Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

O dia num minuto: O "plano B" que tem de ser "A" e o adeus de Varela ao Banco de Portugal

Portugal vai mesmo ter de aplicar o "plano B" de medidas destinadas à consolidação orçamental, garante Pierre Moscovici. António Varela demitiu-se do Banco de Portugal e Hélder Bataglia estará em vias de ser constituído arguido.

Moscovici
Reuters
Negócios jng@negocios.pt 07 de Março de 2016 às 20:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Portugal vai ter mesmo de aplicar o "plano B". Mudou apenas uma palavra, mas com consequências importantes. A anterior posição da Comissão Europeia era que, caso fosse necessário, Portugal teria de implementar medidas alternativas de consolidação orçamental. O tal "plano B", já tão discutido. Contudo, no comunicado publicado esta segunda-feira, 7 de Março, Bruxelas já não tem dúvidas: essas medidas terão mesmo de ser aplicadas. A subtileza na mudança da palavra foi apanhada por uma jornalista em Bruxelas que, na conferência de imprensa, questionou Pierre Moscovici e Jeroen Dijsselbloem. O segundo deu a entender que não havia diferenças, mas o primeiro foi claro. "Eu explico a diferença. A diferença é que essas medidas terão de ser implementadas", afirmou. "Eu estarei em Lisboa na quinta-feira para discutir isso com o ministro das Finanças e o primeiro-ministro", acrescentou, referindo-se à sua visita a Portugal, marcada para dia 10 deste mês.

António Varela sai do Banco de Portugal. António Varela demitiu-se do Banco de Portugal por "não se identificar o suficiente com a política e a gestão" da instituição. Foi esta a razão apresentada pelo gestor na carta de demissão entregue a Carlos Costa e ao Governo. O pedido de resignação foi confirmado esta segunda-feira, 7 de Março, pelo banco central. Segundo o Negócios apurou terá sido um acumular de situações que levou à demissão de António Varela que, neste momento, terá chegado à conclusão que já não estavam reunidas as condições para continuar na entidade de supervisão. António Varela foi nomeado administrador do Banco de Portugal em Setembro de 2014, por escolha de Maria Luís Albuquerque.

Fundo do Montepio vai entrar no PSI-20. A Euronext anunciou esta segunda-feira que a Corticeira Amorim e a Sonae Capital vão passar a integrar o PSI-20, sendo que a estas duas cotadas junta-se ainda o Montepio. Neste caso não são acções, mas sim unidades de participação de um fundo que foram vendidas no âmbito da capitalização da instituição. Entram três empresas, mas saem duas cotadas. A Impresa, que desde este fim-de-semana passou a ter um novo presidente executivo, Francisco Pedro Balsemão, e a Teixeira Duarte vão ambas abandonar o índice português. A saída acontecerá a 18 de Março. As três cotadas promovidas têm a primeira sessão no PSI-20 a 21 de Março.


Société Générale recomenda "vender" EDP. O Société Générale cortou esta segunda-feira o preço-alvo da EDP de 3,10 euros para 2,60 euros. Ao mesmo tempo, reviu em baixa a recomendação para as acções de "manter" para "vender". O banco francês considera que as estimativas do consenso dos analistas são "demasiado elevadas" e defende que a sustentabilidade dos dividendos "está em dúvida".


Cavaco diz que agiu sempre em função do interesse nacional. Naquele que terá sido o último discurso enquanto Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva considerou esta segunda-feira, 7 de Março, que procurou "corresponder à confiança" dos portugueses, "agindo sempre em consciência", em função do "superior interesse nacional" e "no cumprimento da Constituição da República e sem olhar a outro propósito que não um futuro melhor" para os portugueses. Esta foi a principal mensagem do discurso que o chefe de Estado proferiu ao final da manhã em Cascais, onde recebeu o título de cidadão honorário, no qual sustentou que mantém "a mesma fé num futuro de maior coesão e justiça social" para o país. A "mesma esperança", acrescentou, conserva Cavaco Silva em relação ao cumprimento daquele que apontou como "um desígnio" que sempre o norteou: "o de conseguirmos todos, em conjunto, assegurar a construção de um Portugal maior".


Hélder Bataglia passa a arguido. O procurador-geral da República (PGR) de Angola confirmou esta segunda-feira, 7 de Março, em Luanda, a recepção de uma carta rogatória do Ministério Público português a solicitar a constituição do empresário Hélder Bataglia arguido no processo Operação Marquês. João Maria de Sousa disse à agência Lusa que a Procuradoria-Geral da República está a seguir os procedimentos para responder ao solicitado pelo Ministério Público português. Com o cumprimento da carta rogatória, o empresário torna-se no décimo terceiro arguido do processo Operação Marquês, caso que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o empresário Carlos Santos Silva e o antigo ministro Armando Vara, entre outros.

Transporte de mercadorias vai poder deduzir mais ISP. O Partido Socialista (PS) pretende alterar a dedução do Imposto Sobre produtos Petrolíferos (ISP) para as empresas de transporte de mercadorias. A majoração de 120% mantém-se, mas este montante deixa de estar incluído no limite aos benefícios fiscais. Na prática, poderão deduzir mais, até o máximo da matéria colectável. A proposta de alteração à autorização legislativa no âmbito do Estatuto dos Benefícios Fiscais prevista na proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2016, conhecida esta segunda-feira, defende qu, "para o transporte de mercadorias, o limite previsto no n.º 1 do artigo 92º do Código do IRC não é aplicável à majoração referida na alínea anterior".

Ver comentários
Saber mais António Varela Banco de Portugal Comissão Europeia PSI-20 Montepio Corticeira Amorim Sonae Capital Impresa Teixeira Duarte EDP Société Générale Cavaco Silva Hélder Bataglia Operação Marquês ISP Transportes
Mais lidas
Outras Notícias