Conjuntura Confiança dos consumidores volta a subir em Abril e aproxima-se do máximo histórico

Confiança dos consumidores volta a subir em Abril e aproxima-se do máximo histórico

A confiança dos consumidores em Portugal subiu em Abril para o valor mais alto desde Julho de 2017, quando foi atingido o máximo histórico da série. O clima económico português estabilizou, mas na Zona Euro o sentimento está a piorar.
Confiança dos consumidores volta a subir em Abril e aproxima-se do máximo histórico
Pedro Elias
Margarida Peixoto 27 de abril de 2018 às 10:35
Os níveis de confiança dos consumidores regressaram em Abril para um valor muito próximo do máximo histórico. Depois de uma estabilização no arranque do ano, o indicador subiu pelo segundo mês consecutivo para 2,4 pontos, apenas uma décima a menos do verificado em Julho de 2017, quando foi atingido o pico da confiança. Já o clima económico estabilizou. Os dados foram publicados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

"O aumento do indicador de confiança dos Consumidores verificado em Abril reflectiu o contributo positivo das perspectivas relativas à evolução do desemprego e da situação financeira do agregado familiar, de forma mais expressiva no primeiro caso", explica o INE. Já as expectativas relativas à evolução da situação económica do país e da poupança contribuíram negativamente.

Olhando para o clima económico, verifica-se, contudo, uma estabilização. O INE dá conta de uma retracção da confiança na indústria transformadora, que já se verifica desde o início do ano. Em contrapartida, a confiança na construção e obras públicas aumentou precisamente desde Janeiro, tendo agora atingido o valor máximo desde Maio de 2002.

No comércio, a confiança diminuiu ligeiramente nos últimos quatro meses, diz o INE, tendo em Abril pesado as piores perspectivas sobre a actividade e o volume de vendas. E nos serviços a confiança também está a baixar, já desde Fevereiro.

Zona Euro perde gás

Já na Zona Euro, o indicador de sentimento económico manteve-se inalterado, tendo recuado ligeiramente no conjunto da União Europeia, revelou também esta quinta-feira a Comissão Europeia. A direcção-geral de Economia e Finanças de Bruxelas lembra que a estabilização do sentimento económico verifica-se depois de três meses de quedas consecutivas e que este ainda se mantém em nívels "elevados".

Mas no que toca ao clima económico da Zona Euro, as notícias são mais negativas: o indicador diminuiu 0,09 pontos, para 1,35. As perspectivas dos empresários sobre a produção passada e as encomendas totais "pioraram marcadamente", diz a DGEcfin, notando ainda que também as expectativas de exportações pioraram. Ainda assim, as expectativas de produção melhoraram substancialmente e a sua avaliação dos stocks de produto acabado ficou inalterada.

Esta quinta-feira Espanha, França e Reino Unido publicaram dados sobre o PIB do primeiro trimestre e as três economias abrandaram o ritmo.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

"We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

General Ciresp Há 3 semanas

Nao e dicil de advinhar essa melhoria:o porto foi dar tareia ao benfica na casa deles.O delirio futebolistico carregou na balanca do consumo:os do norte beberam para celebrar,os das aguias beberam para esquecer,mas quer1quer outro faz subir a balanca da despesa,ou se quizermos a balanca do consumo.

Saber mais e Alertas
pub