Política  Assunção Cristas: "Queremos ser o primeiro partido do centro e da direita"

Assunção Cristas: "Queremos ser o primeiro partido do centro e da direita"

A líder do CDS, Assunção Cristas, anunciou que irá levar a votos na Assembleia da República o Programa de Estabilidade que o Governo tem de apresentar em Bruxelas.
 Assunção Cristas: "Queremos ser o primeiro partido do centro e da direita"
Negócios 10 de março de 2018 às 14:48

A líder do CDS, Assunção Cristas, quer que o partido seja a primeira escolha dos eleitores portugueses à direita e também à esquerda. "Queremos ser o primeiro partido no espaço do centro e da direita, sem hesitações, sem complexos", disse, este sábado, na apresentação da sua moção de estratégia ao 27º Congresso do CDS, em Lamego, citada pela Sábado


Cristas defendeu-se das acusações internas de desvirtuar a matriz do partido garantido que quer chegar a todos. "Sou pragmática? Sou. Quero chegar a todos, quero que me entendam, conheçam as nossas propostas e vençam os preconceitos que têm contra nós." 

E assegurou a defesa dos ideais do partido. "Que não haja qualquer dúvida, e queria ser muito clara: o meu CDS é o CDS que tem a democracia-cristã como eixo da roda e se assume como a casa do centro e da direita das liberdades, juntando conversadores e liberais. Esse é o meu CDS".

Garantiu que não esqueceu a história do CDS, mas avisou: "Não me peçam, por um segundo que seja, que me perca em discussões e esqueça de quem precisa de ajuda, de orientação, de apoio, para subir na vida e dar um melhor futuro aos filhos".

"No dia em que nos esquecermos disso, deixaremos de ser um partido, trairemos certamente a memória de Adelino Amaro da Costa e não honraremos a presença de Adriano Moreira", argumentou.

A líder do CDS aproveitou para anunciar que irá levar a votos na Assembleia da República o Programa de Estabilidade que o Governo tem de apresentar em Bruxelas antes de votar o Orçamento do Estado para forçar uma posição do PCP e do Bloco de Esquerda. "Para que fique absolutamente claro que as esquerdas estão bem unidas."

 

A líder disse também que continua a defender as prioridades que definiu quando foi eleita há dois anos. "Combater a pobreza também pela criação de emprego, criar um país amigo da família, compreender e valorizar a globalidade do nosso território, dar centralizado à cultura, apostar num Estado Social de Parceria e garantir a qualidade da justiça".

E fez um balanço bastante positivo do trabalho do CDS nos últimos anos. Para Assunção Cristas, os deputados do CDS foram a "melhor bancada no Parlamento" pelos iniciativas e pacotes legislativos que apresentaram. 




pub