Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Aumentos de impostos e reforma das pensões entre os "sacrifícios" exigidos aos italianos

"Ponderamos muito as questões de justiça, tivemos de distribuir alguns dos sacrifícios, mas tivemos muito trabalho para os distribuir de forma equitativa", disse Monti.

Lusa 05 de Dezembro de 2011 às 08:30
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...
O primeiro-ministro italiano anunciou hoje um novo pacote de austeridade que inclui cortes na despesa, aumentos de impostos e uma reforma do sistema de pensões entre os "sacrifícios necessários" para "reanimar" a terceira maior economia da zona euro.



Mario Monti apresentou ontem um novo pacote de austeridade, visando consolidar em 24 mil milhões de euros as finanças públicas italianas, de forma a atingir um orçamento equilibrado em 2013.



"Ponderamos muito as questões de justiça, tivemos de distribuir alguns dos sacrifícios, mas tivemos muito trabalho para os distribuir de forma equitativa", disse Monti, citado pela Associated Press.


Monti irá apresentar as medidas às duas câmaras do Parlamento italiano na segunda-feira.



Esta nova ronda de austeridade inclui cortes na despesa pública (incluindo no salário do primeiro-ministro, do qual Monti vai prescindir) e aumentos em alguns impostos, nomeadamente os ligados ao imobiliário.



Além disso, o Governo italiano quer avançar com uma controversa reforma do sistema de pensões. A reforma irá aumentar o número de anos de contribuições exigido (está actualmente nos 40), enquanto o cálculo das pensões passará a ter base em toda a carreira contributiva e não apenas nos últimos anos.



O antecessor de Monti, Silvio Berlusconi, já anunciara dois pacotes de austeridade em Julho e Setembro.



No entanto, as medidas de Berlusconi não foram suficientes para convencer nem os investidores nem os parceiros europeus da Itália -- cuja dívida pública, nos 120 por cento do PIB, é das mais elevadas da União.



Os juros das Obrigações do Tesouro italiano continuaram a subir e Berlusconi acabou por se afastar, a 12 de Novembro.



Susanna Camusso, secretária-geral da principal confederação sindical italiana, já veio denunciar as novas medidas de austeridade como "socialmente incomportáveis" e "um golpe muito duro para os reformados".



Rafaele Bonnani, da confederação Cisl, criticou o Governo por "não calcular o impacto social" de mais um pacote de austeridade.



"A escolha é entre ter hoje um plano muito austero ou correr o risco de falência amanhã", afirmou Angelino Alfaro, líder do partido de Sílvio Berlusconi.



Até agora, nenhum partido se opôs a estas propostas do governo 'tecnocrático' de Monti, com excepção da Liga do Norte, do populista Umberto Bossi, para quem o pacote de austeridade representa uma "derrota da Itália na guerra económica".

Ver comentários
Outras Notícias