg na nota publicada.

 
Do outro lado está "o problema português." O Berenberg diz que "quando Portugal saiu do seu programa de ajustamento em Junho de 2014, estava no caminho certo" e, "tal como em Espanha, o investimento começou a recuperar fortemente." Mas, salienta a Berenberg, "Portugal ficou muito para trás desde meados de 2015. Parte disto foi má sorte. O colapso dos preços do petróleo afectou muito Angola, que se tornou o quarto maior destino das exportações portuguesas no final de 2014. A queda nas exportações para Angola desde então quase que anulou o aumento das exportações portuguesas para a Zona Euro." 


Mas, sublinha o Berenberg, "o grande problema [de Portugal] é o crescimento interno. Apoiado por três pequenos partidos de extrema-esquerda, o Governo minoritário socialista que ascendeu ao poder em Novembro de 2015 inverteu algumas reformas-chave, aumentando o salário mínimo e o número de feriados. Para um país com um desemprego ainda elevado, esta é uma maneira de deter o investimento em vez de o promover." 

A Berenberg questiona se Portugal estará prestes em entrar numa nova crise, depois de um "fraco crescimento económico de 0,2% no segundo trimestre" e de a agência DBRS "ter alertado para a possibilidade de rever o ‘rating’ de Portugal", o país fica numa situação fragilizada. "Uma descida de ‘rating’ da DBRS fará com que as obrigações soberanas de Portugal sejam ilegíveis para a compra do BCE", realça.  

 

"Continuamos a acreditar que Portugal vai escapar a este destino: Mas o risco é sério", sublinha o banco de investimento. Se isso acontecesse, Portugal estaria fora dos programas de compras de dívida do BCE o que poderia levar a uma venda significativa de dívida e ao fecho do mercado de dívida para o país.

 

E, neste contexto, "Lisboa poderia ser forçada a pedir ajuda outra vez", o que levaria a que "Portugal regressasse ao rumo de reformas, com ou sem alterações no Governo."


(Notícia actualizada às 15:55 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais Berenberg crise na Zona Euro Portugal Espanha
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio