Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

OCDE: Recuperação da economia portuguesa estagnou em julho

A OCDE assinala uma tendência de recuperação nas principais economias no mês de julho, mas o indicador para Portugal ficou inalterado.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 10 de Agosto de 2020 às 11:49
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

A economia portuguesa manteve o nível de atividade económica no mês de julho, face ao mês anterior, contrariando a tendência de recuperação que se verificou nas principais economias mundiais.

A conclusão surge da evolução dos indicadores compósitos avançados (CLI, composite leading indicators) publicados esta segunda-feira, 10 de agosto, pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE).

O indicador para Portugal ficou em 95 pontos, igualando o registado em junho. A estabilização no mês passado surge depois da recuperação acentuada em junho (4,34%) e também em maio (2,08%). Em abril o indicador tinha recuado 8,9% para um mínimo abaixo de 90, marcando o sexto mês consecutivo de declínio. O valor de julho para Portugal está agora 5% abaixo do registado no mesmo mês do ano passado, quando em abril a queda homóloga era superior a 10%.

No relatório publicado esta segunda-feira, a OCDE assinala que a tendência de recuperação observou-se em julho em todas as grandes economias, embora os indicadores permaneçam "abaixo da média de longo prazo e abaixo do registado antes da pandemia da covid-19".

"Depois da forte subida de junho, o ritmo de melhoria dos CLIs abrandou inevitavelmente na maioria das principais economias", acrescenta a OCDE, assinalando que foram revertidos os "sinais iniciais de que na China o indicador estaria a regressar a níveis pré-crise".

O indicador para a economia da OCDE melhorou perto de 1% para 98 em julho, enquanto na Zona Euro registou uma subida mensal de 0,64% para 97,29.

Portugal não foi o único país da OCDE a dar sinais de interrupção na tendência de recuperação em julho. Os indicadores para a Áustria, México, Austrália, Hungria, Dinamarca, Espanha, Eslovénia e Republica Checa também estabilizaram ou sofreram mesmo descidas ligeiras.

Os CLI da OCDE servem sobretudo para apontar tendências na evolução futura da economia e a entidade com sede em Paris adverte que nas atuais circunstâncias, os indicadores devem ser interpretados com cuidado devido à manutenção da incerteza considerável em torno do impacto dos atuais confinamentos e dos desconfinamentos.

Acrescenta que a magnitude do declínio dos CLI não deve ser considerada como uma medida do grau de contração da atividade económica, mas sim como uma indicação da força do sinal.

A economia portuguesa sofreu uma queda histórica no segundo trimestre, com o PIB a registar uma contração homóloga sem precedentes de 16,5%.

Ver comentários
Saber mais OCDE economia indicador compósito
Mais lidas
Outras Notícias