Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Almunia adverte para mais perdas no sector financeiro

O comissário europeu responsável pelos Assuntos Económicos disse hoje não ter dúvidas de que o sector financeiro será obrigado a anunciar ainda mais perdas, depois de ter afirmado que não há muitos sinais de que o funcionamento dos mercados interbancários regressará ao normal num futuro próximo .

Eva Gaspar egaspar@negocios.pt 09 de Setembro de 2008 às 11:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...
O comissário europeu responsável pelos Assuntos Económicos disse hoje não ter dúvidas de que o sector financeiro será obrigado a anunciar ainda mais perdas, depois de ter afirmado que “não há muitos sinais de que o funcionamento dos mercados interbancários regressará ao normal num futuro próximo”.

“Sejamos honestos – poucos anteciparam a escala de perdas que estamos a assistir no sector bancário. O número está agora em 500 mil milhões de dólares. Cerca de metade deste valor foi reportado a bancos europeus – incluindo suíços e britânicos – e, sem dúvida, mais virá”.

Joaquim Almunia falava em Frankfurt num âmbito de uma conferência em que sistematizou os riscos que pesam sobre a economia europeia e inventariou as possibilidades de resposta, frisando a necessidade de uma prévia coordenação entre todos os Estados-membros.

Na ocasião, e referindo-se aos novos números que serão amanhã divulgados no âmbito da revisão intercalar das previsões macroeconómicas da Comissão Europeia, o comissário deixou ainda claro terá de rever em baixa a previsão de crescimento para a Zona Euro e subir a relativa à inflação, seguindo os movimentos de outras instituições internacionais.

A Zona Euro sofreu uma contracção de 0,2% no segundo trimestre e quer a OCDE quer o BCE, que nas últimas duas semanas actualizaram previsões, antecipam uma quase estagnação até ao fim do ano e um mau arranque de 2009.

“Amanhã apresentarei as nossas previsões actualizadas e infelizmente a mensagem não será muito diferente”, adverte Almunia. O BCE prevê agora um crescimento de 1,4% e a OCDE 1,3%.


Ver comentários
Outras Notícias