Função Pública A evolução do emprego no Estado em quatro gráficos

A evolução do emprego no Estado em quatro gráficos

Entre o final de 2011 e Setembro de 2015, o Estado perdeu mais de um décimo dos funcionários das administrações públicas: 78 mil pessoas. Destes, recuperou desde então cerca de um terço. A partir dos dados oficiais, revelamos que carreiras deram os principais contributos.
A evolução do emprego no Estado em quatro gráficos



A evolução nas carreiras especiais

Mesmo quando a tendência era de forte redução do emprego público, o número de médicos aumentou. Noutros casos, como nas Forças Armadas, os dados oficiais apontam para consecutivas reduções de pessoal.

Evolução da variação homóloga do emprego (%) em algumas carreiras especiais.
voltar ao índice
Que carreiras criaram emprego?

Médicos e técnicos superiores estão entre os que registaram o maior aumento percentual. Forças Armadas entre as maiores quebras. Os docentes subiram no superior, mas caíram no básico e secundário, que pesam mais.

Evolução do número de funcionários públicos, por carreiras, entre Março de 2012 e Março de 2018 (%)
voltar ao índice
Que carreiras perderam mais pessoal?

Assistentes operacionais, docentes do básico e secundário e assistentes técnicos contribuem para a quebra líquida de 51,6 mil funcionários em seis anos.

Carreiras onde o número mais caiu em termos absolutos, entre Março de 2012 e Março de 2018
voltar ao índice
E quais contrariam a redução?

Entre os técnicos superiores, os médicos, os enfermeiros ou os docentes do superior, pelo contrário, já há mais profissionais do que há seis anos.

Carreiras onde o número mais aumentou em termos absolutos, entre Março de 2012 e Março de 2018
voltar ao índice



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Palermas de Tugas Há 1 semana


Quem fudeu isto tudo não foi a direita, foi um tal de Sócrates por acaso do PS que chamou a troika.

Quem fudeu isto tudo não foi a direita, foi um tal de Sócrates por acaso do PS que chamou a troika.

pub