Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Confiança piora nas famílias e recupera nas empresas

A confiança dos consumidores permaneceu num "patamar relativamente próximo nos últimos três meses, após a recuperação parcial observada em maio e junho", refere o INE.

As medidas para conter a pandemia pararam a atividade das empresas e as consequências no emprego só não foram piores graças ao lay-off.
Mariline Alves
Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 29 de Setembro de 2020 às 09:56
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O indicador que mede a confiança das famílias portuguesas recuou em setembro, interrompendo a tendência de recuperação registada nos meses anteriores, enquanto nos empresários os níveis de confiança deram um sinal positivo.

 

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, a confiança dos consumidores permaneceu num "patamar relativamente próximo nos últimos três meses, após a recuperação parcial observada em maio e junho, mas situando-se ainda significativamente abaixo dos níveis pré-pandemia".

 

O indicador recuou para -26,6 em setembro, face aos -25,3 de agosto, situando-se ainda assim bem acima dos mínimos históricos fixados nos primeiros meses da pandemia (-41,6 em abril).  

O INE adianta que a deterioração registada em setembro "resultou sobretudo do contributo negativo das perspetivas sobre a evolução futura da situação económica do país e, em menor magnitude, da evolução negativa das perspetivas da situação financeira do agregado familiar e das opiniões sobre a evolução passada da situação financeira do agregado familiar".

 

Pela positiva, os consumidores mostraram expectativas menos pessimistas no que diz respeito "à realização de compras importantes".

 

No que diz respeito à confiança dos empresários, registou-se uma ligeira melhoria em setembro, com o indicador de clima económico a situar-se em -0,1, acima do registado em agosto (-0,2) e julho (-1,2). O indicador está também bem acima do mínimo histórico registado em abril (-5,4).

 

Segundo o INE, os indicadores de confiança aumentaram na Construção e Obras Públicas e nos Serviços, tendo diminuído na Indústria Transformadora e, de forma ligeira, no Comércio.

Ver comentários
Saber mais INE famílias confiança
Mais lidas
Outras Notícias