Conjuntura Exportações portuguesas disparam 18% em Abril

Exportações portuguesas disparam 18% em Abril

As exportações de bens cresceram mais do que as importações em Abril. Já não acontecia desde Dezembro do ano passado.
Exportações portuguesas disparam 18% em Abril
Bruno Simão
Tiago Varzim 08 de junho de 2018 às 11:05
As exportações de bens cresceram 18,1% em Abril, acima da subida das importações de 13,1%. Esta evolução contraria o que tinha vindo a acontecer no primeiro trimestre do ano e que fez com que o saldo comercial se reduzisse. Contudo, ainda é cedo para tirar conclusões uma vez que os dados não estão deflacionados e existem efeitos de calendário.

"Em Abril de 2018, as exportações de bens registaram uma variação homóloga nominal de 18,1%, em sentido contrário à variação verificada no mês anterior (-5,4%)", revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira, referindo que "as importações de bens aumentaram 13,1%, correspondendo a uma aceleração face à variação registada em Março de 2018 (+0,7%)".

Mais uma vez, os dados do comércio internacional de bens estão influenciados "em parte, por efeitos de calendário dado que Abril de 2018 teve mais dois dias úteis que Abril de 2017".

Pelo contrário, no arranque do ano houve menos dois dias úteis. No comunicado sobre a subida do PIB no primeiro trimestre, o Ministério das Finanças já antecipava que "os dados preliminares do comércio extra-União Europeia para o mês de Abril" indiciavam "uma forte correcção deste efeito".

Desde Dezembro de 2017 que as exportações não cresciam acima das importações. Com este desempenho das exportações, o défice comercial reduziu-se em 39 milhões de euros, em comparação com o mês homólogo de 2017, para 1.253 milhões de euros em Abril.

Em reacção à divulgação do INE, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, diz que "estes resultados mostram que, apesar do arrefecimento do crescimento na União Europeia, a indústria portuguesa continua fortemente competitiva e a registar bons crescimentos quer nos mercados europeus, quer no mercado extra-comunitário". 

No primeiro trimestre de 2018, as importações tinham crescido mais do dobro das exportações. Nesse período o défice da balança comercial de bens agravou-se para 1.207 milhões de euros.

Tendência ainda não inverteu

Apesar deste crescimento expressivo das exportações, a tendência de as importações estarem a crescer mais ainda persiste. Numa análise mais alisada, com a taxa de variação do trimestre terminado em Abril, é possível concluir que, na realidade, o ritmo de crescimento das importações de bens continua bem acima do dos bens exportados, ainda que estes tenham dado um salto.

No trimestre terminado em Abril, as exportações cresceram 5,2%. Já as importações subiram 7,1%, acelerando face aos 6,6% registados no primeiro trimestre. 

Mas que bens é que estão a ser mais exportados? Os números mostram que são os automóveis para transporte de passageiros, influenciados pela produção do T-Roc na Autoeuropa. Esta categoria de bens quase duplicou no trimestre terminado em Abril, passando de 465 milhões de euros para 899 milhões de euros.

Mas há o outro lado da moeda: a importação de partes, peças separadas e acessórios para material de transporte também aumentou significativamente. Destacam-se ainda os produtos transformados, os que mais pesam nas importações, que cresceram 9% (+399 milhões de euros).

Por zonas, é possível concluir que as exportações cresceram no trimestre terminado em Abril para a União Europeia (+9,4%), mas diminuíram para o resto do Mundo (-6,6%). Já as importações cresceram em ambos os mercados, mas de forma mais expressiva no comércio intra-UE. 

Além disso, esta análise também mostra que o défice comercial continua a agravar-se. Na taxa de variação com a média trimestral é possível concluir que isso acontece ininterruptamente desde Julho de 2016. 

(Notícia actualizada às 11h57)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI