Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Efeito dominó das escrituras pode colapsar mercado imobiliário

O dia 11 de março marca o fim de um ciclo, sem precedentes, de expansão do imobiliário em Portugal. A procura de imóveis online, que representa mais de 90% do total, já recuou perto de 60% na última semana, alerta um estudo da Imovendo.

Miguel Baltazar
Rui Neves ruineves@negocios.pt 20 de Março de 2020 às 12:49
  • Assine já 1€/1 mês
  • 34
  • ...

"Há milhares de portugueses que fizeram reservas de imóveis e firmaram contratos-promessa de compra e venda nas últimas semanas e que poderão estar a viver hoje um verdadeiro drama, pois estão dependentes da realização de escritura de venda da sua actual casa, para que aqueles processos possam ser concluídos… é um efeito dominó que poderá arrastar para situações, em alguns casos, insustentáveis de milhares de famílias!", alerta Manuel Braga, CEO da Imovendo.

 

Para esta consultora imobiliária, que define o dia 11 de março como a data que marca o fim de um ciclo, sem precedentes, de expansão do imobiliário em Portugal e o início de um período de incerteza e paragem profundas, "a principal força motriz que precipitará a contracção do mercado imobiliário é o expectável adiamento de milhares de escrituras nos próximos dias e semanas".

 

O impacto decorrente do surto de covid-19 deverá forçar uma interrupção abrupta, "praticamente total, no mercado imobiliário, obrigando a que profissionais e empresas de mediação mobiliária deixem a actividade", nota a Imovendo, num estudo a que o Negócios teve acesso.

 

Atente-se nesta dinâmica: A quebra de procura de produtos imobiliários (apartamentos, moradias, casas, imóveis e demais sinónimos) na internet, que representa 90% do total, tem sofrido uma erosão muito significativa, sobretudo desde o passado dia 11 de Março, o que se traduz em menos 57,5% de pesquisas desde o início do período, conclui a mesma fonte na sua análise mensal do mercado.

 

"A pandemia e o consequente estado de emergência declarado colocaram em pausa todas as decisões de investimento imobiliário presentes e futuras, pelo que o cenário que se antecipa para os próximos meses é o de uma total inflexão das dinâmicas que até agora vigoravam, por via do adiamento de escrituras já marcadas, falências e desemprego no setor e baixa gradual do preço dos imóveis (fase pós crise)", aponta.

 

Associada ainda à questão das escrituras, a Imovenda considera que "vão surgir igualmente situações em que muitas pessoas ou famílias que fizeram contratos de compra e venda há 30 dias atrás, hoje, com o estado de emergência decretado em Portugal, não conseguirão realizar a escritura da sua nova casa e veem os seus contratos de arrendamento a terminarem, sem ter para onde ir".

 

Os investidores vão ficar à espera de sucessivas baixas dos preços dos imóveis

Já no pós-covid-19, deveremos assistir a uma gradual baixa dos preços, a qual, segundo a Imovendo, "resultará de múltiplos factores e que dificilmente será invertida até ao final do ano".

 

"Já seria de esperar que os proprietários tivessem necessariamente de baixar os preços, numa fase pós-pandémica, mas, todavia, tal será pressionado de forma ainda mais significativa, pelo facto de parte dos activos atualmente colocados no mercado de Alojamento Local, dado o colapso que esta actividade sentiu, serem agora colocados à venda, num curto espaço de tempo e com alguma urgência no seu escoamento", explica o CEO da consultora imobiliária.

 

Após a crise convid-19, sem fim à vista, a procura vai diminuir e será diluída. "Os investidores nunca regressarão em força ao mercado, uma vez que mesmo com o gradual retorno à normalidade, a aquisição de uma (nova) habitação própria permanente não será uma prioridade e tal fará com que os compradores fiquem expectantes de sucessivos ajustamentos em baixa dos preços dos imóveis… e por este motivo será de esperar que os preços caiam ainda mais", antecipa Manuel Braga.

 

Esta consultora antevê 12 meses difíceis pela frente, sublinhando que "não há procura nos próximos dois meses e a recuperação poderá iniciar-se, se tudo correr bem, em finais de Maio, sendo que, por cada mês que passe, serão sempre precisos mais dois para se iniciar a retoma".

 

De resto, conclui, "neste novo ciclo que agora se inicia, a definição do preço correcto a colocar o produto imobiliário no mercado, assim como a utilização das ferramentas mais adequadas para se atingir a procura existente serão factores críticos de sucesso, bem como o será a necessária diminuição das comissões cobradas pelos profissionais do sector, de modo a garantir uma maior fluidez no mercado".

 

Mediadoras a fechar, consultores no desemprego

 

Por outro lado, "se já no imediato, a não realização de escrituras e a não realização de múltiplos negócios que já se encontravam tendencialmente fechados, confrontam as empresas de mediação imobiliária e os seus consultores com uma erosão não expectável das suas fontes de remuneração, a actual falta de dinamismo do lado da procura, e consequentemente paragem de visitas por parte de interessados, permite antecipar uma forte quebra de todo o negócio imobiliário nos próximos 45 a 90 dias".

 

Uma dinâmica negra que "empurrará, sem dúvidas, muitas empresas para uma situação em que correm o risco de fechar e, com isso, surge o espectro de desemprego para as suas equipas".

 

A Imovenda sublinha que, com a ausência de vendas, os consultores imobiliários que se dedicam à actividade a tempo inteiro, e mesmo os que se encontram apenas em part-time, "perderão necessariamente uma parte substancial do seu rendimento e, como tal, tornar-se-á extremamente difícil para uma parte significativa destes profissionais manterem-se em actividade".

 

"Não só as imobiliárias que vivem de uma ou duas transações por mês não aguentarão dois ou três meses sem vender, como, por outro lado, haverá profissionais obrigados a sair do setor, sobretudo aqueles que se dedicam de forma exclusiva ao imobiliário e que tenham rendimentos inferiores a 25 mil euros", frisa Manuel Braga.

 

Quebra de 60% na procura das principais marcas na internet

Voltando à quebra da procura de produtos imobiliários na internet, esta "é ainda mais pronunciada em termos de contactos e visitas, uma vez que existe um receio crescente em sair de casa e o estado de emergência declarado recentemente a isso inclusivamente obriga", explica.

 

Em linha com a quebra registada em termos de procura imobiliária online, "a procura das principais marcas imobiliárias na internet também caiu abruptamente nos últimos dias, sendo que neste indicador a quebra ascende a 60%", destaca.

 

O mesmo estudo dá conta que os portais imobiliários têm registado quebras de procura - e, consequentemente, de tráfego - ligeiramente inferiores à registada pelas principais marcas de empresas de mediação imobiliária em Portugal, "o que se justifica pelo facto de que muito do tráfego que hoje ainda se verifica tem origem em profissionais que continuam activos e que continuam a procurar angariar produto (para se prepararem para uma recuperação do mercado após a crise passar)".

Ver comentários
Saber mais imóveis imobiliário escrituras imovendo manuel braga
Outras Notícias