Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Guterres: "As elites portuguesas não estão à altura do povo que somos"

O antigo primeiro-ministro socialista e candidato a secretário-geral da ONU considera que existe uma falta de organização política no país e de organização da própria sociedade, um problema que atribui "às elites portuguesas".

Liliana Borges LilianaBorges@negocios.pt 23 de Fevereiro de 2016 às 01:39
  • Assine já 1€/1 mês
  • 26
  • ...

Os portugueses são elogiados no estrangeiro, mas de uma forma condescentente. A conclusão foi partilhada por António Guterres e Durão Barroso esta segunda-feira, num debate promovido pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e pela RTP1. Os dois antigos governantes portugueses criticaram a falta de organização política portuguesa, visível "até nos cartazes das eleições presidenciais que não foram retirados".

Para o antigo presidente da Comissão Europeia, "oscilamos entre complexo de inferioridade e exaltação nacionalista". Apesar da simpatia com que os portugueses são caracterizados e de o país ser visto "com respeito em relação à sua História" é ao mesmo tempo visto como "um país pobre e atrasado". "É visto com condescendência, uma condescendência que me magoa", notou Durão Barroso.

António Guterres, por seu lado, diagnostica um atraso estrutural no domínio da educação e organização da sociedade. "As elites portuguesas não estão à altura do povo que somos", frisou o antigo primeiro-ministro socialista. 


Défice de política é global

Guterres considera também que existe "um défice de política a nível global". "As empresas vão muito à frente dos sistemas políticos, dos reguladores". Referindo-se às fragilidades causadas pelas actuais ameaças à estabilidade e segurança internacional, o ex-Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) sublinhou que é através de uma base sólida de valores que é possível ultrapassar os actuais desafios da União Europeia.

"Hoje estamos a viver uma guerra em que ninguém ganha. O interesse profundo de todos os Estados é pôr fim a estes conflitos". "As coisas estão a ganhar uma dimensão tal e os riscos de segurança colectiva estão hoje de tal forma presentes que toda a gente tem a perder se não for capaz de ultrapassar heranças históricas e se não fizerem um esforço para criar uma nova herança", advertiu o candidato a secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Durão concordou, reafirmando que a questão da Síria "é uma mancha na consciência internacional". 

Ver comentários
Saber mais António Guterres Durão Barroso Fundação Manuel dos Santos presidente da Comissão Europeia Alto Comissário das Nações União Europeia secretário-geral da Organização das Nações Unidas ONU Síria política partidos e movimentos economia negócios e finanças
Mais lidas
Outras Notícias