Conjuntura Importações crescem mais do que exportações no terceiro trimestre

Importações crescem mais do que exportações no terceiro trimestre

No terceiro trimestre, as importações de bens cresceram 7,3%, mais do que as exportações, que avançaram 6,1% face ao mesmo período de 2017, segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 9 de Novembro, pelo INE. O comércio internacional abranda face ao trimestre anterior.
Importações crescem mais do que exportações no terceiro trimestre
Nuno Fernandes Veiga
Susana Paula 09 de novembro de 2018 às 11:18
As importações de bens cresceram mais do que exportações no terceiro trimestre, ao avançarem 7,3% contra 6,1%, revelam os dados divulgados esta sexta-feira, 9 de Novembro, pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE). 

Também em termos acumulados, considerando o período entre Janeiro a Setembro, as importações de bens subiram mais do que as exportações: 7,8% contra 6,7%, respectivamente. Mas os últimos meses revelam também um abrandamento do comércio internacional.

Comparando com os mesmos nove meses de 2017, os dados divulgados agora demonstram uma "desaceleração significativa" das exportações face ao crescimento de 10,6% registado nos três primeiros trimestres de 2017, mas também das importações, que nesse período avançaram 14%.

Também comparando o terceiro trimestre com o segundo trimestre, verifica-se igualmente um abrandamento do ritmo de crescimento, tanto das importações como de exportações, que tinham crescido 9,5% e 10,8% respectivamente.

O abrandamento é visível também em termos mensais. Em setembro de 2018, as exportações e as importações de bens cresceram 1,7% e 0,5%, respectivamente, travando face ao mês anterior (que registou subidas de 2,3% e 8,7%, pela mesma ordem).

Segundo o INE, "a paragem programada das refinarias nacionais condicionou, de forma significativa, o comportamento global quer das exportações quer das importações nos meses de Agosto e Setembro".

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações cresceram 3,3% e as importações aumentaram 1,7% em Setembro, o que continua a revelar um abrandamento, embora inferior, aos aumentos verificados no mês anterior (1,3% e 1,4%, respectivamente).

Já o défice da balança comercial de bens atingiu 1.203 milhões de euros em setembro de 2018, menos 49 milhões de euros que no mês homólogo de 2017.

(Notícia em actualização)



pub