Economia Assunção Cristas afasta hipótese de privatização da holding Águas de Portugal

Assunção Cristas afasta hipótese de privatização da holding Águas de Portugal

Ministra disse hoje no Parlamento que defende antes um modelo de concessões das várias entidades que compõem a holding. Processo só avançará em 2013.
Filomena Lança 18 de novembro de 2011 às 17:13
“Não penso que haja necessidade de ir para um sistema de privatização da holding. Um modelo de concessões seria perfeitamente fiável”, afirmou hoje no Parlamento a ministra da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território (MAMAOT). Assunção Cristas, que respondia a uma questão do PS, afirmou que concorda que “a água é um bem público e totalmente inalienável” e sublinhou que “temos um modelo que tem uma história, que tem uma dívida de 2,9 mil milhões de euros e planos de investimento de 600 milhões para os próximos dois anos” e que envolve “500 entidades de gestão da água”, ainda “com alguma capacidade de investimento”. Tem também, acrescentou a ministra, “uma entidade reguladora que não é independente e deve passar a ser”

A privatização da Águas de Portugal foi já abordada várias vezes com a troika, explicou Assunção Cristas aos deputados. “Dissemos que precisávamos de tempo e temos 2012 para fazer uma reestruturação do grupo ADP e só depois disso será conhecido o modelo de privatização”, concretizou, remetendo a concretização do processo para 2013.