Justiça Autoridades suspeitam de "luvas" milionárias nos vistos dourados

Autoridades suspeitam de "luvas" milionárias nos vistos dourados

Altos responsáveis do Estado estão a ser investigados por alegada corrupção e tráfico de influências na atribuição dos vistos a estrangeiros que investem em casas de luxo portuguesas, denuncia o Correio da Manhã.
Autoridades suspeitam de "luvas" milionárias nos vistos dourados
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 05 de junho de 2014 às 11:14

O Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) e a Polícia Judiciária suspeitam que dois responsáveis por organismos dos ministérios da Justiça e da Administração Interna, um alto magistrado e elementos dos serviços secretos estejam envolvidos num esquema de recebimento de "luvas", sobretudo de cidadãos angolanos e chineses.

 

Segundo escreve esta quinta-feira o Correio da Manhã, em paralelo com os necessários investimentos imobiliários a partir de 500 mil euros, que concedem o visto a cidadãos extra-comunitários, terá sido criado um esquema de comissões ilegais, com luvas na ordem dos 10%. Há ainda suspeitas por crimes de branqueamento de capitais com recurso a sociedades imobiliárias e de ganhos ilegítimos com a especulação no mercado imobiliário, cujos preços dispararam em algumas das zonas mais atractivas.

 

O mesmo jornal noticia que durante a investigação, em Março, foram detectados indícios de uma fuga de informação, tendo os suspeitos tido conhecimento deste inquérito e passado então a ter outros cuidados, como deixar de falar ao telefone ou mudar de aparelho.

 

Segundo os dados avançados pelo Governo, no ano passado os vistos "gold" atraíram um investimento de 306 milhões de euros (80% resultou da compra de imóveis e 20% da transferência de capitais). Logo nos dois primeiros meses de 2014, o Executivo atribuiu 208 documentos destes, num total de 108 milhões de euros de investimento recebido, o que significa que, a manter-se este ritmo, o Executivo irá rever em alta a previsão de 500 milhões de euros para o total do ano.

 

Em Março, um cidadão chinês com autorização de residência em Portugal ao abrigo do programa de vistos dourados foi detido pela Polícia Judiciária com base num mandado de captura internacional emitido pela Interpol. O homem que comprou uma casa de luxo em Cascais era procurado pelas autoridades chinesas num processo de burlas.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI