Europa António Costa: "Globalização não se enfrenta fechando fronteiras ou erigindo muros"

António Costa: "Globalização não se enfrenta fechando fronteiras ou erigindo muros"

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje, no seu discurso no Parlamento Europeu, que a globalização não se enfrenta "fechando fronteiras ou erigindo muros" e instou a União Europeia (UE) a deixar clara a sua abertura ao mundo.
António Costa: "Globalização não se enfrenta fechando fronteiras ou erigindo muros"
EPA
Lusa 14 de março de 2018 às 10:06

"A globalização não se enfrenta fechando fronteiras ou erigindo muros, retrocedendo numa lógica proteccionista ou numa deriva xenófoba. Devemos deixar claro que estas não são, nem nunca serão, as opções da Europa", alertou o primeiro-ministro português no seu discurso no hemiciclo de Estrasburgo, no quadro do ciclo de debates sobre o futuro da UE com chefes de Estado e de Governo no Parlamento Europeu.

 

António Costa afirmou que a União Europeia só terá a ganhar se continuar a projectar a visão de uma Europa aberta ao mundo, "do Japão ao Mercosul".

 

"O que a globalização nos exige é que sejamos capazes de investir nas qualificações, na inovação, nas infraestruturas que nos inserem nas redes globais. Só uma sociedade coesa económica, social e territorialmente garante uma competitividade sustentada", defendeu.

 

António Costa é o terceiro líder europeu a participar no ciclo de debates promovido pelo Parlamento Europeu sobre o Futuro da UE, iniciado este ano, depois dos primeiros-ministros da Irlanda, Leo Varadkar, em Janeiro, e da Croácia, Andrej Plenkovic, em Fevereiro, e antes do Presidente francês, Emmanuel Macron, o "convidado de honra" da sessão plenária de Abril.




pub