Cultura Sindika Dokolo comprou casa Manoel de Oliveira

Sindika Dokolo comprou casa Manoel de Oliveira

O empresário e coleccionador de arte africana, Sindika Dokolo, casado com a empresária angolana Isabel dos Santos, comprou a casa Manoel de Oliveira, no Porto, que esta segunda-feira foi a leilão.
Sindika Dokolo comprou casa Manoel de Oliveira
Celso Filipe 18 de janeiro de 2016 às 17:30
O coleccionador de arte africana, Sindika Dokolo, comprou a casa Manoel de Oliveira, colocada à venda esta segunda-feira, 18 de Janeiro, pela autarquia portuense, por 1,58 milhões de euros. Esta aquisição de Sindika Dokolo, casado com a empresária angolana Isabel dos Santos, foi confirmada pelo próprio ao Negócios.

Sindika Dokolo explica que a casa Manoel de Oliveira vai ser usada como a sede na Europa da Fundação que tem o seu nome. "A ideia de comprar a casa surgiu durante a minha estada no Porto. Fiquei bastante entusiasmado com o 'feeling' do Porto e a casa será a sede da minha Fundação fora de África", afirmou Sindika Dokolo ao Negócios.

A compra da casa foi efectuada através da empresa Supreme Treasure, a qual tem sede na Avenida da Liberdade, em Lisboa, precisamente no mesmo endereço onde está sediada a Santoro, a "holding" de Isabel dos Santos para os negócios em Portugal. Entre os finalidades desta empresa contam-se a "exploração de museus, monumentos, edifícios e outros sítios históricos, incluindo a preservação e a exposição dos objetos, sítios e recursos naturais de interesse histórico, cultural e educacional".

Sindika Dokolo esteve no Porto em Março de 2015, onde apresentou a exposição "You Love Me, You Love Me Not", a qual mostrou ao público mais de 50 artistas africanos contemporâneos que fazem parte da sua colecção. "Trata-se da mais importante mostra da colecção da Fundação Sindika Dokolo alguma vez concretizada", afirmou na ocasião a Camâra Municipal do Porto em comunicado publicado sobre a exposição que então esteve presente na Galeria Municipal Almeida Garrett.  

Sindika Dokolo refere, ao Negócios, que encontrou semelhanças entre o Porto e Barcelona no que respeita à dinâmica cultural e explica que a casa Manoel de Oliveira, da autoria do arquitecto Souto Moura, será utilizada como residência para artistas africanos e como espaço para a concepção de projectos envolvendo criadores africanos e europeus. O objectivo é "tornar o Porto ainda mais cosmopolita e mais cultural", adiantou. 

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, citado pela agência Lusa, diz que a venda da casa "é mais do que um alívio" porque "existia uma preocupação grande" por estar "ao abandono", pelo que "além do interesse monetário" da venda, também é resolvido um problema de reabilitação". Em Janeiro de 2016, a autarquia  havia anunciado a abertura de um novo processo de venda após o fracasso da primeira tentativa, a 21 de Dezembro de 2015. 

 

Em Junho de 2015, o vice-presidente da Fundação Sindika Dokolo, Fernando Alvim,já referia em declarações à Lusa que a instituição estava à procura de um edifício para acolher a sua futura sede, estando a casa Manoel de Oliveira entre os espaços já visitados, para além do Palacete Pinto Leite ou o Palácio das Artes da Fundação da Juventude, entre outros. Agora, Sindika Dokolo, concretizou a compra da casa debruçada sobre a foz do Douro.

Sindika Dokolo, nascido a 16 de Maio de 1972 no antigo Zaire, actual República Democrática do Congo, casou-se em 2003 com a empresária angolana Isabel dos Santos.

Em Março de 2015, Sindika Dokolo recebeu a medalha municipal de Mérito, Grau Ouro, pela Câmara Municipal do Porto, uma homenagem e reconhecimento da cidade pelo seu contributo para a cultura local.

A colecção de arte da Fundação Sindika Dokolo é composta por mais de 3.000 obras, entre pinturas, gravuras, fotografias, vídeos e instalações, da autoria de 90 artistas, de 25 países, e foi já apresentada em alguns dos principais palcos da Arte no mundo, como a ARCO, em Madrid, a Bienal de Veneza e o Espaço OCA, em São Paulo. 

(Notícia actualizada às 18h23 com os dois últimos parágrafos)







pub