Justiça 70% dos empresários admitem que sucesso depende das ligações políticas

70% dos empresários admitem que sucesso depende das ligações políticas

A nível europeu, só na Roménia há tantos inquiridos a fazer depender os negócios dos conhecimentos a nível político. O favorecimento de amigos ou familiares em instituições públicas é a prática de corrupção mais comum.
70% dos empresários admitem que sucesso depende das ligações políticas
Carlos Barria /Reuters
Negócios 26 de fevereiro de 2018 às 09:56

Nem as leis laborais, nem o acesso a financiamento bancário, nem os problemas de infra-estruturas nem a burocracia. Para os gestores portugueses não há maior travão à economia e às empresas do que a corrupção, indicam os dados do Eurobarómetro com base em inquéritos realizados no final de 2017.

 

Citado pela TSF, o relatório sobre "as atitudes das empresas perante a corrupção" mostra uma subida de quatro pontos, face ao estudo divulgado há dois anos, na percentagem de executivos portugueses (70%) que acham que a única maneira de ter sucesso nos negócios é ter ligações políticas. É o retrato mais sombrio no conjunto dos 28 Estados-membros, só igualado pela Roménia.

 

O favorecimento de amigos ou familiares em instituições públicas é a prática de corrupção mais habitual (59%), sendo que sete em cada dez empresários nacionais identificam "pelo menos" três formatos deste género generalizados no país. E 58% concluem que a corrupção é um problema nos negócios que fazem, o que vale uma subida de nove pontos em relação ao anterior inquérito.

 

Estes dados do inquérito europeu, que evidenciam que 86% acha que a corrupção está generalizada no país, são consistentes com o Índice de Percepção de Corrupção, divulgado na semana passada pela Transparência Internacional, que coloca Portugal abaixo da média da UE e o Estado português com fama de ser tão corrupto como o do Qatar.

 

E num país em que um quinto das empresas assume que perdeu um concurso público corrompido nos últimos três anos, a impunidade parece ser outra dimensão com significado – e também penalizada em relação à média comunitária. É que só 35% dos empresários portugueses inquiridos crê que estas práticas corruptas são efectivamente identificadas e condenadas pelas autoridades judiciais.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano 27.02.2018

Governos de esquerda tendem a isto e infelizmente a ditadura de 48 anos também deu azo a estas coisas. Se ao menos a justiça funcionasse! Mas a maior corrupção deste pais esta mesmo no sistema automático de votos comprados com os funcionários públicos e reformados, leiam "porque falham as nações"

Carlos Rocha 26.02.2018

Por isso somos considerados dos Países mais corruptos da União Europeia....https://www.transparency.org/news/feature/corruption_perceptions_index_2017

Anónimo 26.02.2018

Pois, e na construção que existe o maior numero de corruptos de sempre...

José 26.02.2018

Basta ver a promiscuidade nas tribunas dos campos de futebol

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub