Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Commerzbank: "Portugal à beira da crise"

A economia abranda, a dívida é elevada, o Governo inverteu as reformas e há ainda o risco de sair do programa de compras de activos do BCE. Um conjunto de alertas do banco alemão, que o leva a antecipar uma nova crise no país.

Bruno Simão
André Tanque Jesus andrejesus@negocios.pt 16 de Junho de 2016 às 11:07
  • Assine já 1€/1 mês
  • 166
  • ...

"Portugal é ainda um dos países da Zona Euro a pairar à beira da crise." É assim que o Commerzbank arranca a sua nota de análise à economia nacional. Ralph Solveen, director de economia no banco alemão, alerta para o abrandamento da economia e para a elevada dívida. E critica a inversão completa que o Governo de António Costa fez à política económica, o que ainda piora as perspectivas para o futuro. Isto para não falar da "espada de Dâmocles" que paira sobre Portugal.

"Certamente há algumas boas razões para cepticismo: a economia em Portugal claramente perdeu ritmo", atira Ralph Solveen, numa nota de análise publicada esta quinta-feira, 16 de Junho. O director de economia do Commerzbank refere-se aos elevados juros da dívida que Portugal ainda regista, quando comparado com o resto da Zona Euro, explicando o que está a travar o crescimento.

Para o especialista do banco alemão, "o que é particularmente preocupante é o fraco desempenho do investimento", que apenas recuperou "ligeiramente" da forte queda na segunda metade de 2015. Mas também "a taxa de desemprego abrandou significativamente desde meados do ano passado". Como se não bastasse, também "as exportações abrandaram significativamente devido à mais fraca economia global".

"A única coisa que sobra para impulsionar a economia, actualmente, é o consumo privado", aponta Ralph Solveen. Mas mesmo aqui há um problema. "Esta tendência positiva já não se baseia num forte aumento do emprego, como foi o caso, mas sim em efeitos de curto prazo como o baixo preço do petróleo, o maior salário mínimo e salários novamente mais elevados na função pública".

Mas de olho no mercado, o director de economia do banco alemão alerta que "o factor a pesar mais nas obrigações portuguesas é, sem dúvida, a inversão completa na política económica que o novo Governo levou a cabo". E Ralph Solveen é taxativo: isto "ameaça minar o progresso que Portugal tem feito nos últimos anos".

cotacao A inversão completa na política económica, que o novo Governo levou a cabo, ameaça minar o progresso que Portugal tem feito nos últimos anos. Ralph Solveen Director de Economia do Commerzbank 

O aumento dos custos laborais, devido ao aumento do salário mínimo - fora os que estão previstos para os próximos anos -, é a principal preocupação do economista, já que trava a tão importante competitividade das empresas portuguesas. Além disso, critica a reposição dos quatro feriados que tinham sido abolidos.

"Claramente o novo Governo não acredita que a liberalização e a desregulação como a forma correcta de reanimar a economia do país. Em vez disso, está focado numa política financeira mais expansionista e num maior papel do Estado na economia", diz Ralph Solveen. Resultado? "A experiência de tentativas semelhantes de outros países no passado torna duvidoso que este caminho levará ao sucesso", atira o especialista. E acrescenta: "há o risco de Portugal sofrer novamente uma queda da economia, devido aos seus muitos problemas estruturais".

"Menor défice apesar de maior despesa?"

Mas os pontos negativos destacados por Ralph Solveen não ficam por aqui. O director de economia do Commerzbank critica a revogação de várias "medidas de austeridade implementadas pelo anterior Governo", a redução das 40 para as 35 horas de trabalho na função pública e o fim de vários impostos introduzidos nos últimos anos.

"Isto será financiado através de outros aumentos de impostos", nota o especialista. No entanto, salienta, "a grande esperança é que, presumivelmente, uma economia mais forte e uma maior queda da taxa de desemprego impulsionem as finanças públicas do país. Contudo, qualquer ímpeto será provavelmente mais fraco do que o previsto pelo Orçamento".

E se o Governo antecipa um crescimento de 1,8% este ano, Ralph Solveen chama António Costa à Terra. "No máximo, a economia portuguesa parece preparada para crescer 1%", atira. Admitindo que o défice seja inferior em 2016, o especialista desvaloriza devido ao valor excessivamente elevado no ano passado, graças à recapitalização do Banif. Por outro lado, põe em causa se o objectivo definido será cumprido.

cotacao No máximo, a economia portuguesa parece preparada para crescer 1%. RALPH SOLVEEN Director de Economia do Commerzbank

"É altamente questionável se as tentativas de reduzir o rácio para 2,2%, acordadas com a Comissão Europeia, serão bem-sucedidas, devido à economia mais fraca e à política financeira expansionista", considera o director de economia do Commerzbank. Ao mesmo tempo, o especialista também não acredita que o rácio de dívida face ao PIB cairá de 129% para 125%.

A DBRS e a "espada de Dâmocles"

De olho na economia, surgem também alertas em relação ao "rating" da dívida portuguesa. "Uma economia estagnada, fracas perspectivas de crescimento no médio prazo e níveis de dívida pública que continuam elevados e a recuar apenas lentamente, se tanto: certamente há muitas razões para ter uma perspectiva céptica em relação às obrigações portuguesas", atira Ralph Solveen.

O director de economia do Commerzbank diz que as compras do BCE são "a única coisa a prevenir mais subidas das taxas de juro". Mas alerta que estas "apenas continuarão [a incluir a dívida nacional] enquanto Portugal foi classificado com o estatuto de investimento por, pelo menos, uma agência de notação financeira". Por isso, caracteriza, esta é a "espada de Dâmocles" que ainda paira sobre Portugal.

É que a DBRS manteve o "rating" na revisão de Abril, pelo que não deverá haver qualquer redução nos próximos meses. Contudo, "se as actuais tendências negativas continuarem, a DBRS poderá rever o seu veredicto", atira Ralph Solveen. E acrescenta que "mesmo uma tendência ‘negativa’ provavelmente colocaria as obrigações portuguesas sob uma enorme pressão".

A acontecer, o BCE deixará de comprar dívida portuguesa e os efeitos serão muito negativos. "As taxas de juro das obrigações portuguesas vão subir de forma acentuada e, num cenário extremo, o país poderá mesmo perder o acesso aos mercados financeiros, como numa crise na dívida soberana", vaticina o especialista do banco alemão. Admite ainda que o Tesouro acumulou uma almofada financeira significativa, mas "o Governo apenas poderia sobreviver, no máximo, durante alguns meses". Já para não falar das restrições que colocaria ao financiamento da banca junto do BCE.

cotacao Caso as compras do BCE cheguem ao fim, as taxas de juro das obrigações portuguesas vão subir de forma acentuada e, num cenário extremo, o país poderá mesmo perder o acesso aos mercados financeiros, como numa crise na dívida soberana. RALPH SOLVEEN Director de Economia do Commerzbank

A única solução para continuar nas compras de activos seria, por isso, Portugal pedir um novo resgate. Algo que, no entanto, "o Governo também quererá evitar a todo o custo". "Primeiro, seria uma admissão de que as suas alterações à política voltaram a enterrar o país numa crise", explica Ralph Solveen. Além disso, acrescenta, "os dois partidos de extrema-esquerda, que apoiam o Governo minoritário socialista, dificilmente apoiarão as novas medidas de austeridade e as reformas estruturais que seriam impingidas em qualquer programa de resgate".

Feitas as contas, qualquer pedido de ajuda semelhante seria negativo para o Governo, além de que espoletaria "novas eleições para as quais os três partidos partiriam de uma posição de desvantagem". "É quase impossível prever o resultado desta batalha de nervos", atira o especialista do Commerzbank. Contudo, conclui, "uma coisa é certa: as obrigações portuguesas ficariam sob uma enorme pressão".


(Notícia actualizada às 12:58, com mais informação)

Ver comentários
Saber mais Commerzbank Portugal Governo António Costa dívida BCE economia conjuntura mercados
Outras Notícias