Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Economia portuguesa deverá crescer 0,9% este ano, diz inquérito da Bloomberg

Um inquérito realizado pela agência Bloomberg aponta que a economia portuguesa deverá crescer 0,9%, um valor que fica aquém dos 1,2% estimados pelo Governo e pela troika.

Bloomberg
Ana Laranjeiro alaranjeiro@negocios.pt 16 de Junho de 2014 às 09:46
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

A economia nacional deverá ter neste ano de 2014 uma evolução positiva, registando uma expansão de 0,9%. É pelo menos este o resultado de um inquérito realizado pela Bloomberg junto de 18 economistas entre 6 e 12 de Junho. Este valor fica, no entanto, aquém da estimativa do Banco de Portugal, que prevê um crescimento de 1,1%, e do Governo e da troika, que apontam para uma expansão de 1,2%.

 

Para 2015, os especialistas consultados por esta agência acreditam num aumento de 1,4% da economia, menos 0,1% que o banco central nacional, que reviu em alta a perspectiva para o próximo ano no seu último boletim. Também o Governo estima que no próximo ano, a economia cresça 1,5%. E para 2016, a entidade liderada por Carlos Costa estima um avanço de 1,7% da economia portuguesa.

 

Por outro lado, e no que diz respeito às metas do défice para este ano, os economistas consultados pela Bloomberg e o Governo e a troika falam dos mesmos números: 4% do produto interno bruto (PIB). No entanto, para o próximo ano o mesmo não acontece. O Executivo português e a troika esperam um défice de 2,5% do PIB enquanto os analistas são menos optimistas apontando para 2,9% de défice.

 

Os economistas estão mais optimistas do que o Governo estão para o desemprego. Os especialistas antecipam que a taxa de desemprego situe-se, em média, este ano nos 15,1%, quando o Executivo antecipa uma taxa de 15,4% de acordo com os números publicados no Documento de Estratégia Orçamental (DEO) no final de Abril. Para o próximo ano o cenário é idêntico. O Governo prevê 14,8% de taxa de desemprego e os economistas acreditam numa média de 14,7%.

 

Quanto ao índice de preços no consumidor, os economistas antecipam que este ano se verifique uma estabilização (0,0%) e a partir do próximo ano se verifique um crescimento – 0,9% em média em 2015 e 1,5% em 2016 em média.

 

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a 12 de Junho, o Índice de Preços no Consumidor (IPC) caiu 0,4% por comparação com Maio do ano passado. Trata-se da maior queda homóloga dos preços desde Novembro de 2009. Alimentos frescos  e transportes explicam o essencial da descida do IPC, explica o INE.

Ver comentários
Saber mais Bloomberg Banco de Portugal Governo Carlos Costa Documento de Estratégia Orçamental Instituto Nacional de Estatística INE Índice de Preços
Outras Notícias