Conjuntura Endividamento da economia sobe pelo segundo mês para 723 mil milhões

Endividamento da economia sobe pelo segundo mês para 723 mil milhões

Estado, empresas e famílias aumentaram o endividamento no segundo mês de 2019.
Endividamento da economia sobe pelo segundo mês para 723 mil milhões
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 23 de abril de 2019 às 11:40

O endividamento da economia portuguesa voltou a agravar-se em fevereiro, depois de já ter arrancado o ano em alta.

De acordo com os dados publicados esta terça-feira pelo Banco de Portugal, o endividamento do setor não financeiro aumentou para 723 mil milhões de euros em fevereiro, o que compara com os 721,3 mil milhões de euros registados em janeiro e os 717,1 mil milhões de euros do último mês de 2018.

O Banco de Portugal dá conta de que o aumento de 1,7 mil milhões de euros que se verificou em fevereiro "resultou do incremento de 0,9 mil milhões de euros no endividamento do setor público e de 0,8 mil milhões de euros no endividamento do setor privado".

Os três setores da economia aumentaram o endividamento, já que no setor privado a divida dos particulares subiu 21 milhões de euros para 141.829 milhões de euros e a dívida das empresas aumentou 791 milhões de euros para 258.767 milhões de euros.

"A subida do endividamento do setor público resultou, sobretudo, do aumento do endividamento face ao setor não residente em 1,1 mil milhões de euros, parcialmente compensado pela diminuição do financiamento concedido pelas empresas e pelas próprias administrações públicas", refere o Banco de Portugal, explicando que "no setor privado, observou-se, no essencial, um acréscimo do endividamento das empresas face ao exterior e ao setor financeiro em 0,6 e 0,2 mil milhões de euros, respetivamente".

A subida registada em fevereiro colocou o endividamento do setor não financeiro não muito longe do recorde que foi atingido em abril do ano passado, nos 725,5 mil milhões de euros. Na nota hoje publicada, o Banco de Portugal reviu os dados mensais desde janeiro de 2017. 

 

Ainda assim, quando medido o peso do endividamento na economia, a tendência tem sido de decréscimo. Os últimos dados reportam-se ao último trimestre do ano passado, altura em que a dívida da economia portuguesa representava 355,7% do PIB. Este rácio já chegou a superar os 400% do PIB e no final de 2017 situava-se em 368,8% do PIB.   
 

No quarto trimestre de 2018 o endividamento das empresas privadas representava 127,8% do PIB (contra 135,9% um ano antes) e o das famílias estava em 70,5% do PIB (contra 72,3% no último trimestre de 2017).

 

(notícia atualizada às 11:45 com mais informação)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI