Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Covid-19: OMS diz que segunda grande vaga é cada vez mais improvável

A diretora do departamento de Saúde Pública da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou hoje que é "cada vez mais" improvável uma segunda grande vaga do novo coronavírus, mas aconselhou muita prudência.

A carregar o vídeo ...
Lusa 25 de Maio de 2020 às 12:22
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...
Em entrevista à rádio catalã RAC-1, Maria Neira indicou que os modelos de previsão com que a OMS trabalha "avançam muitas possibilidades, desde novos surtos pontuais a uma nova vaga importante, mas esta última possibilidade é cada vez mais de descartar".

"Estamos muito mais bem preparados em todos os sentidos", afirmou a médica espanhola, que recomendou "muita prudência e bom senso" numa fase "muito crítica" da pandemia da covid-19 e pediu que a população não "entre em paranoia nem se relaxe demasiado" e que "aprenda a conviver com doenças infecciosas".

Maria Neira considerou que se "baixou tanto a taxa de transmissão que o vírus terá dificuldade em sobreviver".

"Devemos ter muita prudência em afirmar se este é o fim da vaga, mas, pelo menos, os dados mostram que se evitou a transmissão e explosão das primeiras semanas", declarou.

No entanto, destacou que "vale a pena não fazer muitas previsões porque as próximas semanas serão uma fase muito crítica".

"Com a abertura [do confinamento das populações] é preciso ver como se comporta o vírus, mas será uma batalha diária. Dentro de duas ou três semanas veremos o que aconteceu e se é preciso fazer alguma correção cirúrgica", referiu sobre a abertura registada em Espanha.

Maria Neira reconheceu que a OMS ainda tem "algumas dúvidas sobre a relação do vírus com o clima", mas que regista que este está a "fazer o percurso geográfico que se espera de um vírus que quer sobreviver".

"Os números da imunidade são muito baixos. É precisa vigilância na reabertura", reiterou.

 A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 343 mil mortos e infetou mais de 5,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de dois milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.316 pessoas das 30.623 confirmadas como infetadas, e há 17.549 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou a ser o que tem mais casos confirmados (mais de 2,4 milhões, contra dois milhões no continente europeu), embora com menos mortes (mais de 143 mil, contra quase 174 mil).

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num "grande confinamento" que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.
Ver comentários
Saber mais Covid-19 OMS Maria Neira
Outras Notícias