Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Alemanha e Itália baixam previsões de crescimento económico

Os Governos da Alemanha e da Itália reviram hoje em forte baixa as suas previsões de crescimento económico para este ano e o ministro da economia da maior economia do mundo, Wolfgang Clement, diz que o BCE tem que responder a este cenário de fraco crescim

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 29 de Abril de 2005 às 14:26
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Os Governos da Alemanha e da Itália reviram hoje em forte baixa as suas previsões de crescimento económico para este ano e o ministro da economia da maior economia do mundo, Wolfgang Clement, diz que o BCE tem que responder a este cenário de fraco crescimento na área do euro.

O produto interno bruto da Alemanha deverá crescer 1% este ano, contra os 1,6% registados no ano passado e previstos anteriormente para 2005. No início deste semana um conjunto de institutos económicos também reviu em baixa as suas previsões de crescimento, mas é ainda mais pessimista que o Executivo alemão, estimando um crescimento de apenas 0,7% no PIB.

Também o FMI e a Comissão Europeia são mais pessimistas que o Executivo alemão, pois antevêem um crescimento de 0,8% no PIB. Para 2006 o Governo cortou a previsão de crescimento do PIB de 2% para 1,6%.

A Itália, quarta maior economia da Zona Euro, também baixou a previsão de crescimento do PIB de 2,1 para 1,2% este ano.

Ontem o primeiro-ministro Sílvio Berlusconi disse que a decisão do Banco Central Europeu em não cortar os juros é «destrutiva», e hoje o ministro da economia da Alemanha volta a fazer criticar a política da autoridade monetária liderada por Jean-Claude Trichet.

Wolfgang Clement disse hoje, ao anunciar as novas previsões, que o BCE «deve ter em conta a posição da Alemanha» e «responder em benefício da economia alemã».

O BCE tem deixado as taxas de juro nos 2%, um mínimo de 60 anos, desde Junho de 2003 e o seu presidente tem afastado o cenário de efectuar um corte nos juros. As expectativas apontam mesmo para que se proceda a um aumento no final deste ano.

Ver comentários
Outras Notícias