Finanças Públicas Agência japonesa mantém "rating" de Portugal em "A"

Agência japonesa mantém "rating" de Portugal em "A"

A JCR alerta que a estabilização do sistema financeiro português ainda está a "meio caminho".
Agência japonesa mantém "rating" de Portugal em "A"
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 26 de fevereiro de 2018 às 09:15

A Japan Credit Rating Agency, agência de rating do Japão conhecida por JCR, actualizou esta segunda-feira a avaliação de Portugal, tendo optado por manter o "rating" em A e o "outlook" em "estável".

 

Numa nota publicada no seu site, a JCR adianta que o "rating" de Portugal é suportado pelo nível de desenvolvimento da economia, compromissos dos partidos políticos com a consolidação orçamental e mecanismos de suporte da Zona Euro.

 

"Por outro lado, o rating permanece constrangido pelo ainda frágil sistema financeiro e elevado endividamento externo e público", refere a JCR, acrescentando que "enquanto o sistema financeiro está ainda a meio caminho da estabilização, a economia começou a acelerar num ambiente de reformas no mercado de trabalho e na Segurança Social".

 

A JCR mexeu pela última vez no "rating" de Portugal em Janeiro de 2012, quando baixou a notação de "AA-" para "A", com "outlook" negativo. Em Junho de 2014 passou a perspectiva para "estável". À classificação de A, de acordo com a JCR, corresponde um nível "elevado nível de capacidade" do país em "honrar os compromissos financeiros".

 

Na nota assinada por Toshihiko Naito e  Sakura Yamamoto, a JCR assinala ainda que o rácio da dívida pública em Portugal começou a cair devido à redução do défice orçamental.

 

Portugal voltou a ser classificado, nos últimos meses, com um grau de investimento por parte de duas das três grandes agências de notação financeira. Foi no dia 15 de Setembro de 2017 que a Standard & Poor’s, numa acção inesperada, decidiu retirar a avaliação de Portugal de lixo. Três meses mais tarde, a Fitch melhorou a nota atribuída ao país em dois níveis – de ‘BB+’ para ‘BBB’–, passando a dar a avaliação mais elevada das quatro agências.

 

Entre estas quatro agências, apenas a Moody's continua a atribuir à dívida pública portuguesa uma notação de especulação, o 'Ba1' (o nível mais elevado de 'lixo'), com perspectiva positiva, o que significa que, na próxima avaliação a Portugal, a 20 de Abril, deverá melhorar o 'rating' atribuído à dívida soberana portuguesa.

 

Vários analistas acreditam que também as grandes agências de "rating" poderão colocar o rating de Portugal na categoria de "A", já este ano ou em 2019, caso o país mantenha a evolução positiva nas contas públicas e na economia.




pub