Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Montepio revê em alta previsões para o PIB em 2016

Apesar do bom desempenho no terceiro trimestre, o Montepio não mexeu na sua previsão para 2017.

Bruno Simão
Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 21 de Novembro de 2016 às 15:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Momentos depois de o INE anunciar que o PIB de Portugal tinha crescido 1,6% no terceiro trimestre, face ao período homólogo, o Ministério das Finanças afirmou que este desempenho implicaria uma "revisão em alta dos números divulgados por várias instituições".

  

Uma das primeiras foi o Departamento de Estudos do Montepio, que esta segunda-feira, 21 de Novembro, acrescentou duas décimas à sua estimativa de crescimento do PIB para este ano. Estima agora uma expansão de 1,2% este ano, em linha com a estimativa que o Governo inseriu na proposta do Orçamento do Estado.

 

"Reflectindo o facto de os dados do PIB terem ficado acima do esperado, revimos, em alta, o crescimento de 2016 de 1,0% para 1,2%, valor que é consistente com crescimentos em cadeia entre 0,0% e 0,3% no quarto trimestre", refere o Montepio no seu relatório semanal.

 

Acrescenta que "a economia deverá voltar a ser suportada em 2016 apenas pela procura interna, antecipando-se que o consumo privado cresça 2,1% e o consumo público 1,0%, prevendo-se que a FBCF contraia 1,0%, depois de ter crescido uns robustos 4,5% em 2015, enquanto as exportações líquidas deverão apresentar um contributo nulo (revisto do anterior contributo negativo) e a variação de existências um contributo sensivelmente nulo".

 

O bom desempenho no terceiro trimestre não foi suficiente para ter implicações na estimativa de crescimento para 2017, com o Montepio a continuar a apontar para uma expansão de 1,5%.

 

"Para 2017, mantemos a nossa previsão de um crescimento do PIB de 1.5%, mas observando-se uma redução dos riscos descendentes. Antecipa-se uma subida da FBCF de 3,6% em 2017, ao contrário do sucedido em 2016, suportada pelos financiamentos por parte de fundos comunitários (v.g. Plano Junker), alguma recuperação da construção e continuação da recuperação do investimento empresarial em equipamentos)", refere o Montepio, apontando ainda para "um abrandamento do consumo privado (+2,1% em 2016 e +1,6% em 2017), condicionado pela subida dos preços da energia e pelo abrandamento do consumo de bens duradouros".

Aqui pode ver as reacções de vários economistas aos números do PIB no terceiro trimestre.

Ver comentários
Saber mais Montepio PIB INE Ministério das Finanças
Mais lidas
Outras Notícias